17 PMs mortos, 6 PCs mortos e 13 PMs baleados

Publicado: 7 de fevereiro de 2009 em Uncategorized

Fotos: Bruno Gonzalez, Júlio Almeida, Pedro Pantoja, Rodrigo Lopes e Vitor Silva

Cinco policiais militares foram mortos ao longo do final-de-semana de 7 a 8 de janeiro em pontos distintos do Estado do Rio. Dois deles estavam de serviço. Somente este ano, 26 policiais foram alvos de atentados. Destes, 17 morreram – sendo 13 PMs e 4 policiais civis. A média é de 7 policiais por semana.

Policia

2 de janeiro: 2 PMs mortos
Lotados no Auxílio à Polícia de Trânsito (APTran) do 32º BPM (Macaé), o sargento Rogério Barberino, 46 anos, e o soldado Leandro de Moura Teixeira, 25, foram assassinados pelo técnico de som Ricardo Carneiro Essucy, 44. Eles realizavam patrulhamento de rotina no Centro de Rio das Ostras quando foram acionados para conter uma discussão a poucos metros da rodoviária.

policia
3 de janeiro: 2 PMs baleados
Lotados no Módulo Operacional de Vias Especiais (MOVE) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), o soldado Márcio da Paz Pinho, 28 anos, e o cabo Marcos Valério de Souza Santos foram baleados no Elevado Engenheiro Freyssinet, mais conhecido como Elevado Paulo de Frontin, no Rio Comprido, quando faltavam 20 minutos para deixar o posto de serviço. os policiais foram alvos de tiros de fuzil efetuados por ocupantes de um Eco Sport preto de placa não anotada.

5 de janeiro: 1 PM morto
O policial militar Lúcio Luiz Lopes, 35 anos, lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), foi morto, em Jacarepaguá, após ter sido baleado pelo colega de batalhão, Josué Jivago de Freitas Soares, 33. A mulher de Josué, Michelle Nascimento, contou que os dois trocaram tiros após discutir por causa de R$ 3.700,00.

7 de janeiro: 1 PM morto
O sargento Antônio dos Santos Filho, 43, lotado no 1º BPM (Estácio), foi abordado quando trafegava com seu veículo – o Palio branco placa LCS 9992 – próximo à passagem de nível da Estação Ferroviária, no Jardim Gramacho. Policiais militares lotados no 15º BPM (Duque de Caxias) revelaram que pelo menos quatro homens em um Golf de cor e placa não anotadas tentaram roubar o carro do sargento, que reagiu e acabou sendo baleado. Ele não resistiu aos ferimentos.

7 de janeiro: 1 PM baleado
O soldado PM Fernando Queiroz Santa Marta, 34, foi baleado ao reagir a assalto na porta de casa, no bairro Jardim Primavera, em Duque de Caxias. Um dos criminosos, Reinaldo Júnior de Oliveira Pereira, 22, morreu na troca de tiros. O comparsa dele conseguiu fugir.

11 de janeiro: 1 PM morto
O cabo PM Anderson da Silva Oliveira, 30, morreu ao reagir a uma tentativa de assalto. Lotado no 2º BPM (Botafogo), ele se dirigia ao trabalho, em sua moto, quando foi surpreendido por uma falsa blitz que estava sendo realizada na Avenida Marechal Rondon, próximo à Rua Henrique Dias, no Rocha. Baleado na barriga, ele ainda foi socorrido e levado para o Hospital Salgado Filho, mas não resistiu aos ferimentos.

14 de janeiro: 1 PM morto
O corpo do subtenente reformado Rogério Luiz Nogueira Agueiro, 49, foi encontrado no Morro do Roseiral, em Belford Roxo, na Baixa Fluminense. Ele havia sido expulso de casa pelo traficante conhecido como Zingo. O PM chegou a morar em Santa Cruz e Campo Grande, onde foi ameaçado por milicianos porque não queria fazer parte do grupo. Quando voltou para Belford Roxo, foi intimidado por um fogueteiro do tráfico, que disse: “Fugiu no Ano Novo, né?”

16 de janeiro: 1 PM morto
O sargento PM Marco Antônio Barreto Siqueira, o Rambo, 41 anos, foi assassinado com vários tiros de fuzil no fim da noite de sexta-feira, na porta de casa, na Rua Punta Del Este, na localidade Terra Bela, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio. Ele estava na Diretoria Geral de Pessoal (DGP). Estava cedido há três anos ao gabinete do deputado estadual coronel Jairo (PSC). Trabalhava como motorista do oficial, que é vice-presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). Não sei o porquê, mas a assessoria do deputado negou a informação.

17 de janeiro: 2 PMs baleados
O sargento PM Renato Sunny Ferreira da Silva, 36 anos, e o soldado Mário Pernambuco, lotados no 6º BPM (Tijuca), ficaram feridos durante ataque de bandidos a uma blitz realizada na Avenida Castelo Branco, na pista sentido Centro, próximo à saída do metrô do Maracanã. Os policiais checavam os documentos de uma moto em que viajavam Anderson Silvério da Silva e Thianny Úrsula do Carmo de Jesus Bellarmino quando vários homens chegaram ao local em vários carros, saltaram dos veículos e atiraram contra o PM e o casal. Os quatro foram baleados. Os criminosos teriam usado um Golf de cor e placa não anotadas, um Mitsubishi preto e uma Toyota Hilux vermelha.

17 de janeiro: 2 PMs baleados
Dois policiais militares lotados no 27º BPM (Santa Cruz) foram baleados em locais distintos, durante a folga. Em Santa Cruz, o cabo Carlos Josia da Silva Barbosa foi atingido por três tiros de fuzil e chegou a falar os nomes dos responsáveis pelos disparos, antes de ser socorrido. O outro PM, o cabo Bruno Marcelo Caetano dos Santos, foi atingido na porta de casa, em um condomínio da Caixa Econômica Federal (CEF) perto do West Shopping, em Campo Grande, também na Zona Oeste do Rio.

policia

20 de janeiro: 1 PM baleado
O Posto de Policiamento Comunitário (PPC) de Vila Tiradentes, no encontro das ruas José de Carvalho e Odila, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, foi alvo da ação de criminosos, no início da noite. Os bandidos passaram em frente ao PPC, que pertence ao 21º BPM (São João de Meriti) em um carro de placa e modelo não anotados e dispararam vários tiros em direção ao posto, onde havia três policiais militares de serviço. O soldado Pedro Paulo de Carvalho, 29 anos, acabou atingido por um tiro na virilha.

niteroi-homicidio-policial-julio-almeida02

25 de janeiro: 1 PC morto
Durante um assalto sofrido na Zona Sul de Niterói, no início da manhã, o policial civil aposentado Higino da Silva Samari, 64 anos, acabou sendo executado ao ter sua identidade descoberta pelos criminosos. Ele estava em uma moto, parado no sinal após o túnel Raul Veiga – que liga os bairros de São Francisco e Icaraí – quando foi abordado por quatro bandidos, por volta das 9h30. Três deles estavam no interior do Vectra preto placa LUW 7574. O policial teria tentado fugir, saindo do carro, mas um dos motoqueiros que davam cobertura ao Vectra retornou na contramão da Rua Marquês do Paraná, na altura da Avenida Amaral Peixoto, já no Centro de Niterói, e efetuou quatro disparos de pistola calibre 45 contra a vítima. Ele foi atingido por um tiro na cabeça, dois no tórax e um na coxa da perna esquerda.

policial-morto-em-campinho-vitor-silva

3 de fevereiro: 1 PC morto
O policial civil Hamilton Trindade, 45 anos, foi morto na Rua Olímpio de Azevedo, em Campinho, na Zona Norte do Rio. Ele era auxiliar de necropsia do Instituto Médico Legal (IML) e foi atingido por oito tiros no rosto e nos braços.

Policia

4 de fevereiro: 1 PC morto
O policial civil Plácido da Cunha Faria, 51 anos, foi morto com vários tiros quando saía de casa, na Rua Clóvis Salgado, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Ele era lotado no Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Dois homens mascarados fizeram cerca de dez disparos de pistola contra o policial e fugiram logo em seguida.

4 de fevereiro: 1 PM morto
O tenente-coronel reformado Paulo Roberto Barbosa da Silva, 62 anos, morreu após levar cinco tiros ao tentar impedir um assalto em Camboinhas, na Região Oceânica de Niterói, no final da noite. O oficial foi baleado cinco vezes – três no rosto e duas no peito – ao se atracar com um criminoso no Quiosque da Tia Lúcia, no calçadão da orla da Praia de Camboinhas, por volta das 21 horas. Além do PM, o vigia Adão Alves Cordeiro, 41, também foi atingido por dois tiros – um na mão direita e outro no abdômen.

Policia

6 de fevereiro: 1 PC morto e 1 PM baleado
O inspetor da Polícia Civil Álvaro Cavalcante de Souza, 48 anos, lotado na 59ª DP (Duque de Caxias), morreu ao trocar tiros com o tenente da Polícia Militar Diego Luciano de Almeida, 30, lotado no 16º BPM (Olaria). O PM foi baleado três vezes, na perna, na coxa e no pé. A discussão ocorreu na lanchonete Habibs localizada na Avenida Meriti, na Vila da Penha, por volta das 4h30.

7 de fevereiro: 1 PM morto
O sargento Manoel Coutinho Filho, lotado no 1º BPM (Estácio), morreu no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, onde estava internado desde a manhã do sábado. Ele chegou à unidade após ser transferido do Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, para onde foi levado após ter sido baleado enquanto fazia patrulhamento de rotina na Rua Itapiru, no Rio Comprido, por volta das 5 horas. O PM foi atingido por disparos de fuzil nas costas e na perna, efetuados por bandidos que tentaram fechar a rua para praticar assaltos. Os criminosos, que seriam do Morro da Mineira, fugiram.

Foto de Paulo Alvadia / AG O DIA

Foto de Paulo Alvadia / AG O DIA


7 de fevereiro: 1 PM morto

O segundo-sargento Roosevelt Vale da Silva, 46 anos, lotado no Grupamento de Ações Táticas (GAT), morreu após ser baleado no tórax por criminosos do Engenho da Rainha, no início da manhã. O PM se dirigiu com sua equipe até a Rua João Ribeiro, onde traficantes dos morros do Engenho e do Urubu estariam praticando assaltos. Ele chegou a ser socorrido e levado para Hospital Salgado Filho, no Méier, mas não resistiu ao ferimento. A menor Marta Cristina da Silva, 14 anos, que estava grávida de quatro meses, e o técnico em telefônica Marco Antônio Simões, 37, foram vítimas de balas perdidas. Os dois também faleceram na unidade de saúde. A menor estava no interior de uma Belina quando dois criminosos abordaram o veículo e tentaram fugir escondidos nele. O motorista tinha mandado de prisão por homicídio e ficou detido na 25ª DP (Engenho Novo).

7 de janeiro: 1 PM morto
Lotado no 10º BPM (Barra do Piraí), o cabo André Luiz Mota, 30 anos, foi morto a tiros no interior de um bar em Vassouras, no interior do Rio, já à noite. O PM estava em um bar na Rua Bingue, no Morro da Vaca, quando uma confusão foi iniciada. O cabo baleou Roberto Patrocínio Pereira, 27, na perna, e Sidnei Patrocínio Pereira, 30, na barriga. O primeiro conseguiu desarmar o PM e deu dois tiros no peito dele. Os irmãos estão custodiados no Hospital Universitário Sul Fluminense, no bairro Madruga, e um terceiro homem, identificado como Juan Carlos Barbosa do Nascimento, 20, foi levado para a 95ª DP (Vassouras).

7 de janeiro: 1 PM morto
O cabo Antônio Carlos Rodrigues da Silva, lotado no 17º BPM (Ilha do Governador), foi morto a tiros na favela Muriçaba, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Ele estava participando de um churrasco na Rua 3, quando quatro bandidos em uma pick-up se aproximaram do grupo e atiraram. Outras duas pessoas foram baleadas: um homem, atingido na perna, e um morador que passava pelo local, na cabeça. Os feridos, identificados como Anderson de Melo, 26 anos, e Vinícius da Silva Jardim, 18, foram levados para o Hospital Rocha Faria, em Campo Grande.

8 de janeiro: 1 PM morto
O terceiro-sargento Carlos Eduardo Souza Neves, lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), morreu após uma tentativa de assalto no Rio Comprido, na Zona Norte do Rio, no início da manhã. O PM seguia de moto pela Avenida Paulo de Frontin, sentido Zona Sul, quando foi abordado por suspeitos em outra moto, por volta de 7h. Ele reagiu e houve troca de tiros, sendo atingido por três disparos. O sargento chegou a ser levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, mas não resistiu aos ferimentos. Os criminosos conseguiram fugir, mas na fuga deixaram cair três bolsas que seriam de supostas vítimas de assalto.

18 de fevereiro: 1 PC morto
O policial civil Eliseu Botelho, lotado na 4ª DP (Praça da República), foi morto a tiros na madrugada, na Vila Mimosa, próximo à Praça da Bandeira, na Zona Norte do Rio.

19 de fevereiro: 1 PC morto
O policial civil Osmar Ismail Jordão da Silva foi morto a tiros depois de uma tentativa de assalto em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio. Quatro criminosos tinham roubado um carro na Favela Sete de Abril, no mesmo bairro, e teriam avistado o policial, que usava uma pulseira dourada. Ao perceber que seria assaltado, ele trocou tiros com os criminosos. Um deles chegou a ficar ferido, mas todos fugiram. O policial foi baleado e encaminhado para o Hospital Pedro II, onde morreu.

Polícia

25 de fevereiro: 1 PM morto
O cabo da Polícia Militar Vanderlon Abreu da Paixão, 33 anos, morreu no Hospital Geral de Bonsucesso (HGB), no bairro de mesmo nome, na Zona Norte do Rio. O PM, que era lotado no 23º BPM (Leblon), deu entrada na unidade após ser baleado em assalto ocorrido na Avenida Brasil, na altura do Piscinão de Ramos, por volta das 10h20.

Polícia

26 de fevereiro: 1 PM baleado
O cabo da Polícia Militar Anderson Luís de Souza Pereira, lotado no 27º BPM (Santa Cruz), levou um tiro na região glútea durante confronto com traficantes que controlam a venda de drogas na Favela Cesarinho, em Paciência, na Zona Oeste do Rio. A troca de tiros ocorreu na Estrada de Santa Eugênia. O PM foi socorrido e levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, onde ficou internado em observação. O registro foi feito na 36ª DP (Santa Cruz).

26 de fevereiro: 1 PM morto
O sargento da Polícia Militar Joelson Pereira, lotado no 9º BPM (Rocha Miranda) morreu após ser atingido durante confronto com traficantes do Morro do Chapadão, em Costa Barros, onde bandidos de quadrilhas rivais disputavam o ponto de venda de drogas. O PM ainda foi levado para o Hospital Carlos Chagas, mas não resistiu aos ferimentos.

27 de fevereiro: 2 PMs baleados
Lotados na 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (1ª DPJM), o cabo PM Fábio da Silva Ésper, 32 anos, e o soldado PM José Cândido da Silva, 26, foram baleados na Favela João Teles, na localidade conhecida como Bancários, na Ilha do Governador. Os PMs realizavam investigações na região quando entraram por engano na Rua Doutor Agenor Almeida de Loyola, com o Gol branco descaracterizado, placa LNY 5333. O cabo foi baleado de raspão na cabeça e o soldado foi atingido na mão esquerda, também de raspão. Os policiais foram socorridos no Hospital da Força Aérea do Galeão. Outros dois PMs que estavam na viatura, que ficou com cerca de 10 marcas de tiros, nada sofreram.

28 de fevereiro: 1 PM baleado
O sargento Sérgio Ferreira, lotado no 20º BPM (Mesquita), saía de casa, em Austin, na Baixada Fluminense, em direção ao serviço quando foi surpreendido pelos criminosos. Ele trocou tiros com os bandidos e conseguiu atingir um deles. O policial foi socorrido e levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, mais conhecido como Hospital da Posse.

2 de março: 1 PM morto
O sargento da Polícia Militar Cláudio Pinheiro da Silva, lotado no 19º BPM (Copacabana), foi morto a tiros próximo de sua casa, em Imbariê, na Baixada Fluminense, no início da tarde. O PM foi abordado por homens que estavam em uma motocicleta, na esquina das ruas Rodrigues Alves e 14 de julho. Ele teria reagido à tentativa de assalto e acabou atingido. Socorrido, ele foi levado para o Hospital Adão Pererira Nunes, em Saracuruna, mas não resistiu aos ferimentos.

6 de março: 1 PM morto
O cabo Marco Aurélio Quirino de Oliveira, 36 anos, lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), morreu ao reagir a assalto em uma casa lotérica localizada na Rua Carolina Machado, próximo à estação de trem, no bairro Oswaldo Cruz.

Anúncios
comentários
  1. ok ouve uma axacima en vila da penha guanstos mortos no locau,
    queria seber que ida que aconteceu isso en que locou !!

  2. Every Stilly disse:

    Sou Policial Militar aqui em Pernambuco.Embora a nossa função seja a mesma e a criminalidade tenha se generalizado por todo país.Sei o diferencial.Aí no RJ bem como em SP,o confronto é mais acirrado divido as proporções que a criminalidade tomou e vem tomando dia após dia.Isso deve-se no entanto,(Na minha visão).A impunidade e a falta de LEI mais rigorosa.Na CHINA do Século XVI na ESCOLA DOS SÁBIOS,foi dito o seguinte,Que:” UMA LEI FORTE COM OS DISPOSITIVOS QUE A AMPARE,VALE MAIS QUE A PALAVRA DE TODOS OS SÁBIOS”. Aqui,(No BRASIL);O que ver-se são uma horda de políticos endiabrados,conversando besteira e assistindo de camarote os policiais serem dezimados sem uma AÇÃO real e eficaz.Mas a situação não irá mudar não.Enquanto perdurar a demagogia desses larápios de gravata.O que nos envergonha mais é que,somos obrigados a prender quem roube uma lata de leite em um supermercado.Enquanto eles roubam o dinheiro do povo.Milhões prá isso.Milhões prá aquílo.E nada é feito. Isso porêm,se reflete também na própria sociedade.Por mim.Já estou completando 23 anos de efetivo serviço.Danem-se os políticos e a sociedade.Vou me esquivar até o quanto for possível,até chegar minha aposentadoria.Prá os que estão inevitavelmente no campo de batalha.Deus os ajude,porque outra coisa não vinrá não.

  3. teixeira disse:

    a pm tem que crusar os braços, somente assim nos darao valor.

  4. damiana disse:

    cinto na pele esse sofrimento a cete anos mas e como se fosse ho je

  5. damiana disse:

    meu marido foi morto no dia 02denovembro de 2002 e eu nunca o esqueci roberto ferreira gusmao mais um policial morto apenas isso

  6. douglas disse:

    seu marido morreu tarde aquele cuzão filho da puta

  7. Gustavo disse:

    Deixo uma pergunta pra galera qui… vale a pena ser Policial no Rio de Janeiro ?

  8. junior disse:

    o douglas se esse e o seu nome….se eu te encontrar vou fazer vc engolir a sua lingua….as autoridades deveriam ter uma postura diferente…e passar o rato em qq vagabundo que visse por aí….

  9. lucas disse:

    eu axei foi bom deviam morre tudo bando de safado vai volta de ré na bala pé de porco

  10. jose eugenio da cunha disse:

    HIHI… calma gente é isso que vcs escolheram,mulher de policial uma hora vai receber a triste noticia….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s