Em 48 horas, cinco PMs presos no Estado do Rio

Publicado: 29 de setembro de 2010 em Uncategorized

Menos de 48 horas após a prisão de três policiais militares acusados por porte ilegal de arma e extorsão, mais dois PMs foram presos no Estado do Rio: desta vez, por envolvimento com quadrilha de roubo a caixas eletrônicos. Lotados no 13º BPM (Praça Tiradentes), os soldados Haller Monken, 27 anos, e Rafael Cordeiro do Nascimento, 28, foram surpreendidos por colegas de farda do 21º BPM (São João de Meriti) do lado de fora de uma agência bancária no Centro de Vilar dos Teles, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, na madrugada desta quarta-feira, dia 29 de setembro.

De acordo com os PMs que efetuaram a prisão, os dois estavam à paisana e armados em carros particulares e davam cobertura ao mecânico de refrigeração Alexandre Laskosky, 36, que estava no interior do banco e também foi preso. Ainda segundo a Polícia, um dos policiais utilizava um rádio de comunicação da própria corporação na freqüência do batalhão da área para monitorar a movimentação das viaturas. Ele também teria oferecido R$ 5 mil de suborno aos colegas para não ser preso.

Uma viatura do 21º BPM realizava patrulhamento de rotina na Rua Jacatirão quando os policiais desconfiaram de um Peugeot preto placa LOG 4578 estacionado em frente à agência do banco Itaú e da movimentação e fumaça no interior do estabelecimento. Os PMs realizaram a abordagem do ocupantes do veículo, que se identificou como sendo o soldado Haller, que estava com um rádio móvel de comunicação utilizado apenas pela PM. No interior do automóvel, havia um botijão de gás.

Soldado PM Haller Monken, 27 anos

O tenente Jean Silva Santos, do 21º BPM, afirmou que Haller confessou sua participação no crime e a tentativa de suborno aos colegas de farda.

“É como se navalhássemos a própria carne, mas temos como missão servir a sociedade. A PM não abraça esses desvios de conduta de policiais”, disse.

No interior do estabelecimento bancário foram encontrados um pé-de-cabra, um maçarico, um botijão de gás e um alicate. A poucos metros do local, foi detido o soldado Rafael, que estava no Honda Civic prata, placa LQV 1887. Ele teria negado participação no crime e contado que tinha saído para fazer um lanche e iria para a casa da namorada.

Os PMs que atuaram nas prisões contaram ainda que um Gol branco também foi visto nas imediações do banco, mas eles não conseguiram abordar o motorista. Os policiais acreditam que o veículo também dava cobertura à ação. Os policiais do 21º BPM apreenderam uma pistola calibre nove milímetros e um revólver calibre 38, além de dois veículos e dois telefones celulares.

O caso foi registrado na 54ª DP (Belford Roxo), que funcionava como central de flagrantes, e os PMs foram encaminhados para o Batalhão Especial Prisional (Bep), em Benfica, na Zona Norte do Rio. Já o mecâncio de refrigeração foi transferido para uma carceragem da Divisão de Capturas e Polícia Interestadual (DC-Polinter).

Horas antes, o cabo Ricardo Silva Abreu, 34, foi preso acusado de extorquir comerciantes no bairro Rio do Ouro, em São Gonçalo. Lotado no 7º BPM (São Gonçalo), ele foi flagrado por policiais da 75ª DP (Rio do Ouro) em companhia de Anderson Tavares Soares, 36, que se identificou como funcionário da Secretaria de Saúde de São Gonçalo. A prisão foi efetuada no momento em que eles cobravam R$ 1,5 mil do proprietário de uma pizzaria da região, na tarde desta terça-feira, dia 28 de setembro.

Os agentes chegaram até o acusado através de denúncia da própria vítima, que teria sido ameaçada de morte no último domingo, quando o PM chegou a se apresentar como policial civil e exigido o dinheiro após flagrar jogo de cartas no estabelecimento comercial. Ele e o comparsa teriam, ainda, roubado o carro do comerciante, além de eletrodomésticos.

“Viram o jogo de cartas e usaram isso para nos ameaçar. Quebraram duas vassouras em meu compadre, ameaçaram cortar a orelha dele, além de insinuar que nos matariam se contássemos aos policiais”, contou o comerciante.

Segundo a Polícia, a dupla pode ter sido responsável por outros seis ataques a comerciantes locais nos últimos dois meses.

Soldado PM Geandro Minervino de Faria, 28 anos

Já na madrugada de segunda-feira, dia 27 de setembro, outros dois PMs entraram para a estatística de policiais presos: lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Andaraí, no bairro de mesmo nome, na Zona Norte do Rio, os soldados Renato Vieira Luiz e Geandro Minervino de Faria, ambos de 28 anos, foram detidos por porte ilegal de arma no dia em que completavam um ano na corporação.

Eles estavam em dois carros, junto com o primo de Renato, identificado como Cleber Luiz de Paula, 30, parados às margens da RJ-104, na altura do bairro Manilha, quando foram abordados por policiais do 35º BPM (Itaboraí) que desconfiaram da atitude suspeita. Ao revistarem os veículos – um Uno e um Courier -, os policiais encontraram três pistolas e um revólver com as numerações raspadas, além de cinco carregadores e munições de diversos calibres.

Em um dos automóveis os PMs também encontrados pneus. A Polícia investiga se eles foram usados para queimar um corpo achado com marcas de tiros momentos antes, na Rua Terêncio de Oliveira, no bairro Areal, também em Itaboraí. No local do crime, havia cápsulas deflagradas de calibre idêntico ao de armas achadas com os PMs, que foram levados para a 71ª DP (Itaboraí). Todos foram autuados por porte ilegal de arma.

Na delegacia, um deles foi reconhecido por um casal que registrava o roubo de seu Space Fox, ocorrido horas antes no bairro Apolo. As vítimas contaram que haviam sido atacadas por um bando que estava com uma mulher, que não foi localizada. A Polícia aguarda resultado de exames feitos no Instituto Médico Legal (IML) para descobrir se o corpo encontrado é o da mulher. Ao fugir com o veículo do casal, o bando abandonou um Ecosport, que constava como roubado em Magé.

Um outro inquérito foi instaurado na 71ª DP para apurar a participação de Renato no assalto ao casal. Ele e Giandro serão submetidos a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) aberto pela Polícia Militar e podem ser expulsos da corporação. Os dois também são investigados por envolvimento com uma quadrilha de roubo de carros.

De janeiro a setembro deste ano, 204 policiais militares foram presos, sendo que 254 estão acautelados no Bep. Somente nas últimas 48 horas – da madrugada da última segunda-feira até madrugada de ontem – cinco PMs foram presos. Desde 2007, 767 PMs foram expulsos da corporação.

“Nem todos estão respondendo por homicídios ou extorsões. Há muitos que estão no Bep até mesmo por brigas familiares”, ressaltou o coronel Ronaldo Menezes, corregedor interno da PM, destacando que o tenente-coronel Wolney Dias assumiu o comando do Batalhão Especial Prisional, na última terça-feira, substituindo o tenente-coronel Carlos Eduardo Ribeiro e Souza, afastado após o incidente do último dia 9, quando dois policiais fugiram da unidade.

Na manhã da última segunda-feira, dois policiais civis foram presos acusados de integrar uma quadrilha especializada em clonagem de cartões bancários que age em São Gonçalo, Itaboraí e em municípios da Região dos Lagos. Batizada de “Traidor”, a operação desarticulou o bando que também avisava traficantes do Morro do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio, sobre operações da instituição.

Foram presos Ricardo Perrota de Carvalho, investigador lotado na Divisão de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), transferido para a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) de Belford Roxo, na Baixada Fluminense; e Marcos Gomes da Silva, também lotado na DRFA. Outras quatro pessoas foram presas na mesma ação. O bombeiro Mozart Leiroz de Souza continua foragido.

Um terceiro policial civil, ex-chefe do Setor de Investigação (SI) da 73ª DP (Neves), Jorge Dias, também teve expedido contra si um mandado de prisão. No entanto, como é candidato a deputado estadual, ele foi beneficiado pela Lei Eleitoral, que não permite a prisão de candidatos a cargos eletivos até 15 dias antes das eleições. Ele prestou esclarecimentos e foi liberado.

A ação teve como objetivo cumprir 12 mandados de prisão e 19 de busca e apreensão contra estelionatários que clonavam cartões bancários. As investigações começaram a partir da “Operação Fim de Linha”, deflagrada pela Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD), no ano passado, que desarticulou uma quadrilha especializada em fraudar cartões da SuperVia. Um dos envolvidos no esquema, Luiz Antônio Gonçalves, o Luizão, também participava do esquema de clonagem de cartões, que começou a ser investigado pelos agentes.

“Os irmãos Clóvis Lima de Oliveira e Clodoaldo Cunha de Oliveira, líderes do bando, vieram do Ceará porque naquele estado esse tipo de crime tornou-se uma epidemia. Os integrantes começaram migrar para outras unidades da federação. Os cartões eram comprados pelo valor de R$ 1,60 cada e vinham do Nordeste para cá, às vezes por Sedex. O lucro da quadrilha variava de R$ 500 mil a R$ 700 mil por mês”, explicou o delegado Felipe Bittencourt, da Corregedoria Interna da Polícia (Coinpol).

Além dos policiais civis Ricardo Perrota de Carvalho e Marcos Gomes da Silva, foram presos Luiz Antônio Gonçalves, o Luizão, Antônio Barbosa de Oliveira, o Tonho, Clodoaldo Cunha de Oliveira e a tia dele, Maria Vilani de Lima. O irmão dele, Clóvis Lima de Oliveira, e o bombeiro aposentado Mozart Leiroz de Souza continuam sendo procurados.

Anúncios
comentários
  1. barbara pimentel disse:

    Entendo q faz-se necessário cuidar destes jovens policiais com mais afinco.muitos ingressam na força,por falta de oportunidade de trabalho e não por vocação;os abnegados vocacionados sentem doer o coração quando veem seus pares em desvio de conduta,mas o que dizer de um homem q demonstrou equilíbrio emocional em duas ações que lhe conferiu uma menção honrosa?.
    Não tenho parentes nas policias,mas oro por todos que em serviço ou fora dele,velam por esta sociedade hipócrita,que quer ordem,mas fecha os olhos para seus pares ” viciados”,”que oferecem propina”,que compra peça de autos em desmanche,etc.
    Parabéns à todos os combatentes,e seus comandantes.Amor e Luz para todos e proteção Divina à vossas benditas vidas.
    Bárbara Pimentel.

  2. EDUARDO CESAR disse:

    Adorei!! Parabéns a esses BRAVOS POLICIAIS que colocaram ESSES PILANTRAS FARDADOS, Falsos policiais atrás das grades!!! Assim é que se faz, tem que colocar esses RECRUTAS pilantras que envergonham a Nossa POLICIA. Tem que acabar com essa promisquidade. O Policial tem que hnrar a farda e o juramento que fizeram. SERVIR e PROTEGER a Sociedade mesmo com o sacrificio da própria vida.

  3. indignado disse:

    prestei concurso junto com o geandro,participamos de todas as etapas junto,dividiamos carona ate sulacap pros exames,no fim ele foi aprovado e eu fiquei barrado no exame fisico,quando vi a materia fiquei perplexo pq ele sempre pareceu um cara bom,infelizmente desviou sua conduta do objetivo e jogou todo esforço que fez pra ser policial fora,injustificaveis os atos ,e parabms aos policiais do 35°,isso prova que a gent nunca conhece bm a mente das pessoas msm as mais proximas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s