Polícia caça tarado que ataca jovens vestido de mata-mosquitos

Publicado: 10 de junho de 2009 em Uncategorized

Fotos: Bruno Gonzalez

Policia

Um maníaco está aterrorizando adolescentes de bairros da Zona Norte do Rio. Usando uniforme e crachá de agente de endemias da Prefeitura, ele entra nas casas alegando que faz parte de uma campanha de combate à dengue e após praticar um assalto, violenta as vítimas. Em sete meses, três casos foram registrados: em Ramos, na Penha e em Higienópolis. No entanto, a Polícia acredita que o número de ocorrências seja maior.

“Muitas pessoas podem não ter procurado as delegacias com medo”, disse Felipe Curi, delegado assistente da 21ª DP (Bonsucesso).

Todas as vítimas tinham entre 17 e 19 anos e não estavam acompanhadas por adultos no momento dos ataques, cometidos geralmente na parte da tarde. O criminoso – que aparenta ter entre 25 a 29 anos – costuma saber os horários em que as jovens ficam sozinhas em casa e demonstra acompanhar a rotina delas para saber o melhor momento para agir.

Uma das jovens já conhecia o estuprador: ele já tinha ido outras duas vezes em sua casa e era sempre às terças-feira – dia em que o marido dela ficava mais tempo no trabalho.

“Na primeira vez, eu estava com o meu sogro. Ele disse que era da campanha de combate à dengue e colocou um pó que seria remédio para matar os mosquitos nos ralos e nos vasos de plantas. Depois perguntou se tínhamos problemas com baratas, pois a vizinhança teria reclamado, e falou que voltaria para colocar o remédio específico para matar as baratas. Na terça-feira seguinte, ele realmente retornou, mas quando entrou em casa e viu meu marido dormindo, disse que não queria incomodar e voltaria depois. Passou uma semana e na outra terça-feira ele reapareceu”, relembrou uma estudante de 19 anos, que pediu para não ter a identidade revelada e fez o registro de atentado violento ao pudor e roubo na 21ª DP.

Policia

“Ele chegou a colocar um remédio que seria para matar baratas e quando eu ia acompanhá-lo até o portão para ele ir embora, me fez voltar, dizendo que tinha que me mostrar onde tinha colocado o remédio. Nessa hora, fechou a porta, apagou as luzes, fechou as cortinas e me trancou no quarto. Disse que era um assalto, que ia me fazer umas perguntas e que eu devia ajudar respondendo. Também me ameaçou de morte várias vezes e falou que se eu gritasse ele ia me esculachar. Depois, falou que não adiantava gritar porque sabia que eu estava sozinha”, contou a estudante.

Entre as perguntas feitas, se havia drogas na residência, jóias e dinheiro. Ele também fez perguntas íntimas e ao descobrir que a jovem estava menstruada, desistiu de estuprá-la e a obrigou a praticar sexo oral com ele. Depois, fugiu levando um computador e um aparelho de telefone celular.

“Ele falou que morava em Belford Roxo, tinha um filho de dois anos e a mulher estava grávida de sete meses. Não sei se é verdade. Toda hora falava que eu era parecida com ela e disse que se eu virasse amante dele, ele devolveria as coisas. No mesmo dia, ele atacou outras três meninas aqui perto, mas elas ficaram com medo e não quiseram ir à delegacia. Tem duas semanas que eu não saio mais de casa, e meu marido pediu um mês de férias no trabalho para poder ficar comigo”, revelou a estudante, que está tomando um coquetel de remédios para se prevenir de doenças sexualmente transmissíveis e terá que repetir exames de três em três meses, durante um ano.

_MG_4035

O delegado Felipe Curi já solicitou à Prefeitura do Rio um cadastro dos funcionários da área de combate a endemias e enviou para o Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) o lençol onde o criminoso ejaculou.

“Vamos investigar se ele realmente é funcionário da Prefeitura, ou se apenas utiliza uniforme e crachá falsos para conseguir livre acesso às casas das vítimas. O lençol foi encaminhado para perícia, onde será feito um laudo de constatação de material. Assim que ele for identificado, faremos uma comparação do material recolhido com o DNA dele”, informou Felipe Curi, que divulgou nesta quarta-feira, dia 10, um retrato-falado do bandido.

Quem reconhecê-lo ou tiver qualquer informação que auxilie nas investigações policiais e ajude a Polícia a identificar e localizar o criminoso, pode ligar para o Disque-Denúncia (2253-1177) ou para os gabinetes dos delegados da 21ª DP: assistente (2334-7453), adjunto (2334-7451) ou titular (2334-7444). Não é preciso se identificar.

LEIA MAIS AQUI:

Pauta do Dia no Top Blog!

Anúncios
comentários
  1. Cidadão revoltado disse:

    Os Bandidos da comunidade de Nova Brasília torturaram e mataram um auxiliar de controle de endemias por terem confundido com este maldito estuprador. O rapaz era uma ótima pessoa, totalmente pacífico e foi confundido, torturado e morto na comunidade. Até agora, não há esclarecimentos por parte da polícia. O rapaz foi morto na sexta feira dia 10/07/09. Até quando a impunidade imperará. O rapaz está no orkut: http://www.orkut.com.br/Main#AlbumZoom.aspx?rl=psc&uid=363701537923316371&aid=1&pid=8$pid=1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s