Delegado chefiava quadrilha dentro de DP

Publicado: 29 de março de 2012 em Uncategorized

Um delegado e três inspetores da Polícia Civil, além de um advogado e um guarda municipal da cidade de Carapebus, no Norte Fluminense, foram presos acusados de praticar extorsões mediante sequestro, formação de quadrilha armada, roubo, extorsões e usurpação de função pública na forma qualificada. A ação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) em conjunto com a Corregedoria Interna da Polícia Civil (COINPOL), nesta quinta-feira, dia 29 de março.

Batizada como “Operação Macabu”, a ação tem o objetivo de cumprir seis mandados de prisão preventiva e nove de busca e apreensão expedidos pelo Juízo da Vara Única de Conceição de Macabu. Todos os denunciados foram presos ainda no início da manhã. Um promotor de Justiça, delegados e agentes da COINPOL e do Grupo de Apoio aos Promotores (GAP) cumpriram os mandados de prisão e os de busca e apreensão nos municípios de Três Rios, Valença, Resende, Conceição de Macabu e Macaé.

De acordo com as investigações da COINPOL e do GAECO, os denunciados montaram um esquema de arrecadação de vantagens ilícitas na 122ª DP (Conceição de Macabu). A quadrilha, segundo denúncia do GAECO, simulava a existência de ilícitos, privando da liberdade o suposto criminoso e levando-o até o interior da delegacia.

“Para, a partir de então, sempre com muita violência e gravíssimas ameaças, passar a exigir dos familiares da pessoa ilegalmente acautelada e da própria vítima altas somas de dinheiro, com a falsa promessa de deixar de lavrar o ilegal auto de prisão em flagrante e, em consequência, liberá-la”, descreve texto da denúncia.

Delegado Roldenyr Alvez Cravo

A organização criminosa era liderada pelo delegado Roldenyr Alvez Cravo, titular da 122ª DP à época dos delitos. A quadrilha começou a ser constituída quando o delegado assumiu a titularidade da unidade, em meados do mês de julho de 2011, trazendo com ele sua equipe de confiança, os inspetores Dennes Garcia Moreno Júnior, Marcos Vinícius Lopes e Cláudio José de Faria, todos denunciados.

Segundo o GAECO, o advogado Pedro da Costa Linhares usava sua profissão para pressionar as vítimas a pagar os valores exigidos, fazendo-as crer que essa era a melhor maneira, senão a única, de conseguir a liberdade. As investigações demonstraram, ainda, que o guarda municipal José Eduardo Santos usurpava função pública de policial civil lotado na 122ª DP, dirigindo viatura oficial da unidade e realizando atividade típica de Polícia.

De acordo com a denúncia do GAECO, em uma das ações criminosas, em agosto do ano passado, a quadrilha privou a liberdade de um comerciante e, por intermédio do guarda municipal, exigiram a quantia de R$ 25 mil em dinheiro como condição para a sua libertação.

“Na ocasião, o denunciado José Eduardo Santos, dirigindo uma viatura oficial da 122ª DP, compareceu à oficina da vítima, onde afirmou que aquele local era utilizado para desmanche de veículos roubados. Obrigada a comparecer à referida delegacia munida de toda a documentação que comprovasse a regularidade do seu estabelecimento comercial, a vítima foi colocada em uma sala no fim do corredor, onde permaneceu com a liberdade restringida. A vítima somente depois de se comprometer a pagar R$ 1.500 foi libertada”, relata texto da denúncia.

Em outubro do ano passado, o mesmo comerciante, segundo o GAECO, foi novamente vítima dos criminosos. A quadrilha exigiu o pagamento de R$ 12 mil em dinheiro para que o depósito de areia do comerciante não fosse interditado. Os denunciados também exigiram a transferência, por meio de contrato, de todo o maquinário empenhado em sua atividade empresarial, como preço para garantir que o depósito de areia da vítima não fosse interditado.

A apuração das atividades da quadrilha armada foi iniciada a partir de relatório enviado pelo promotor de Justiça Ricardo Zouein, titular de Conceição de Macabu, ao Procurador-Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Lopes, que acionou a Secretaria de Estado de Segurança Pública e o GAECO para investigar os fatos noticiados.

lmd_source=”23829753″;lmd_si=”33505537″;lmd_pu=”22478543″;lmd_c=”BR”;lmd_wi=”300″;lmd_he=”250″;

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s