Sobrevivente da Chacina da Candelária tenta ressocializar PMs que cometeram crimes

Publicado: 5 de agosto de 2011 em Uncategorized

Dezoito anos após a Chacina da Candelária, na qual oito meninos de rua foram mortos a tiros próximo às dependências da igreja do Centro do Rio, um dos sobreviventes do episódio relembra a madrugada do dia 23 de julho de 1993: o pastor evangélico José Rodrigo Fernandes Santiago, 32 anos, da Comunidade Profética Ministério Arca da Aliança, localizada na Rua Miracema, na Trindade, em São Gonçalo.

Ele estava entre as mais de 70 crianças e adolescentes que foram alvos dos disparos efetuados por policiais militares. Hoje, o religioso realiza um trabalho de ressocialização no sistema carcerário do Rio, inclusive no Batalhão Especial Prisional (BEP), em Benfica, na Zona Norte do Rio, onde tenta resgatar policiais que cometeram crimes semelhantes àquele praticado contra ele.

Aos seis anos de idade, ele deixou o casarão de número 242 da Rua Taylor, na Lapa, para morar nas ruas do Rio.

“Meu pai me abandonou muito cedo e minha mãe era ‘mulher da vida’ (garota de programa). Eu era criança, mas essas coisas já mexiam muito com a minha cabeça. Foi quando resolvi ir pra rua engraxar sapatos e carregar bolsas de madames para ganhar um trocado”, contou.

A aventura de morar nas ruas tornou-se um vício e José Rodrigo virou “Di Menor”. Para ele, a cola de sapateiro era mais que uma droga: era um inibidor da fome, a mesma que o impulsionava a praticar pequenos delitos, como o furto. Assim como outros meninos de rua do Centro do Rio, “Di Menor” percebeu que as tradicionais missas do galo atraíam milhares de pessoas para a Igreja de Nossa Senhora da Candelária, tornando o local propício para agir como pedinte e se abrigar.

“Aqui ficava lotado de meninos e meninas. Cheirávamos cola o dia todo e tomávamos banho no chafariz, onde também pendurávamos nossas roupas. Aquele cenário causava repulsa e medo em muitos que passavam, principalmente nos comerciantes da região. Alguns deles comentavam que nós afastávamos a freguesia”, recorda.

As visitas de membros de instituições de caridade, que distribuíam refeições no local, salvavam as noites de fome dos “meninos da Candelária”. E foi esse o artifício utilizado pelos assassinos no dia do crime.

“Um grupo passou em um Chevette e nos acordou avisando que voltaria com outras pessoas trazendo comida. Mais de 60 meninos se levantaram e ficaram esperando o alimento da madrugada. Eu, o Gambazinho (um dos mortos) e o Sandro (que voltou aos noticiários ao protagonizar o seqüestro do ônibus 174) subimos em uma banca de jornal, onde ficamos consumindo drogas. Foi quando ouvimos os disparos”, relembra.

Aos 14 anos de idade e com a ‘malandragem’ que os seis anos como morador de rua lhe deu, “Di Menor’, baleado no braço e na perna, correu em direção ao 1º Distrito Naval, na Praça Mauá, onde recebeu voz de prisão dos marinheiros. Os militares pensaram que ele era um assaltante, o que acabou salvando sua vida. Já Gambazinho não teve a mesma sorte: correu em direção aos criminosos e acabou sendo executado na Avenida Presidente Vargas.

“Sobrevivi porque recebi todo o suporte da Marinha, inclusive fui medicado no hospital da corporação. Se tivesse ido para uma outra qualquer outra unidade, estaria entre os mortos”, contou.

No mês em que a Chacina da Candelária completa sua maioridade, o agora pastor José Rodrigo volta ao local do crime. Daquela data simbólica até hoje, ele passou por um projeto educacional da Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan), onde completou os estudos. Aos 20 anos, formou-se bacharel em Teologia e está cursando Psicanálise. Além disso, é capelão prisional e mediador de conflitos.

“Sou um testemunho vivo e quero que as pessoas entendam que onde há paz não há guerra. Essa é a mensagem que tento levar para o sistema prisional: não seja mais um nome na cruz da Candelária. Sempre me emociono quando falo isso, pois meu nome também poderia estar ali”, disse, apontando para a cruz com os nomes das oito vítimas da chacina.

Smartphones

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s