Polícia prende gonçalenses acusados de integrar quadrilha de roubo a banco

Publicado: 16 de fevereiro de 2009 em Uncategorized

Fotos: Vitor Silva

assantantes-de-banco-polinter-vitor-silva

Agentes da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual (DC-Polinter) prenderam dois homens acusados de integrar uma quadrilha especializada em roubo a instituições financeiras, no início da noite de quinta-feira, dia 13. Com a dupla, os policiais recuperaram R$ 50 mil e apreenderam duas armas: além de uma pistola 380, o revólver calibre 38 roubado de um dos vigilantes. A prisão foi efetuada no momento em que a quadrilha saía da agência do Itaú localizada no calçadão de Bangu. Outros cinco integrantes do bando conseguiram fugir.

O chefe do Setor de Investigações (SI) da DC-Polinter, Sérgio Franco, explicou que o grupo praticava assaltos a bancos em todo o Estado do Rio há mais de três meses e que contava com a conivência de vigilantes. A afirmação foi feita após a descoberta de que a quadrilha possuía oito desbloqueadores de portas giratórias.

“Os aparelhos são originais. Não são cópias e nem réplicas. Isso prova que eles contavam com a conivência de alguém de dentro. Não é uma suposição. É fato”, ressaltou Franco.

As equipes da Polinter chegaram à Avenida Ministro Ary Franco e se espalharam para realizar um cerco ao banco. Os policiais já vinham monitorando o grupo há cerca de três meses e já haviam tentado efetuar a prisão outras duas vezes.

“Eles sempre chegavam após o fechamento da agência e tinham como alvo o malote que ficava separado à espera do carro-forte. Eles tentaram por duas outras ocasiões na mesma agência nos últimos 10 dias. Na primeira, a chegada do carro-forte ocorreu antes do horário previsto. Na última, na sexta-feira passada, era dia de pagamento no Estado e eles foram pegos de surpresa com a presença de três PMs fardados que entraram para fazer saque no caixa eletrônico. Eles bateram na trave três vezes e não desistiram. Insistiram na mesma agência”, contou Franco.

No final da tarde de quinta-feira, na terceira tentativa, foram surpreendidos pelos policiais. Cinco criminosos ainda conseguiram fugir levando parte do dinheiro roubado, mas Walber de Carvalho Nideck, 32 anos, e Marcos Pereira dos Santos, 31, foram alcançados e detidos. Contra o primeiro há quatro mandados de prisão. Já o segundo estava foragido do Instituto Penal Plácido Sá Carvalho, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio.

Moradores do bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, os dois têm passagens pela Polícia por assalto a mão armada. A quadrilha é suspeita de ser a responsável pelo roubo ocorrido no dia 29 de dezembro no banco Bradesco no Centro daquele município. Na ocasião, quatro homens armados entraram na agência localizada na Rua Feliciano Sodré, a poucos metros da sede da Prefeitura de São Gonçalo, e roubaram os caixas, levando R$ 16 mil.

“A maior parte da quadrilha é de São Gonçalo. O que mais surpreende é a audácia. A agência roubada na quinta-feira fica em uma rua de grande movimento e existe uma cabine da PM a 50 metros de distância. Ninguém percebeu a ação. Eles entraram no banco usando uniformes de uma firma de limpeza. Eles também são muito organizados. Tudo é planejado. Cada integrante tem uma função definida dentro do grupo. Parte fica do lado de fora observando a movimentação e eles não se comunicam por telefone. É tudo sincronizado e eles não podem perder mais de cinco minutos na ação”, informou o inspetor.

Outro detalhe que chamou a atenção dos policiais durante as investigações foi a descoberta de que o grupo aluga as armas utilizadas nos assaltos de traficantes ligados à facção criminosa Comando Vermelho (CV), a mesma que controla a venda de drogas nas bocas-de-fumo do Jardim Catarina.

“O tráfico aluga as armas em troca de uma participação no produto do roubo”, revelou Franco.

assantantes-de-banco-polinter-vitor-silva1

O assalto ao banco Itaú do calçadão de Bangu foi registrado na 34ª DP (Bangu) e a prisão dos dois assaltantes efetuada pela equipe da Polinter, horas depois, será remetida à Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), onde estão concentrados os inquéritos que investigam os roubos a instituições financeiras em todo o Estado do Rio. A dupla foi encaminhada para a carceragem da própria Polinter, onde vai permanecer à disposição da Justiça.

Anúncios
comentários
  1. lohany disse:

    ele e inosente ……….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s