E como ficou a reunião da PCERJ…

Publicado: 22 de julho de 2007 em Uncategorized

Alguns teimaram em me acusar de preferir a PMERJ à PCERJ… quem acompanha meu trabalho e realmente me conhece sabe que afirmações deste tipo só podem ser fruto de muito despeito… mas… vida que segue!!

(Sou mãe de apenas uma menina, mas desejo dar irmãos – ou irmãs – a ela, e espero que nenhum deles venha me perguntar qual é o preferido…! [:p])

Os policiais civis do Estado de São Paulo decidiram decretar greve no próximo dia 16 de agosto (mesmo dia em que representantes da PMERJ irão entregar ao secretário de  Estado de Planejamento e pretendem, dependendo da resposta, iniciar a operação Tolerância Zero)…

Os policiais civis fluminense já tiveram esse encontro com o secretário de Estado de Planejamento – Sérgio Ruy Barbosa – na quinta-feira, dia 19. (Blog Caso de Polícia)

Estiveram presentes a delegada Jéssica Almeida, representando o Sindicato dos Delegados de Polícia, a inspetora Cheila Masioli, representando o Sindicato dos Policiais Civis, o inspetor Khalil, representando a Coligação dos Policiais Civis, o inspetor Marcus Vinicius, representando a Associação de Inspetores de Polícia do Estado do Rio de Janeiro, o papiloscopista policial Antônio Júlio, representando a Associação de Papiloscopistas, os peritos criminais Élcio e Erlon, representando a Associação de Peritos Policiais/RJ, e os policiais Francisco Chao e Denílson, além da delegada Gisele, que representou o chefe de Polícia Civil, delegado Gilberto Ribeiro (que esteve presente no início mas precisou ausentar-se) e o subsecretário de Coordenação Institucional da Secretaria de Estado de Segurança Pública, Márcio Colmerauer, representando o órgão.

Na reunião, o secretário de Planejamento alegou que o salário dos agentes policiais do RJ é o 5º melhor do Brasil, e que o salário dos Delegados de Polícia/RJ é o melhor salário do País.

A afirmação foi, inclusive, publicada no jornal O Dia:

odia-18jul07b.jpg

Para esta afirmação, citou estudos comparativos realizados com base em um outro estudo, feito pela Secretaria de Planejamento e Gestão de Pessoal do Estado de Minas Gerais (que comparou os salários dos policiais civis brasileiros, sendo que, no caso do Rio, o parâmetro de comparação com os salários dos policiais civis de outros Estados foi a média salarial de cada cargo policial fluminense).

Ou seja: tomando-se por base o maior salário pago pelo Estado a um inspetor da PCERJ, por exemplo, R$4 mil, e o menor salário pago, por exemplo, R$1.500, somando-se os dois, encontramos o valor de R$5.500 que, dividido por dois, dá R$2.750.

Tais distorções salariais existem na folha por várias razões… Há alguns policiais civis (apesar de serem poucos, existem) que têm incorporados aos seus salários a antiga “gratificação faroeste” – criada no Governo Marcelo Alencar e que previa pecúnias de, salvo engano, 25%, 50%, 75%, 100% e 150%, a serem computadas nos vencimentos dos agraciados (policiais civis e militares). Além disso, outros poucos policiais tem ainda incorporados aos seus vencimentos antigas gratificações de chefia, sem contar que todo servidor estatal faz jus a triênios, ou seja, quanto mais tempo ele tem no serviço público, maior é o triênio a ser computado sobre seu vencimento base. Assim, um Inspetor de Polícia classe Comissário de Polícia recebe hoje, aproximadamente, R$3.500,00, computando-se seus triênios – 50%, 55% ou 60% – enquanto um Inspetor de Polícia de 6ª Classe, que tem, no máximo, triênios de 10%, recebe, aproximadamente, R$1.500,00.

Os próprios policiais reconhecem que há alguns poucos inspetores de Polícia, oficiais de cartório policial, investigadores policiais e delegados de Polícia, assim como alguns outros poucos policiais militares, com salários acima da média da imensa maioria dos servidores ocupantes desses cargos. “Mas a imensa maioria dos policiais, civis ou militares, recebe salários achatados e aviltantes”, destacam.

Por isso tudo a classe propõe ao Governo do Estado o Reescalonamento Salarial. (A tabela proposta está AQUI)

Será tudo definido em uma próxima reunião, já marcada para o dia 15 de agosto.

Pelo visto, agosto será o mês do desgosto… só não sabemos ainda para quem…

Anúncios
comentários
  1. CRONICAS DE UM SARGENTO DE POLICIA
    É difícil escrever estas poucas palavras, pois é uma mistura de revolta, medo, desespero, esperança e desanimo que me faz escrever e logo depois apagar tudo. Talvez, a grande maioria dos Srs., quando lerem, irá achar “ridículo” ou até, quem sabe? “Legal” o que escrevi e nada a mais, tudo continua, como sempre foi, poucos dos Srs. irão repassar essas palavras a outros amigos que assim como nós, se sentem sozinhos, desamparados e sofrendo injustiças todos os dias só pelo fato de termos escolhido a profissão de ser Policial, mais raros ainda, serão os que realmente tentaram fazer algo para mudar essa situação critica em que nos encontramos.
    Na manifestação por melhores salários, iniciativa de um grupo de Oficiais é um fato inédito e louvável, estive presente, porem não fiquei satisfeito e torno publico que não irei mais apoiar a essas idéias a não ser que tome um outro rumo, os motivos são simples, em primeiro lugar a alusão a um Político durante a manifestação, o Sr Dep Wagner Montes, as reuniões deveriam ser apolíticas, cuidar apenas dos nossos interesses, creio que nas declarações do Sr Wagner Montes como apresentador de um programa de TV vão de contra as declarações do Sr Maj PM Wanderbv Braga( um dos organizadores) que durante as manifestações onde disse: que é contra a abonos, que eles não passavam de esmolas e nos não aceitaríamos isso…. no qual concordo, porem esquece o Sr Maj que por diversas vezes o Sr Apresentador Wagner Montes disse em seu programa (…-Sr Governador ao menos um abono para a “minha Poliçada”) fazendo se passar como representante da nossa classe, para mim uma forma politiqueira de aliciar uma classe tão injustiçada quanto a nossa
    Perdoe-me aos simpatizantes, mas só tenho uma cara…Sou Policial Militar e pertenço a Sociedade e não a um político o qual não votei para ser meu representante, pois nunca sentiu na pele o que nos policiais sentimos, quando digo nos Policiais digo a maioria, praças, ele nunca ficou em pé debaixo de chuva, sol, frio, calor, sem ter onde ao menos dignidade como ser humano, ele nunca passou nem perto do que nos Policiais passamos em nosso dia a dia, então ele não pode saber os nossos problemas.
    Em segundo lugar, esse termo “ Operação Padrão” é ridículo, melhor fosse cumprimento das Leis, realmente o grande culpado de estarmos nessa situação somos nos mesmos, Praças e Oficiais, não somos profissionais , Eu nunca vi um Oficial dizer a um praça para não seguir com a viatura porque ela não tem condições conforme as regras, porem já vi praças serem coagidos a seguirem com a mesma viatura senão seriam punidos conforme as regras, e é o nosso erro, sentimos medo para agirmos dentro da Lei. Agora pergunto: O que querem realmente? só engrossar suas fileiras por sermos nos praças a grande maioria ? e depois? Se conseguirmos o que pleitearmos, Vão continuar a nos apoiar, dizendo para não seguirmos para as ruas porque os nossos coletes estão vencidos pois isso iria por em risco as nossas vidas ? Porem foi dito isso em nossa manifestação, muito bonito, se não fosse como forma de represaria em caso o Estado não nos desse nada, isso não é certo, nem deixarmos de cumprir nossa missão.
    Srs, como havia dito foi louvável a iniciativa desses Oficiais, porem o caminho não é esse, No sempre necessitamos disso, pois acho que “Comandante qualquer um pode ser, pois teríamos que obedecer, porem, Líder é diferente, pois nos o obedecemos de coração,pois sabemos que ele nos protege e nos guia, é o caso do Sr Cmt Geral, ao apoiar, deixou de ser um CMT e passou a ser um Líder.
    Ricardo Garcia

  2. Nosso propósito é a INTEGRAÇÃO SALARIAL entre PMERJ e PCERJ.
    O apresentador Wagner Montes tem auxiliado na divulgação do evento e mesmo na cobertura propiciada pela Rede Record e merece nossa gratidão por isso.
    Estamos JUNTOS e FORTES e continuaremos assim.
    Quanto à tolerância zero, é claro que ela virá, mais cedo ou mais tarde, fruto não do que alguém disser ou fizer, mas do esclarecimento de nossa tropa.
    Que venha a tolerância zero e que venha a integração salarial com a Polícia Civil.

  3. Luiz Alexandre disse:

    Repito ao nobre Sargento, o que falei no sábado. Se não estiver acreditando nas nossas palavras, ou tampouco concordando com as ações tomadas, ações essa que nunca houveram por parte de Oficiais ou de Praças, é só ficar paradinho, olhando a tempo passar, como o Sgt. Ricardo e TODOS NÓS ESTAMOS FAZENDO HÁ TANTOS ANOS.

    Vai ver que se ficarmos parados, ouvindo RAP, as coisas se solucionem. Alías, o nome dado, não foi Operação Padrão, mas Tolerância Zero, o que, sinceramente, qualquer, por mais ridículo que seja, não influi em porcaria nenhuma.

    Sobre historicamente se dar um “jeitinho” na PMERJ, saindo com viaturas sem condições e os Oficiais “coagirem” os Praças para saírem, já vi muitas vezes alguns Praças se desdobrarem para a viatura andar. Porque, ao invés deles quererem pará-la, querem mais é sair com ela.

    Quero que alguém venha aqui dizer quando EU tomei esse tipo de ação. Jogar suposições é muito fácil, ainda mais fácil é criticar. O difícil é botar a cara lá na frente – o que nunca fizeram – e tentar levantar quem, muitas vezes, quer mais é ver o tempo passar…

  4. Luiz Alexandre disse:

    Aliás, agradeci o tal de Wagner Montes e agradeço novamente o que ele fez. Porém, NÃO VOTEI E NEM VOU VOTAR NELE.

  5. vamos nos unir para vencermos os obstaculos que nos são impostos pelos nossos governantes. Apolicia tem que ser unidad junto com a jilitar e com as de todo o Brasil.Sergio comissário mat.179.806-5

  6. josé braz disse:

    Sargento garcia exemplo de policial, que Deus sempre esteja ao lado deste amigo protegendo e não deixando se desviar de caminho. agradeço pela amizade deste sargento ricardo garcia, e como esta aussente por algunss semanas peço para dar me noticia saudades, abraços a todos. josé braz sp interior

  7. Não acho justo o pessoal da Pol. Civ. ganhar mais do que os PM’s; vejam: Delegado= 10.470,00 Cel PM= 6.800,oo c/ gratificações ( pasmem, atualmente +/- 5.000,00 c/ o corte de gratificações dos aposentados ). Isso é desigual, deveria haver uma equiparação salarial, pois os riscos são praticamente os mesmos, tanto dos superiores como dos subalternos !!! Fiquem c/ DEUS !!!

  8. Braga disse:

    Temos que ter mais união hoje em dia Inspetores Penitenciários, policiais civis e militares, se nós nos uníssemos ficaria bem mais fácil.
    hoje em dia um
    Soldado da PMERJ GANHA R$ 1.300,00
    Inspeor de polícia Civil ganha R$ 1.700,00
    Inspetor Penitenciário ganha R$ 2.200,00

    A policia civil ainda tem mais 500,00 de delegacia legal que a maioria recebe.
    E os Inspetores Penitenciários também recebem mais 500,00 quem trabalha no SOE ou ocupa outros tipos de cargos comissionados.

    vamos lutar pela unificação salarial de todos nós nivelando sempre pelo maior.
    vamos nos unir, vamos ser mais camarada um dos outros e deixar as vaídades de lado com certeza ganharemos muito com isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s