Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2015

* EM ATUALIZAÇÃO *

A cinco dias do final do mês de novembro, o ano de 2015 já registra 66 policiais baleados – sendo 28 mortos – no Estado do Rio de Janeiro. Destes, 64 eram policiais militares e 2 eram policiais civis. Do total, 2 eram reformados, 28 estavam de folga e 36 estavam de serviço. De todos os casos, 21 policiais foram atingidos em áreas “pacificadas” – 3 não resistiram aos ferimentos.

JANEIRO

pm

Soldado PM Bruno Guimarães Miguez, 30 anos

29 de Janeiro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Cidade de Deus, o soldado Bruno Guimarães Miguez, 30 anos, morreu no Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, para onde foi levado após ser baleado na localidade conhecida como Apartamentos, na Favela Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. Os PMs realizavam patrulhamento de rotina e sequer tiveram tempo de revidar a agressão. O soldado foi atingido no rosto e não resistiu. Recém-casado, ele deixou esposa.

FEVEREIRO

pm

Soldado PM Leandro da Silva Carvalho, 34 anos

9 de Fevereiro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Vila Kennedy, o soldado Leandro da Silva Carvalho foi morto após ter sua identidade descoberta, em Cabo Frio, na Região dos Lagos, no início da noite. O PM, que é morador da Taquara, na Zona Oeste do Rio, tinha ido levar a mãe para passar o carnaval na casa de uma tia e não conhecia a região. Ele conduzia seu Hyundai i30 quando entrou na Favela da Fazendinha e acabou se envolvendo em um acidente de trânsito no local. Após bater com o carro em uma moto conduzida por um traficante, houve tumulto e ele correu tentando se esconder próximo a uma igreja. No entanto, foi localizado e depois de ser identificado como policial foi baleado. Os criminosos colocaram o corpo do PM no porta-malas do próprio veículo dele e atearam fogo. O automóvel com o corpo carbonizado foi deixado na Estrada da Integração, no bairro Jardim Esperança. Recém-formado, o PM ainda não tinha arma.

9 de Fevereiro: 1 PM baleado

Lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), um PM que não teve nome e patente divulgados foi baleado por criminosos que controlam a venda de drogas na Favela Pedra Lisa, no Santo Cristo, na Zona Portuária do Rio, no início da noite. O policial e outros dois colegas de farda haviam levado uma viatura para lavagem na Rua São Silvestre, próximo à Central do Brasil, e passavam em frente ao beco quando foram surpreendidos pelo ataque dos bandidos, que acharam que os PMs iriam incursionar no local. Os policiais reagiram à agressão. Um deles foi atingido no braço. Vidros de ônibus e paredes na região ficaram cheios de marcas de tiros.

pm

Inspetor PCERJ Thiago Thomé de Deus, 29 anos

22 de Fevereiro: 1 PC morto

Lotado na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), o inspetor Thiago Thomé de Deus, 29 anos, foi assassinado ao ter sua identidade descoberta durante tentativa de assalto no bairro Cubango, na Zona Norte de Niterói, no início da manhã. Ele estava acompanhado pela esposa em seu Honda City e parou em um sinal na esquina das ruas 22 de Novembro e Noronha Torrezão quando quatro bandidos em duas motos o abordaram. Ao notar a arma do inspetor, os criminosos efetuaram disparos. Ele tentou reagir, mas sua pistola travou. O policial ainda foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, mas não resistiu.

pppp

Soldado PM Allan Barros da Silva, 32 anos

22 de Fevereiro: 1 PM morto

Lotado no Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos (BPGE), o soldado Allan Barros da Silva, 32 anos, morreu após ser baleado no final da Praia da Barra, na altura do Quebra-Mar, na Zona Oeste do Rio, no final da tarde.

22 de Fevereiro: 2 PMs baleados

Lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Chatuba, os soldados Menezes e Fernandes foram baleados durante ataque de criminosos que ainda controlam o tráfico de drogas no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. O primeiro foi atingido na perna e o segundo no braço. Socorridos, os PMs foram levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas.

MARÇO

pm

Soldado PM Diego Moutinho Silva Maia, 29 anos

8 de Março: 1 PM morto

Lotado no 39° BPM (Belford Roxo), o soldado Diego Moutinho Silva Maia, 29 anos, estava com amigos em um bar na Rua Marquês Canário, no bairro Chatuba, em Mesquita, na Baixada Fluminense, quando foi surpreendido por quatro criminosos armados, no início da noite. Ao tentar reagir, foi baleado na cabeça. Socorrido pelo irmão, foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ricardo de Albuquerque, mas não resistiu.

pm

Sargento PM Marcello Salles Oliveira, 44 anos

8 de Março: 1 PM morto e 2 PMs baleados

Lotados no Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 41° BPM (Irajá), os sargentos Marcello Salles Oliveira, 44 anos, Maxwell e De Moraes estavam desembarcados próximo à estação do BRT, na Rua Bernardo Taveira, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio, quando criminosos do Morro do Juramento – que possui acesso perto do local – passaram em um carro e efetuaram diversos disparos contra os PMs. Socorridos, eles foram levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. O sargento Maxwell recebeu alta após atendimento médico e o sargento De Moraes foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. Atingido na perna, braço e tórax, o sargento Salles não resistiu. Ele deixou quatro filhos.

pm

Soldado PM Felipe Mariano, 24 anos

11 de Março: 5 PMs baleados

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Camarista Méier, o soldado Felipe Mariano, 24 anos, foi um dos cinco policiais atingidos durante ataque de criminosos no Morro do Gambá, no Complexo do Lins, no bairro Lins de Vasconcellos, na Zona Norte do Rio, na madrugada. Todos foram socorridos e levados para o Hospital Naval Marcílio Dias. Dois deles – que tiveram os ferimentos amortecidos pela carteira e cinto de guarnição – receberam alta logo depois, outros dois foram transferidos para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, e o soldado Mariano permaneceu internado na unidade de saúde da Marinha. Inicialmente em estado grave, o PM teve seu quadro revertido pelos médicos e já não corre risco de morte.

15 de Março: 1 PM morto

Lotado no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), o sargento Elvis Santos Bento, 43 anos, morreu após ser baleado no bairro Jardim Esperança, em Cabo Frio, na Região dos Lagos. Ele estava em um bar acompanhado pela esposa, que foi atingida no braço.

pm

Subtenente PM Anselmo Ferreira, 53 anos

18 de Março: 1 PM morto

Lotado no 16° BPM (Olaria), o subtenente Anselmo Ferreira, 53 anos, morreu após ser baleado durante uma tentativa de assalto, em Irajá, na Zona Norte do Rio, no início da noite. O PM estava na Rua Ferreira Cantão quando criminosos o abordaram e tentaram roubar seu veículo – o Kia Sportage branco placa LQU 2438. O policial ainda trocou tiros com os assaltantes, mas acabou atingido e não resistiu.

pm

Soldado PM Olivares

28 de Março: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Rocinha, o soldado Olivares foi baleado durante ataque de criminosos da facção Amigos dos Amigos (ADA) que continuam controlando o tráfico de drogas na Favela da Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio.

 

ABRIL

pm

Subtenente PM Irineu Ferreira de Lima Filho, 55 anos

5 de abril: 1 PM morto

Lotado no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), o subtenente Irineu Ferreira de Lima Filho, 55 anos, morreu após ser baleado no interior de um ônibus da viação Mauá que fazia a linha 532 (Alcântara-Niterói), no trecho Niterói-Manilha da BR-101. O coletivo trafegava no KM 321, na altura da Avenida do Contorno, próximo à Favela Buraco do Boi, quando o PM percebeu um homem armado. Segundo informações preliminares, ele teria o reconhecido como um assaltante, que também o reconheceu como policial. Ao notar que o homem sacou sua arma, o subtenente reagiu. Os dois trocaram tiros e acabaram baleados. Uma ambulância do Corpo de Bombeiros foi acionada, mas quando chegou no local os dois já estavam sem vida.

pm

Sargento PM Marco André Maia Fagundes

11 de Abril: 1 PM morto

Lotado no 41° BPM (Irajá), o sargento Marco André  Maia Fagundes morreu após ser baleado pelos ocupantes de uma moto, em Irajá, na Zona Norte do Rio. O PM tinha saído de serviço e estava na Avenida Monsenhor Félix quando foi reconhecido pelos criminosos, que efetuaram cerca de seis disparos contra ele. A dupla fugiu em direção a Voz Lobo levando a arma do sargento.

MAIO

3 de Maio: 1 PM baleado

Lotado no Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 41° BPM (Irajá), o subtenente Castro foi baleado em Anchieta, na Zona Norte do Rio, no início da noite. Ele realizava patrulhamento de rotina e passava pela Praça Nazaré quando houve o ataque. O local fica próximo à Favela Parque Esperança, que é utilizada como abrigo por traficantes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas no Morro do Chapadão, em Costa Barros.

13 de Maio: 1 PM baleado

Lotado no 27° BPM (Santa Cruz), o sargento Leonardo Ferreira de Andrade foi baleado ao reagir a um assalto na Rua Bárbara Eleodoro, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. Atingido no abdômen e na perna, o PM conseguiu balear dois criminosos – um no rosto e outro no peito. Com a dupla foram apreendidas duas pistolas. O policial foi até a 33DP (Realengo) e pediu ajuda aos policiais de plantão, mas disse que um delegado que estava na unidade negou socorro. O PM acabou levado por uma das testemunhas do crime em seu próprio carro para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo. Os criminosos, identificados como Cristien Souza da Silva, 18 anos, e Weslli Júnior Ferreira, 20, estão internados sob custódia na mesma unidade de saúde. Eles foram presos por policiais do 14° BPM (Bangu). O policial seria transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio. A Chefia da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) determinou que a Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol) apure as circunstâncias do caso.

pm

Cabo PM Luiz Carlos Barbosa de Lima Júnior, 31 anos

17 de Maio: 1 PM morto

Lotado no Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 12° BPM (Niterói), o cabo Luiz Carlos Barbosa de Lima Júnior, 31 anos, foi baleado no momento em que saía de casa para o batalhão, no final da madrugada. O PM ainda foi socorrido e levado para o Pronto Socorro de São Gonçalo (PSSG), no Zé Garoto, mas não resistiu.

23 de Maio: 2 PMs baleados

Lotados no 9° BPM (Rocha Miranda), os soldados Pinheiro e Antunes foram baleados durante ataque de ocupantes de um veículo não identificado, em Coelho Neto, na Zona Norte do Rio, na madrugada. Os PMs realizavam patrulhamento de rotina e passavam pela Rua Ururai quando se depararam com o automóvel. Os ocupantes do carro efetuaram diversos contra os policiais ao perceber a aproximação da viatura. Um dos PMs foi atingido de raspão na testa e outro no braço. Socorridos, eles foram levados para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

pm

Soldado PM Bruno Guimarães Miguez, 30 anos

25 de Maio: 1 PM morta

Lotada no 14° BPM (Bangu), a soldado Drielle Lasnor de Moraes, 25 anos, foi baleada durante uma abordagem a um veículo suspeito na Estrada da Água Branca, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Um dos ocupantes do carro desceu do veículo empunhando uma pistola com kit rajada efetuando disparos contra a guarnição. A PM foi atingida no rosto. Uma das balas ficou alojada na nuca. Como não havia neurologista no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, e o aparelho de tomografia da unidade estava quebrado, ela foi levada ao Hospital Estadual Alberto Torres – mais conhecido como Hospital Geral de São Gonçalo -, no bairro Colubandê. A transferência foi feita com auxílio do helicóptero do Grupamento Aeromóvel (GAM), acompanhada por uma equipe do Grupamento Especial de Salvamento e Ações de Resgate (Gesar) do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque). Ela permaneceu internada por quase um mês, mas não resistiu ao ferimento e faleceu no dia 20 de junho.

pm

Soldado PM Diego Soares de Almeida, 29 anos

31 de Maio: 1 PM morto

Lotado no 7° BPM (São Gonçalo) e trabalhando no Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) Coruja, o soldado Diego Soares de Almeida, 29 anos, morreu após ser baleado durante confronto com traficantes da facção Comando Vermelho (CV) que controlam o tráfico de drogas no Morro do Feijão, no Paraíso, em São Gonçalo, no início da manhã. O PM deixou filha de 1 ano e a esposa grávida. Ele completava cinco anos na corporação.

SETEMBRO

pm

Soldado PM Blaier Monteiro Doacre Valença, 29 anos

9 de Setembro: 1 PM morto

Lotado no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), o soldado Blaier Monteiro Doacre Valença, 29 anos, morreu após ser baleado durante tentativa de assalto em Realengo, na Zona Oeste do Rio. O PM havia acabado de sair de serviço e sofreu uma tentativa de assalto no momento em que passava pela Estrada São Pedro de Alcântara. Atingido por um tiro que perfurou os dois pulmões, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, onde permaneceu internado por mais de um mês. Ele não resistiu e acabou falecendo no dia 10 de outubro.

pm

Sargento PM Mesquita

10 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado no Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 7BPM, o sargento Mesquita foi baleado durante incursão no Complexo do Salgueiro, no bairro de mesmo nome, em São Gonçalo. O confronto ocorreu na localidade conhecida como Morro do Céu. Atingido na mão e na perna, ele foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Alberto Torres – mais conhecido como Hospital Geral de São Gonçalo -, no Colubandê. O PM permanece internado na unidade, mas não corre risco de morte.

pm

Subtenente PM Franz Rubem Teixeira Miranda, 54 anos

11 de Setembro: 1 PM baleado

Adido ao Tribunal Regional do Trabalho, o subtenente Franz Rubem Teixeira Miranda, 54 anos, foi baleado ao reagir a assalto no bairro Jóquei, em São Gonçalo. Atingido no ombro, ele foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê, onde foi submetido a uma cirurgia.

pm

12 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado no 20º BPM (Mesquita), o soldado Barros foi baleado durante confronto com dois criminosos que praticavam assaltos no bairro Prata, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no início da noite. Socorrido, ele foi levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, na Posse.

pm

Inspetor PCERJ Bruno Raposo de Oliveira, 33 anos

13 de Setembro: 1 PC baleado

O inspetor da Polícia Civil Bruno Raposo de Oliveira, 33 anos, foi baleado durante uma tentativa de assalto, no Fonseca, na Zona Norte de Niterói, no final da madrugada. Atualmente, ele estava adido à Prefeitura de Niterói, onde ocupa o cargo de diretor do Departamento de Monitoramento, Fiscalização e Controle Ambiental da secretaria Municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Sustentabilidade. O crime ocorreu na Rua Evilásio Silva. Ele e a namorada levavam uma amiga em casa e quando pararam o carro foram abordados por quatro homens armados que estavam em um Sedan de placa não anotada e desceram anunciando o assalto. Desesperada, a amiga da namorada começou a gritar que ele era policial e já estava saindo do veículo. Ao identificarem Bruno como policial, eles efetuaram um disparo em sua direção. O tiro atingiu a femural e perfurou o apêndice. Socorrido, Bruno – que entrou na Polícia Civil em 2002 – foi levado para o Hospital Estadual Azevedo Lima pela própria namorada, que assumiu o controle da direção do automóvel. Ele foi submetido a uma cirurgia e permaneceu internado em estado grave por várias semanas. Ele recebeu alta após dois meses de internação.

pm

Soldado PM Thiago Sarmento dos Santos, 32 anos

14 de Setembro: 1 PM morto

Lotado no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), onde dava aulas de Jiu-Jitsu, o soldado Thiago Sarmento dos Santos, 32 anos, morreu após ser baleado, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, no final da madrugada. Ele foi comemorar o aniversário na casa de shows Capadócia, na Rua Silva Cardoso, e, ao sair, deparou-se com um homem não identificado que mexeu com sua esposa, já na Rua Santa Cecília. Ao questionar a atitude, acabou surpreendido pela reação do criminoso, que sacou uma pistola 9mm e efetuou cerca de 10 disparos contra o PM, que não estava armado. O policial não resistiu e morreu ainda no local. Ele deixa esposa e uma filha de 10 anos.

pm

Soldado PM D. Barros

19 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Adeus, o soldado D. Barros foi baleado ao reagir a um assalto, em Ramos, na Zona Norte do Rio. O PM abastecia seu veículo em um posto de combustíveis quando foi abordado pelo criminoso, que conseguiu fugir após balear o policial no braço. Socorrido, o PM foi levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, e não corre risco de morte.

pm

Sargento PM Fernando Lopes Gomes

19 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado no Comando de Polícia Ambiental (CPAm), o sargento Fernando Lopes Gomes foi baleado ao tentar prender um criminoso que abordava um grupo de ciclistas na Floresta da Tijuca, no bairro de mesmo nome, na Zona Norte do Rio, no início da manhã. O assaltante conseguiu fugir. Atingido na perna, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea. Ele não corre risco de morte.

pm

Soldado PM Valmir dos Santos Corrêa, 52 anos

21 de Setembro: 1 PM morto

O subtenente reformado Vlamir dos Santos Corrêa, 52 anos, foi encontrado morto entre as favelas Palmeirinha e Muquiço, na divisa entre os bairros Honório Gurgel e Guadalupe, na Zona Norte do Rio. Morador de Marechal Hermes, também na Zona Norte, o PM – que foi lotado no 10BPM enquanto na ativa – ele desapareceu no início da noite. O carro dele – o Peugeot branco placa LTV 5047 – estava incendiado, próximo ao local onde o corpo foi encontrado.

pm

Soldado PM Cláudio

22 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Lins, o soldado Cláudio foi baleado durante confronto no Morro do Lins, no Lins de Vasconcellos, na Zona Norte do Rio. Atingido de raspão na mão, ele foi socorrido e liberado após receber atendimento médico.

6

Soldado PM Bruno Rodrigues Pereira, 30 anos

28 de Setembro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Formiga, o soldado Bruno Rodrigues Pereira, 30 anos, foi torturado e morto de forma covarde ao ser identificado como policial. O crime ocorreu no bairro Lagoinha, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O PM – que ia completar três anos na corporação no próximo mês de dezembro – tinha ido buscar o irmão quando foi abordado pelos criminosos, na localidade conhecida como Dom Bosco. Eles o revistaram e acabaram encontrando a farda no porta-malas. Após torturá-lo e matá-lo, os bandidos o amarraram com uma corda a um cavalo e arrastaram seu corpo pela Rua Gelo.

29 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Macacos, o soldado Rodrigues foi baleado durante ataque de criminosos que continuam controlando o tráfico de drogas no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio. Há duas semanas, ele já havia sido atingido no local, mas o colete amorteceu o projétil. Desta vez atingido no ombro, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha.

29 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado no 15°  BPM (Duque de Caxias), o sargento Francisco foi baleado durante confronto com criminosos que controlam o tráfico de drogas na Favela Santa Lúcia, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Atingido no tórax, o PM foi socorrido pelos colegas de farda e levado para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, no bairro Saracuruna, e posteriormente transferido com auxílio do Grupamento Especial de Salvamento e Ações de Resgate (GESAR) para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio.

5

Sargento PM André Caetano, 42 anos

29 de Setembro: 1 PM morto

Lotado no Centro de Controle Operacional da Polícia Militar (Cecopom), no Quartel General (QG) da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, o sargento André Caetano, 42 anos, morreu após ser baleado diversas vezes pelo próprio filho, de 17 anos de idade. O crime ocorreu na casa do PM, no bairro Engenho da Rainha, na Zona Norte do Rio, no início da noite. Casado há 17 anos, o sargento deixou outros dois filhos – um menino e uma menina.

4

Soldado PM Caio Cesar Ignácio Cardoso de Melo, 27 anos

30 de Setembro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha, o soldado Caio Cesar Ignácio Cardoso de Melo, 27 anos, foi baleado na Rua Canitar, próximo ao Campo do Sargento. Atingido no pescoço, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu a quatro paradas cardíacas. O policial também era dublador e conhecido por ser a voz de Harry Potter no Brasil. Ele morreu dois dias após comemorar aniversário.

30 de Setembro: 1 PM baleado

Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), o soldado M. Cunha foi baleado durante ataque de criminosos na Favela Parque Proletário, no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. Atingido na perna, ele foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas.

OUTUBRO

3

Soldado PM Alyson Leonardo Egídio Alves, 27 anos

1° de Outubro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Salgueiro, o soldado Alyson Leonardo Egídio Alves, 27 anos, morreu após ser baleado ao ter a identidade descoberta, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. O PM estava no salão de beleza da esposa, localizado na Rua Brilhante, no bairro Coelho da Rocha, quando dois criminosos que chegaram em um carro vermelho anunciaram o assalto. Ao ver a arma na cintura de Alyson, eles efetuaram os disparos e fugiram no veículo, onde um comparsa permaneceu à espera. Baleado na frente da esposa, o PM foi atingido duas vezes no rosto e uma nas costas. O soldado ainda foi socorrido e levado para o Posto de Atendimento Médico (PAM) de São João de Meriti, mas não resistiu. A cunhada dele, que também estava no salão, foi atingida na perna.

2

Sargento PM Marcelo Moraes, 46 anos

2 de Outubro: 1 PM morto e 1 PM baleado

Lotados no 16° BPM (Olaria), o sargento Marcelo Moraes, 46 anos, e o cabo Antônio Carlos Dias Leite foram baleados durante tentativa de assalto, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. O sargento, que era subcomandante do Grupamento de Ações Táticas (GAT) do batalhão de Olaria, não resistiu e morreu ainda no local. Os dois seguiam de moto para um curso do Comando de Operações Especiais (COE) quando foram abordados pelos criminosos. O cabo D. Leite foi salvo por um funcionário dos Correios que vinha em outra moto logo atrás e presenciou a cena, o ajudou a se proteger atrás de um carro, pegou sua arma e atirou contra um dos bandidos – que morreu no local. Após socorrê-lo e levá-lo até o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, ele retornou e se apresentou aos policiais da Divisão de Homicídios (DH), auxiliando no trabalho da perícia.

2 de Outubro: 2 PMs baleados

Lotados na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Vila Cruzeiro, os soldados Renato José da Silva Batista, 37 anos, e Raphael Silva foram baleados durante ataque no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. Atingido nas costas, o soldado Batista foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas. O tiro perfurou o tórax, ombro e pelve. Baleado de raspão na costela, o soldado R. Silva também recebeu atendimento médico na mesma unidade de saúde.

pm

Sargento PM Ronaldo Ferreira do Nascimento, 39 anos

4 de Outubro: 1 PM morto

Lotado no 25º BPM (Cabo Frio), o sargento Ronaldo Ferreira do Nascimento, 39 anos, morreu após ser baleado em Cabo Frio, na Região dos Lagos, na madrugada. Conhecido como “Máquina”, o PM estava em seu primeiro dia de férias. O crime ocorreu na Rua Ézio Cardoso da Fonseca, no bairro Jardim Esperança. O sargento Ronaldo estava comendo churrasquinho em frente ao Caldo do Zé Amaro quando ouviu um disparo de arma de fogo e se virou para ver o que estava acontecendo. Ele foi até a rua e viu que dois homens em uma moto estavam atirando para o alto. A moto veio na direção da barraca onde o PM estava e um dos criminosos efetuou uma rajada de pistola 9mm na direção dele, o acertando na barriga. Socorrido, o sargento ainda foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Parque Burle, mas não resistiu. Um acusado de pilotar a moto já foi preso e uma arma apreendida. A Polícia procura agora o autor do disparo. Os criminosos seriam da localidade conhecida como Valão, no mesmo bairro, e estariam retornando de um ataque promovido no Morro do Limão, também no Jardim Esperança. O PM deixou uma filha de 12 anos.

pm

Cabo PM Gustavo Medeiros Andrade, 29 anos

11 de Outubro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Jacarezinho, o cabo Gustavo Medeiros Andrade, 29 anos, morreu após ser baleado durante tentativa de assalto, em Del Castilho, na Zona Norte do Rio. O PM estava acompanhado pela esposa no bar e restaurante Tamo Junto, na Avenida Dom Hélder Câmara, quando dois homens em uma moto chegaram, abordaram o policial e exigiram que ele entregasse o cordão. Após entregá-lo, o cabo Medeiros sacou sua arma e reagiu. Os criminosos revidaram e no confronto o PM foi atingido. Outros dois clientes do estabelecimento também foram baleados. Eles foram identificados como Marco Rogério de Souza, 31 anos, e Marcelo Santos, 35. Os três foram socorridos e levados para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier. O PM – que estava há seis anos na corporação – sofreu duas paradas cardíacas e não resistiu. Os outros dois feridos não correm risco de morte.

pm

Soldado PM Neandro Santos de Oliveira, 30 anos

12 de Outubro: 1 PM morto

Lotado no 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes), o soldado Neandro Santos de Oliveira, 30 anos, foi sequestrado ao ser identificado como policial durante um arrastão praticado por cerca de 15 homens fortemente armados na Rua Alcobaça, em Anchieta, na Zona Norte do Rio. Ele estava em seu veículo – um Volkswagen Up Take Ma preto placa LRT 9856 – quando foi abordado, assim como outros motoristas, no início da noite. Testemunhas viram quando os bandidos levaram o PM para dentro da Favela do Chapadão, em Costa Barros, ao encontrar em seu carro sua identidade funcional e a escala da corporação. O automóvel foi localizado na mesma rua, com marcas de sangue, e o corpo foi encontrado carbonizado dentro de um Prisma, na Via Light, na altura do bairro Jardim Califórnia, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A identificação foi confirmada oito dias depois, através de exame da arcada dentária realizado pelo Posto Regional de Polícia Técnica e Científica (PRPTC) de Nova Iguaçu. Ele deixou a esposa grávida.

16 de Outubro: 1 PM baleada

Lotada no 12° BPM (Niterói), a soldado Suelen Scotelaro, 29 anos, foi baleada pelo ex-marido, o também soldado Carlos Marcelo Oliveira da Silva, lotado no 7° BPM (São Gonçalo), no final da noite. O crime ocorreu em frente ao número 62 da Rua Salvatori, no Centro, em São Gonçalo, durante discussão na festa que comemorava o aniversário da filha do casal. O PM – que efetuou dois disparos contra a ex-mulher – foi preso pela Supervisão do 7° BPM. O irmão do soldado Marcelo, o advogado Ricardo Gonçalves da Silva Júnior, também acabou preso pelos PMs, por fraude processual, ao tentar esconder uma espingarda calibre 12 sem registro que estava em seu veículo. Ele acabou confessando que a arma pertencia ao irmão. No automóvel os policiais ainda apreenderam a pistola utilizada pelo soldado no crime – uma pistola 380. Atingida no abdômen e na mão, a soldado Scotelaro foi socorrida e levada para o Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê, sendo submetida a uma cirurgia e posteriormente transferida para a Enfermaria da unidade.

pm

Sargento PM Fernando Monteiro, 40 anos

23 de Outubro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fallet, o sargento Fernando Monteiro, 40 anos, foi assassinado ao ter a identidade descoberta durante um assalto, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Há 15 anos na corporação, o PM – que era casado e deixa três filhos – seguia para assumir o serviço, na Supervisão da UPP Fallet (para onde havia sido transferido há cerca de um mês, vindo do 9°BPM) quando foi abordado por assaltantes que saíram de dois carros, na Rua Expedicionário Aquino de Araújo. O sargento Monteiro entregou as chaves de seu carro – o Hyundai Veloster branco placa KOY 3129 – e saiu do veículo. Os bandidos já iniciavam a fuga quando encontraram a farda do policial no interior do automóvel e voltaram, efetuando diversos disparos contra ele. O PM ainda tentou reagir e chegou a efetuar alguns disparos, mas foi atingido por disparos de fuzil e morreu no local. Peritos apreenderam várias cápsulas de calibre 556 e 380 próximo ao corpo. Os criminosos fugiram levando a arma e o aparelho de telefone celular do sargento.

NOVEMBRO

1° de Novembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Providência, o cabo André foi baleado na mão durante ataque de criminosos que continuam controlando o tráfico de drogas no Morro da Providência, no bairro Santo Cristo, na Zona Portuária do Rio.

1° de Novembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) São João, o soldado C. Moura foi baleado na cabeça durante ataque de traficantes no Morro São João, no Engenho Novo, na Zona Norte do Rio.

5 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado no 34° BPM (Magé), o sargento Vander foi baleado no braço durante incursão na Favela Parque Maitá, no bairro Piabetá, em Magé, na Baixada Fluminense. Após receber os primeiros socorros na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Piabetá, ele foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio.

5 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado no 17° BPM (Ilha do Governador), o sargento Arnom foi baleado ao reagir a um assalto, na Estrada da Água Branca, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Atingido no rosto, na mandídula e no peito, ele foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer.

5 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Mangueira, o soldado M. Miranda foi baleado durante ataque de criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que continuam controlando o tráfico de drogas no Morro da Mangueira, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio. Ele e seus companheiros de farda caminhavam em direção ao contêiner da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) quando foram atacados.

14 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado no 40° BPM (Campo Grande), o subtenente Malman foi baleado durante incursão na Favela da Carobinha, no bairro Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Atingido de raspão na orelha, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo. Ele não corre risco de morte.

16 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Manguinhos, o soldado Jefson foi baleado na cabeça durante ataque de criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que continuam controlando o tráfico de drogas no Complexo de Manguinhos, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. O PM estava em uma viatura que trafegava próximo à Avenida Leopoldo Bulhões e que foi alvo de tiros efetuados pelos traficantes, no início da noite. Atingido na cabeça, ele foi socorrido e levado para o Hospital Federal de Bonsucesso, sendo posteriormente transferido para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier.

17 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado no 7° BPM (São Gonçalo) e trabalhando no Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) Jóquei, o soldado Quintanilha foi baleado durante incursão no Morro da Dita, no bairro Jóquei. Atingido no rosto, ele foi levado para o Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê.

pm

Sargento PM Alexandre Murta Fernandes, 41 anos

20 de Novembro: 1 PM morto

Adido à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), onde estava lotado no gabinete do deputado estadual Marcelo Freixo, o sargento da Polícia Militar Alexandre Murta Fernandes, 41 anos, morreu após ser baleado ao reagir a um assalto, em Bento Ribeiro, na Zona Norte do Rio. O crime ocorreu na Rua Paramirim. O PM ainda foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu aos ferimentos.

pm

Sargento PM Nilson de Souza Cardoso, 40 anos

21 de Novembro: 1 PM baleado

Lotado no Gabinete do Comando Geral (GCG) da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), onde trabalha como motorista do comandante-geral da corporação, coronel Alberto Pinheiro Neto, o sargento Nilson de Souza Cardoso, 40 anos, foi baleado ao tentar reagir a um assalto, em Olaria, na Zona Norte do Rio. O PM estava em um bar quando criminosos entraram no estabelecimento e anunciaram o assalto, no final da tarde. O sargento Cardoso reagiu e na troca de tiros acabou atingido por uma rajada de pistola. Socorrido, ele foi levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. De acordo com médicos responsáveis pelo primeiro atendimento, o policial sofreu fratura no fêmur, teve o fígado perfurado e perdeu um pedaço do intestino. Ele foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio.

 

pm

Capitão PM Reformado Eduardo Paiva Nogueira da Gama, 56 anos

22 de Novembro: 1 PM morto

Capitão reformado da Polícia Militar, Eduardo Paiva Nogueira da Gama, 56 anos, morreu após ser baleado, no Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio, no início da noite. Ele faria aniversário na sexta-feira seguinte ao crime, dia 27. O PM saía de uma padaria na esquina das ruas Adolfo Bergamini e Dias da Cruz e se preparava para entrar em seu carro quando foi baleado. Atingido por cerca de cinco tiros, ele não resistiu e morreu no local.

pm

Soldado PM Daniel Gleison Campos da Silva, 29 anos

25 de Novembro: 1 PM morto

Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Providência, o soldado Daniel Gleison Campos da Silva, 29 anos, morreu no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio, para onde foi levado após ser baleado durante um ataque de criminosos que continuam controlando o tráfico de drogas no Morro da Providência, no Santo Cristo, no início da madrugada. O PM realizava patrulhamento de rotina com outros colegas de farda quando foram surpreendidos por traficantes da facção Comando Vermelho (CV), na localidade conhecida como Ladeira do Barroso. Atingido no pescoço, ele ainda foi socorrido, mas não resistiu. O policial – que estava há três anos na corporação – deixou esposa e filha de apenas 10 meses. Seu corpo foi enterrado no dia do aniversário do pai.