Arquivo de fevereiro, 2019

IMG-20190223-WA0035

Veja o vídeo aqui -> https://youtu.be/f3meFshIy_w

A Polícia vai apurar se um churrasco seria realizado no interior da Unidade Prisional da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (UP-PMERJ) pelo ex-governador Luiz Fernando de Souza, o Fernando Pezão, 63 anos, e pelo ex-deputado estadual coronel Jairo Souza Santos, o coronel Jairo, 69. Os dois estão na unidade desde novembro de 2018, após serem presos pela Polícia Federal em ações da Lava Jato e da operação Furna da Onça, respectivamente.

Lotada na UP-PMERJ a soldado Camila Soares Lima foi presa em flagrante pela Corregedoria da corporação, na manhã deste sábado, dia 23 de fevereiro, no próprio presídio, localizado no Fonseca, na Zona Norte de Niterói.

Acusada de facilitar a entrada de bebidas alcoólicas para os policiais acautelados na unidade nos seus dias de serviço – principalmente aos finais-de-semana e feriados -, ela foi flagrada repassando material para um churrasco a dois PMs que também acabaram conduzidos à Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM).

Escalados como “presos faxina”, os soldados Paulo Roberto Jesus Lima e Jhonatas Saulo Barreto de Andrade seriam os responsáveis por levar os itens para dentro da unidade prisional, escondidos em lixeiras. Toda ação foi filmada pelos agentes da DPJM.

VEJA O VÍDEO: CLIQUE AQUI

A policial alegou que precisava do dinheiro para o tratamento da mãe, que está doente. Ela foi autuada por crime militar.

No total, os PMs da Corregedoria apreenderam 15 engradados de cerveja Brahma latão, três garrafas de vinho, um tábua utilizada para cortar carne, um jogo de material para churrasqueiro (faca, garfo e amolador) e um saco de carvão com 6kg, além de uma churrasqueira pequena.

A Polícia Militar ressaltou a importância da pronta resposta da Corregedoria e enfatizou que a corporação não coaduna com qualquer desvio de conduta de nenhum de seus integrantes. Além disso, lembrou que inspeções são realizadas rotineiramente na unidade prisional com o objetivo de manter o cumprimento da Lei de Execução Penal e o Regulamento Disciplinar da PMERJ.

A policial está presa à disposição da Auditoria de Justiça Militar do Estado do Rio de Janeiro (AJMERJ) e uma audiência de custódia será designada na próxima segunda ou terça-feira.

pixlr_20190222002318205

Surpreendido por agentes do Serviço de Inteligência (P-2) do 23°BPM (Leblon) no momento em que vendia drogas na Prainha do Vidigal, em São Conrado, na Zona Sul do Rio, José Lucas da Silva, 18 anos, tentou escapar nadando, mas não imaginava que um dos PMs entraria no mar atrás dele.

O tenente Reynaldo Ramalho, chefe da P-2, perseguiu o criminoso por cerca de 400 metros de distância. Para ficar com os braços livres e tentar nadar mais rápido o acusado carregava as drogas dentro de uma sacola amarrada na boca, mas mesmo assim acabou alcançado e detido.

IMG-20190221-WA0153

Morador da Favela da Rocinha, também em São Conrado, ele estava com 246 pinos de cocaína e 193 sacolés de maconha, além de R$ 70 em espécie. Conduzido juntamente com o material apreendido para a 15DP (Gávea), foi autuado por tráfico de drogas e permaneceu preso à disposição da Justiça.

Policiais do Grupamento de Policiamento Ferroviário (GPFer) realizaram no início da manhã desta quinta-feira, dia 14 de fevereiro, mais uma ação para localizar passagens de nível abertas pelo tráfico ao longo da malha ferroviária.

Os agentes estiveram na Favela do Triângulo, em Deodoro, na Zona Norte do Rio, controlada pela facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP). No local, flagraram uma passagem aberta dando acesso à linha férrea e servindo como boca-de-fumo.

IMG_20190214_093335055_HDR

Ao notar a aproximação das equipes, um criminoso que estava com um “radinho” na entrada da favela – responsável por alertar comparsas sobre movimentações policiais – correu em direção a uma viela e conseguiu escapar.

Um trabalho de levantamento dessas aberturas tem sido feito pelos PMs da unidade desde que o atual comandante, major Wagner Marques, tomou posse, no último dia 17 de janeiro.

“Começamos a fazer um levantamento dessas aberturas por conta do número de mortes provocadas por atropelamentos e acabamos nos deparando com a situação do tráfico de drogas”, explicou o major Wagner, ressaltando que o objetivo principal é preservar vidas prevenindo acidentes.

IMG_20190214_091502341

“Não temos o trabalho voltado para a repressão ao tráfico, mas acaba sendo consequência”, revelou o oficial, relatando que em três semanas 13 acusados de envolvimento com o tráfico de drogas foram presos e duas armas e dois simulacros apreendidos – o número já ultrapassa o total de prisões e apreensões de todo ano passado.

De acordo com investigações do Serviço de Inteligência (P-2) do GPFer, traficantes abrem os buracos para utilização como rota de fuga durante incursões policiais nas comunidades que margeiam a linha férrea. Como os mesmos acabam sendo utilizados também por pessoas que se arriscam na travessia ilegal para não pagar a passagem do trem, os episódios de atropelamentos tornaram-se frequentes.

IMG_20190214_092829889

Já foram detectadas aberturas em nove estações: Japeri, Pedreira, Queimados, Austin, Ricardo de Albuquerque, Triagem, Deodoro, Senador Camará e Jacaré – sendo as duas últimas as consideradas mais críticas.