Em cinco dias, quatro mulheres são vítimas de feminicídio no Estado do Rio

Publicado: 6 de janeiro de 2019 em Uncategorized

49479573_2233805689996221_4593900271091843072_n

Foragido desde a noite da última sexta-feira, dia 4 de janeiro, após matar a esposa, Flodilson da Silva Araújo – mais conhecido como Dilson -, 38 anos, foi preso por policiais do 27°BPM (Santa Cruz), na tarde deste sábado, dia 5.

Os PMs chegaram até um imóvel na Avenida Um, na localidade conhecida como Nova Sepetiba, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, através de denúncia anônima.

Ele foi levado para a 43DP, de onde foi conduzido à Divisão de Homicídios (DH).

O crime ocorreu na Rua Pequi, no Morro do Urubu, em Pilares, na Zona Norte do Rio, quando Dilson assassinou Tamires Blanco da Silva, 30, a socos e garrafadas.

O casal estava junto há dois anos e tinham uma filha de apenas onze meses de vida. Ela tinha outro filho de um relacionamento anterior.

Este foi o quarto feminicídio – quando o assassinato é cometido por homens do círculo de convivência da vítima, geralmente companheiros ou ex-maridos – no Estado do Rio de Janeiro nos cinco primeiros dias de 2019.

O Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídio do mundo, ficando atrás somente de El Salvador, Colômbia, Guatemala e Rússia.

Também na sexta-feira, outra mulher foi assassinada por um homem de seu círculo de relacionamento. O crime ocorreu em Cordovil, na Zona Norte do Rio, onde Marcelle Rodrigues da Silva, 27, foi esfaqueada pelo ex-companheiro, Márcio Lima Corrêa. Os dois estavam separados desde 2018. Ele chegou a fugir, mas foi encontrado por um vizinho que é PM reformado e preso. A vítima deixou três filhos. O de 8 anos presenciou o crime.

Na quinta-feira, dia 3, em Itaguaí, na Baixada Fluminense, Simone Oliveira de Assis, 40, foi morta a marretadas durante uma crise de ciúmes do marido, José Carlos da Silva Carvalho, 60. Ele se entregou à Polícia. Os dois estavam casados há dez anos, mas haviam oficializado a união apenas em maio do ano passado.

A primeira vítima de 2019 foi a manicure Iolanda Crisóstomo da Conceição de Souza, 42. Ela foi morta a golpes de faca desferidos pelo ex-marido, Rodrigo de Souza Lima, durante uma discussão no Tanque, na Zona Oeste do Rio, após uma festa de réveillon. O crime foi cometido na frente do filho deles – de 5 anos, na madrugada de terça-feira, dia 1° de janeiro. Ele foi preso. Os dois estavam separados há quatro meses e ele não se conformava com o término do relacionamento. A manicure deixou outras duas filhas – de 21 e 24 anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s