Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010

O ano de 2010 terminou com 182 policiais baleados no Estado do Rio de Janeiro. A estatística fechou com 83 PMs mortos, 11 PCs mortos, 1 PF morto, 76 PMs baleados, 9 PCs baleados, 1 PF baleado e 1 PRF baleado. Dos 182 policiais, 75 estavam de serviço. Doze eram PMs reformados e um era policial civil aposentado.

5 de Janeiro: 1 PM morto
Lotado na Diretoria Geral de Pessoal (DGP), o sargento Vladimir Gonçalves Mamed, 46 anos, chegava em casa, na Rua Juqueri, em Irajá, na Zona Norte do Rio, quando foi abordado por homens armados. Ele reagiu e acabou atingido pelos criminosos, que fugiram num carro não identificado sem levar nada. Socorrido, o PM foi levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Ele foi atingido por mais de um tiro na região toráco-abdominal e morreu horas depois. Apontado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Milícias como chefe de um grupo paramilitar que atuaria no Conjunto Habitacional Ipase, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio, o PM já havia se candidatado a deputado estadual e vereador, mas não foi eleito.

Sargento Vladimir Gonçalves Mamed, 46 anos

6 de Janeiro: 1 PM baleado
Lotado no 4º BPM (São Cristóvão), o major Renato Botelho foi baleado na perna durante incursão na Favela da Mangueira, em São Cristóvão, na Zona Norte do Rio. Criminosos ligados à facção Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas no local reagiram a tiros à chegada da PM e deram início a um tiroteio na Rua São Luiz Gonzaga. O oficial foi socorrido e levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio.

7 de Janeiro: 1 PM baleado
Lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), o cabo Oswaldo Miranda Dias foi baleado nas duas pernas durante tiroteio na Favela da Palmeirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O policial fazia parte de uma equipe que foi enviada à localidade para apurar denúncia de que criminosos iriam incendiar um ônibus. A ação seria em represália à morte de um comparsa, ocorrida após confronto entre traficantes e PMs, horas antes.
Nesta operação, foram apreendidos 10 quilos de maconha, 190 pedras de crack, um revólver e material para endolação. O PM foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Moacyr Rodrigues do Carmo, no bairro Vila São Luiz, sendo transferido posteriormente para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes – mais conhecido como Hospital de Saracuruna – no bairro Jardim Primavera, também em Duque de Caxias.

8 de Janeiro: 1 PM morto
Lotado no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, o sargento Júlio Furtado de Castro morreu depois de ter sido baleado por bandidos que tentavam roubar a sua moto na Rua Itapera, em Vista Alegre, na Zona Norte do Rio.

10 de Janeiro: 1 PM morto
O segundo tenente reformado da Polícia Militar, Maurício da Silva, 59 anos, morreu ao reagir a uma tentativa de assalto, na Rua Doutor Rufino Gonçalves, no bairro Frigorífico, em Nilópolis, na Baixada Fluminense.

11 de Janeiro: 3 PMs baleados
Lotados no 12º BPM (Niterói), os cabos Márcio Luiz Vidal, Alexandre Pinto Araujo e Fábio Cunha Azevedo foram baleados durante confronto na Favela Buraco do Boi, no Barreto, na Zona Norte de Niterói. O tiroteio teve início após invasão de criminosos da facção Terceiro Comando Puro (TCP), que disputam com traficantes do Comando Vermelho (CV) as bocas-de-fumo da região.

12 de Janeiro: 1 PM baleado
Lotado no 12º BPM (Niterói), o cabo Maxwell Alves de Almeida foi atingido no rosto durante outro tiroteio na Favela Buraco do Boi, no Barreto, na Zona Norte de Niterói, durante continuidade de operações após o início da guerra entre facções rivais.

15 de Janeiro: 2 PMs mortos
Lotados no 9º BPM (Rocha Miranda), o sargento Ezequias Veríssimo dos Santos Filho e o cabo Márcio Passos Barcelos foram mortos quando passavam pela Avenida Ministro Edgard Romero, em frente ao Morro do Cajueiro, em Madureira, na Zona Norte do Rio, por volta das 7h50. Os PMs realizavam patrulhamento de rotina quando se depararam com criminosos que assaltavam uma van de cigarros da empresa Souza Cruz.

15 de Janeiro: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o capitão Leandro Maia foi atingido por tiros no pé, na perna e dois de raspão no pescoço, no Morro da Mineira, durante confronto com traficantes da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA) que controlam a venda de drogas no Complexo de São Carlos, no Estácio.

15 de Janeiro: 1 PM baleado
Lotado no 22º BPM (Benfica), o soldado Arthur Furtado Batista Barreto foi baleado durante confronto com traficantes na Favela São Pedro, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Atingido nas nádegas, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Geral de Bonsucesso, ele foi liberado após receber atendimento médico.

16 de Janeiro: 1 PM baleado
Lotado na 1ª Companhia do Palácio Guanabara, o soldado Marcelo Blanco Lopes de Lucas estava trabalhando quando viu a ação de um bandido e tentou impedir um assalto, próximo ao Parque Guinle, nas Laranjeiras, na Zona Sul do Rio.

17 de Janeiro: 1 PM morto e 1 PM baleado
Lotados no 1º BPM (Estácio), o sargento Wilson Alexandre de Carvalho, 41 anos, e o soldado Davi de Almeida Wanzeler, 27, realizavam patrulhamento de rotina e passavam próximo ao Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova, quando foram alvejados por criminosos. Os bandidos estavam no interior de um Astra preto e atiraram diversas vezes na direção dos PMs, próximo ao elevado Paulo de Frontin. Há 17 anos na PMERJ, o sargento não resistiu aos ferimentos. Já o soldado, que está há quatro anos na corporação, foi atingido por três tiros – na perna, no braço e nas costas – mas não corre risco de morte.

18 de Janeiro: 1 PC morto
Lotado na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), o inspetor Alfredo dos Santos Nazaré, 48 anos, foi morto com cinco tiros quando ia estacionar o carro na Avenida Automóvel Clube, no bairro Jardim Redentor, que fica em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

20 de Janeiro: 2 PCs mortos
Lotados na 72ª DP (Mutuá), o detetive Antônio Cézar Fonseca Stockler e o inspetor João Carlos Gomes Coelho foram assassinados quando verificavam uma denúncia relativa a tráfico de drogas, Rua Pedro Corrêa, no Largo de Itaúna, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo.

22 de Janeiro: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o sargento Ângelo Conceição da Silva, 44 anos, morreu ao reagir a um assalto no interior de um coletivo, na altura de Parada de Lucas, na Zona Norte do Rio. O PM seguia no ônibus da Linha 122 (Central-Comendador Soares) quando dois criminosos que estavam sentados atrás do motorista anunciaram o assalto. Ele reagiu, mas foi surpreendido por outros dois assaltantes que viajavam na parte traseira do veículo. Somente um dos bandidos estava armado e houve luta corporal. Os criminosos conseguiram levar o policial para fora do coletivo e deram quatro tiros nele, na Rua Professor França Amaral. O PM chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, mas não resistiu.

23 de Janeiro: 1 PM morto
O policial militar reformado Elias Ximenes, 49 anos, morreu ao ser atingido pelo ex-PM Lúcio Alexandre de Araújo, durante briga no clube Night Dance Forró Show, na Favela da Carobinha, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. O ex-PM brigou com Mário Sérgio de Oliveira, 29, filho de criação do PM reformado, por causa de uma mulher. Após a briga, o jovem ligou para o pai, que foi até o local armado para tirar satisfações com o ex-colega de farda e acabou atingido. Ele e o filho morreram no local. O ex-PM – baleado nas nádegas – foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Rocha Faria. Outras nove pessoas foram atingidas durante a confusão.
Acusado de integrar a milícia Liga da Justiça, o ex-PM Lúcio Alexandre de Araújo foi preso, em agosto do ano passado, no Largo do Mendanha, também em Campo Grande, por agentes das delegacias de Repressão às Ações Criminosas e Inquéritos Especiais (DRACO-IE) e de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), em cumprimento a uma determinação da Delegacia de Homicídios da Zona Oeste (DH-Oeste).
Ele foi expulso da PM acusado de praticar extorsão e estava acompanhado pelo ex-guarda municipal Daniel Fernandes Santos e por outros dois homens, identificados como Sidnei Garcia da Costa e Claudinei Rodrigues. Na ocasião, todos foram autuados por receptação, formação de quadrilha, uso de documento falso e adulteração de sinal identificador de veículo.

29 de Janeiro: 1 PC morto e 1 PC baleado
Lotados na 21ª DP (Bonsucesso), César Marques Pontes e Wellington da Silva Vieira passavam de viatura perto do quartel próximo à Favela Mandela, no Complexo de Manguinhos, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio, quando foram atacados por criminosos de Manguinhos e Jacarezinho, ambas favelas controladas por traficantes da facção Comando Vermelho (CV).

4 de Fevereiro: 1 PF baleado
O policial federal Mário Henrique Rebelo foi baleado nas costas, virilha e braço durante tentativa de roubo. O agente estava na Rua Fábio da Luz, no Méier, na Zona Norte do Rio, quando reagiu a uma tentativa de assalto.

4 de Fevereiro: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), o cabo da Polícia Militar Robson Macena de Souza, 49 anos, foi morto com um tiro na cabeça na Rua Inácia Gertrudes, em Anchieta, na Zona Norte do Rio. A arma e o carro da vítima foram levados pelos bandidos.

8 de Fevereiro: 1 PM baleado
Lotado no 35º BPM (Itaboraí), o soldado Anderson Oliveira, 28 anos, foi baleado em confronto com traficantes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) do Complexo da Reta, em Itaboraí. No tiroteio, ocorrido na esquina das ruas Flávio Vasconcelos e K, na Reta Velha, um criminoso não identificado também morreu. Com ele, foram apreendidos 43 sacolés de cocaína, 14 trouxinhas de maconha e um revólver Taurus. Atingido no pescoço, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Desembargador Leal Júnior, no Centro de Itaboraí.

9 de Fevereiro: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o cabo Alessandro de Souza Pimenta foi baleado no peito quando saía de casa, na Travessa Damas Batista, no bairro Andrade Araújo, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

11 de Fevereiro: 1 PM morto
Lotado no 3º BPM (Méier), o cabo Adriano Ferreira da Silva morreu após ser atingido por traficantes da Favela do Jacarezinho, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. O PM, que trabalhava no Grupamento de Ações Táticas (GAT), passava de viatura pela Avenida Dom Hélder Câmara quando criminosos ligados à facção Comando Vermelho (CV) começaram a atirar. Houve revide e no confronto sete bandidos foram baleados. Uma moradora foi atingida por uma bala perdida.

14 de Fevereiro: 1 PF morto
Lotado no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o agente da Polícia Federal Humberto José Filgueiras Barrense, 40 anos, foi atingido por quatro tiros após uma discussão com o também policial federal Leonardo Schmitt, 26, que é lotado em Manaus e foi preso logo depois do crime, ocorrido em uma festa de música eletrônica na Marina da Glória.

16 de Fevereiro: 1 PM morto
Lotado no 33º BPM (Angra dos Reis), o cabo Dimas Felix da Silva, 38 anos, foi assassinado no bairro Caputera, em Angra dos Reis, com diversos tiros após discussão com homens que seriam envolvidos com o tráfico de drogas. O crime ocorreu em uma cachoeira, na frente da namorada dele, grávida de quatro meses. O PM, que estava na corporação há dez anos, deixou ainda uma filha de 4 anos e um filho de 7, que é portador de necessidades especiais.

21 de Fevereiro: 1 PM baleado
Lotado no 14º BPM (Bangu), um sargento foi baleado no pé durante confronto com traficantes da Favela Vila Kennedy, em Bangu, na Zona Oeste do Rio. Policiais realizavam patrulhamento de rotina quando dois PMs abordaram uma dupla suspeita de roubo em uma moto e um deles começou a atirar. Um dos policiais foi atingido no pé e o outro atirou contra o suspeito, que chegou a ser levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, mas não resistiu aos ferimentos. O outro suspeito conseguiu fugir. Foram apreendidos R$ 100, um revólver 38 com três munições intactas e três deflagradas e um aparelho de som.

22 de Fevereiro: 1 PC baleado
Lotado na 17ª DP (São Cristóvão), o inspetor Cleinadel Franklin do Nascimento Silva, 28 anos, foi ferido de raspão durante confronto em incursão realizada na Favela Parque São Sebastião, no Complexo do Caju.

22 de Fevereiro: 1 PM morto
Lotado no 27º BPM (Santa Cruz), o cabo da PM Kléber de Oliveira Moreira foi morto durante uma tentativa de assalto, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. O militar passava pela Rua Félix Bernadeli, quando foi rendido por quatro homens armados. Os ladrões, que já tinham assaltado outras duas pessoas na mesma rua, fugiram com a arma do PM.

24 de Fevereiro: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o sargento Wagner Silva, 48 anos, morreu ao reagir a anúncio de assalto feito por quatro criminosos que entraram no ônibus da viação 1001 que seguia de Niterói para Araruama, na Região dos Lagos. Os bandidos anunciaram o assalto quando o coletivo passava pela RJ-104, próximo à localidade da Caixa D’água, no Caramujo, na Zona Norte de Niterói. Os criminosos sequestraram o veículo, que estava cheio, e jogaram combustível dentro do ônibus para incendiá-lo. O PM reagiu e foi baleado no tiroteio. Outras três passageiras também foram atingidas: Mariana Pedrosa Moraes, 21 anos, Luciane Queiroz Pinto, 31, e Andrelina Rosa Marinho, 56.

24 de Fevereiro: 1 PM morto
O tenente reformado da Polícia Militar José de Souza Brás, 81 anos, morreu após ser baleado durante uma tentativa de assalto na Rua Visconde de Santa Isabel, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio. Após ser atingido, o PM reformado conseguiu dirigir por alguns metros e parou o veículo próximo ao prédio do Instituto Nacional do Câncer (INCA), no mesmo bairro. O militar chegou a ser socorrido no Hospital Geral do Andaraí, no bairro de mesmo nome, também na Zona Norte, mas não resistiu aos ferimentos.

27 de Fevereiro: 1 PM morto
Lotado no 5º BPM (Praça Harmonia), o cabo da Polícia Militar Guttemberg Conceição, 32 anos, era motorista do coronel Carlos Henrique Alves de Lima, comandante da unidade, e foi morto durante a tentativa de recuperar o carro da mulher do oficial. No último sábado, ela teve o carro roubado em Nilópolis, na Baixada Fluminense, juntamente com seu celular. Os policiais entraram em contato com os bandidos, traficantes do Morro da Pedreira, em Costa Barros, na Zona Norte, através do aparelho e acertaram o pagamento de R$ 2 mil em troca do carro. O oficial seguiu para a comunidade com o cabo, que teria entrado sozinho na favela. O militar acabou sendo morto com 15 tiros.

Coronel Carlos Henrique Alves de Lima

Além de ter sido exonerado, o coronel perdeu também a nomeação para o comando do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), por determinação do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte.

5 de Março: 1 PM baleado
Lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), o soldado Márcio Ribeiro Cunha, 33 anos, foi baleado ao reagir a uma tentativa de assalto, quando saía de casa, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio. Uma dupla armada em um Vectra fechou o veículo do PM, que reagiu. Ele foi atingido no rosto, na mão e no tórax, mas, segundo a Secretaria Estadual de Saúde, não corre risco de morte. Após receber os primeiros atendimentos no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, o policial foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio.

6 de Março: 1 PM morto
Lotado no 22º BPM (Benfica), o cabo Wander Ferreira de Souza, 37 anos, foi encontrado morto na Favela da Mangueirinha, no bairro Olavo Bilac, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O corpo dele e do amigo, Marlon Ribeiro de Azevedo, 30, foram encontrados no porta-malas do Renault Sandero prata, placa KWW 2508. O PM tinha mais de 15 marcas de tiros e sua identidade funcional estava jogada sobre o corpo.

8 de Março: 1 PM morto
Lotado no 40º BPM (Campo Grande), o soldado Márcio Araújo Furtado, 30 anos, estava em um bar, na Rua Paulo Afonso, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, quando foi surpreendido por homens encapuzados que passaram em um carro e efetuaram diversos disparos de fuzil contra ele.

12 de Março: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o cabo Carlos Sales da Silva, 35 anos, morreu ao ser baleado no interior de um bar, em Inoã, distrito de Maricá, na Região dos Lagos. O PM – que estava há nove anos na corporação – teria tentado impedir um assalto ao estabelecimento. Os bandidos fugiram levando a pistola dele.

15 de Março: 1 PM baleado
Lotado no 6º BPM (Tijuca) o cabo Welington Ricardo da Silva foi baleado de raspão na cabeça durante perseguição a assaltantes no Rio Comprido, na Zona Norte do Rio. Eles perseguia ladrões em um Peugeot branco e em uma moto, junto com o soldado Werneck Tadeu dos Santos, quando surpreendeu os criminosos na esquina das ruas Barão de Itapagipe e Barão de Sertório. Ao perceber a aproximação da viatura, os assaltantes atiraram contra os PMs. O soldado sofreu escoriações. Os dois foram socorridos no Hospital Central da Polícia Militar.

18 de Março: 1 PM baleado
Lotado no Comando de Vias Especiais (CVE) do Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o segundo sargento da Polícia Militar Kléber Sodré Ribeiro, 45 anos, foi baleado durante um arrastão, próximo o Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio. Seis homens armados estavam roubando motoristas, no momento em que o PM trafegava pelo local. Ao notar a ação, ele desceu de seu veículo e reagiu. Houve tiroteio e o policial acabou sendo baleado. Os bandidos roubaram um EcoSport que estava parado atrás do sargento, que foi socorrido por um taxista. Ele passou por três cirurgias no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, e não corre risco de morte.

18 de Março: 1 PM morto
Lotado no 14º BPM (Bangu), o subtenente Eloy Alves dos Santos, 47 anos, foi morto a tiros durante uma tentativa de assalto, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele estava em um Fox vermelho seguindo para casa quando foi abordado por dois ladrões na Rua Athayde Pimenta de Moraes, em frente ao número 250. Os assaltantes fizeram os disparos contra o PM, que reagiu. Os bandidos fugiram sem levar o veículo. O PM ainda chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, mas não resistiu.

22 de Março: 1 PM morto
O segundo sargento reformado Newton Gonçalves Ferreira, 60 anos, foi fuzilado em Irajá, na Zona Norte do Rio. O PM seguia em sua pick up Montana Vermelha, placa LRA 1316, pela Estrada do Portinho, que fica próximo ao Ceasa, quando foi interceptado por dois veículos de modelo e placas não identificadas. O automóvel do policial era blindado, mas não resistiu aos mais de 70 tiros disparados. Um dos assassinos chegou a usar uma marreta para quebrar o vidro dianteiro do carro do sargento, que morreu no local.

23 de Março: 1 PM baleado
Lotado no 23º BPM (Leblon), o soldado Marco Antônio de Chaves, 25 anos, foi baleado ao reagir a uma tentativa de assalto no interior de um ônibus. O PM seguia para a Baixada Fluminense quando dois assaltantes anunciaram o crime no momento em que o veículo passava na Linha Vermelha, na descida da Perimetral, na altura do Caju. Ele reagiu e houve troca de tiros no interior do coletivo. Baleado na boca, o soldado foi levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, e não corre risco de morte. Um dos criminosos, também baleado, foi internado sob custódia no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. O comparsa dele conseguiu fugir.

24 de Março: 1 PM baleado
Há um mês e meio à frente do 22º BPM (Benfica), o tenente-coronel Joselson Franco Nunes, 47 anos, foi atingido por um tiro acidental efetuado por ele mesmo dentro de uma viatura descaracterizada. O oficial estava próximo do batalhão, na Linha Vermelha, na Zona Norte do Rio. Ele passou por cirurgias de reconstituição vascular e óssea, que duraram seis horas e 35 minutos.

26 de Março: 1 PM morto
Lotado no 12º BPM (Niterói), o cabo Marco Antônio dos Santos Ferreira, 41 anos, foi assassinado quando bebia com amigos em um bar localizado na Rua 4, no Apolo II, em Itaboraí. Conhecido no local, ele foi surpreendido pelos assassinos – três homens que chegaram no Ford Fiesta prata placa LOZ-1555, que era roubado. Além da carteira com os documentos e dinheiro do PM, os criminosos também levaram a arma da vítima. Após o assassinato, os criminosos abandonaram o Fiesta roubado a dois quarteirões do crime e fugiram pela RJ-104, que liga Niterói ao bairro de Manilha, passando por São Gonçalo.

27 de Março: 1 PM baleado
Lotado no 37º BPM (Resende), Edmilson Andrade Vidal, 31 anos, foi baleado no pé esquerdo durante troca de tiros com dois homens que estavam em uma moto, na Rua Três de Março, no bairro Retiro, onde era realizado baile funk.

28 de Março: 2 PMs baleados
Lotados no 6º BPM (Tijuca), o cabo Jeferson da Silva Pereira, 36 anos, e o soldado Anderson Azevedo Taveira, 28, foram baleados durante patrulhamento de rotina na Estrada Grajaú-Jacarepaguá, na altura do Morro do Encontro, no Grajaú, na Zona Norte do Rio. Os PMs foram socorridas e levadas para o Hospital Geral do Andaraí, no bairro de mesmo nome. O cabo Jeferson levou um tiro no queixo e foi operado. De acordo com a assessoria da PM, seu estado de saúde é estável e ele não corre risco de morrer. Já Anderson levou um tiro de raspão no braço, foi medicado e liberado em seguida.

29 de Março: 1 PM baleado
Lotado no 22º BPM (Benfica), Guálter Antônio Neves dos Santos, 22 anos, levou um tiro na perna ao reagir a um assalto na Avenida Brasil, na altura da Penha, na Zona Norte do Rio.

3 de Abril: 1 PM morto
Tentando evitar um assalto, o cabo reformado da Polícia Militar Ulisses Correia Dutra, 43 anos, acabou morto a tiros, no Largo do Bicão, na Penha, na Zona Norte do Rio, no início da manhã. O PM tentou impedir que um motorista que estacionava o carro em frente a uma farmácia na Travessa Confiança fosse rendido pelos criminosos e acabou sendo baleado. O cabo, que não resistiu e morreu no local, foi o primeiro policial assassinado no Rio de Janeiro no mês de abril.

6 de Abril: 1 PM baleado
Lotado no 12º BPM (Niterói), o cabo Fabiano Araújo Martins de Oliveira foi baleado em um ponto de transporte alternativo localizado em Alcântara, em São Gonçalo. Atingido no rosto, ele está internado em estado grave no Hospital da Polícia Militar, em Santa Rosa, na Zona Sul de Niterói. Um fiscal de van morreu e um jovem foi baleado na perna durante o tiroteio.

8 de Abril: 1 PM morto
Lotado no 6º BPM (Tijuca), o sargento Edson Lopes, 55 anos, foi ferido durante tentativa de assalto na Rua Alfredo Barcelos, em Olaria, na Zona Norte do Rio. Ele ainda lutou com dois criminosos, mas acabou sendo atingido. Socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, o sargento não resistiu aos ferimentos.

13 de Abril: 1 PM baleado
Lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), o cabo Douglas Souza da Silva foi baleado em Irajá, na Zona Norte do Rio. Ele seguia pela Rua Coronel Vieira para atender uma ocorrência, quando tentou interceptar um veículo suspeito. Os ocupantes do carro atiraram contra a viatura e o PM acabou sendo atingido na perna e no braço direito. Os bandidos fugiram e o PM foi socorrido pelo companheiro de viatura e levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio.

15 de Abril: 1 PM morto
Lotado no 16º BPM (Olaria), o sargento André Luiz dos Santos, 39 anos, morreu no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, na Zona Norte do Rio, após ser atingido por um tiro no pescoço enquanto passava pela esquina da Avenida Itararé com a Rua Joaquim de Queiroz, em Ramos, também na Zona Norte. O PM foi baleado durante confronto entre equipes do 16º BPM e traficantes da Favela da Grota, no Complexo do Alemão. Os criminosos se preparavam para invadir o Morro do Urubu, em Pilares, quando foram interceptados pelos policiais.

16 de Abril: 1 PM morto
Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro Santa Marta, o soldado Willian Soares Pereira, 30 anos, morreu ao reagir a uma tentativa de assalto, no Porto Novo, em São Gonçalo. Há dois anos na PMERJ, ele voltava do serviço e havia buscado a noiva, a auxiliar administrativa Michelle da Silva Thomé, 27. Os dois estavam na Rua Capitão João Manoel quando foram abordados pelos bandidos, que estavam no Golf prata placa MSZ 1115, roubado na madrugada anterior, no Centro de São Gonçalo. O PM reagiu e atirou, chegando a atingir a lataria do automóvel, mas acabou atingido, assim como a noiva. Os dois morreram no local. Os criminosos fugira levando a pistola 380 do PM, além de joias e documentos. O carro foi abandonado em um dos acessos ao Morro da Coruja, no bairro Vila Laje.

22 de Abril: 1 PM morto
Lotado no 26º BPM (Petrópolis), o segundo sargento Robson Martins da Silva foi morto a tiros, por volta das 6h, quando saía de casa com a família, no Irajá, na Zona Norte do Rio. O PM estava em um Renault Megane, em frente à sua residência, na Rua Ferreira Cantão, quando foi abordado por três homens que ocupavam um Citröen C4 Palas. Pelo menos um dos bandidos usava colete da Polícia Civil. Uma filha do PM, de 15 anos, também foi atingida por um tiro na perna, socorrida e levada para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. A esposa de Robson, que também estava no carro da família, não ficou ferida.

22 de Abril: 2 PMs baleados
Lotados no 16º BPM (Olaria), o sargento Marcelo Cândido e o cabo Sérgio Fernandes de Moraes foram baleados durante confronto com traficantes do Complexo de Manguinhos, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Os PMs, que trabalhavam acompanhados por outros sete policiais em dois Patrulhamentos Táticos Móveis (Patamos), passavam pela Estrada do Itararé, um dos acessos ao Complexo do Alemão, quando suspeitaram de um Honda Civic prata com vidros fechados e cobertos com película que saiu da favela. Os PMs, então, começaram a seguir o veículo de longe. Na Avenida dos Democráticos, a poucos metros da 21ª DP (Bonsucesso), uma das guarnições ligou a sirene e tentou emparelhar com o Honda.

Os ocupantes do automóvel começaram a atirar contra os policiais e houve intensa troca de tiros. No tiroteio, os traficantes Carlos Antônio Freitas dos Santos, 32 anos, Leandro dos Santos Moreira do Carmo, 28, Diego Jaster Farias, 19, e Clever Henrique Conceição Jaster, 23, foram atingidos e morreram no Hospital Geral de Bonsucesso. O sargento Cândido foi baleado no rosto e teve o olho atingido. Já o cabo Moraes foi atingido na barriga. Dentro do Honda, os PMs apreenderam um fuzil AR-15, uma metralhadora 9 milímetros, uma pistola 40, uma pistola 380, duas pedras de crack, um quilo de cocaína, grande quantidade de munição, agendas com contabilidade do tráfico e diversas roupas de grife.

25 de Abril: 1 PM baleado
Lotado no 3º BPM (Méier), o cabo Sidney Pinheiro Barroso, 38 anos, foi baleado quando saía de um churrasco na Rua Comandante Coelho, em Cordovil, na Zona Norte do Rio. Abordado por criminosos que queriam levar seu carro, o PM reagiu e acabou sendo atingido por três tiros, sendo dois no toráx e outro no rosto, e levado em estado grave para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Ele estava junto com a mulher Naira Santana, 28, e o filho Lucas, 4. Os dois foram atingidos de raspão e liberados após receberem atendimento médico.

27 de Abril: 2 PMs baleados
Lotados no 9º BPM (Rocha Miranda), o cabo Vicente de Paula Rocha Lima Júnior e o cabo Carlos de Moraes Silva foram baleados em Oswaldo Cruz, na Zona Norte do Rio. Eles realizavam patrulhamento de rotina na Rua Andrade Araújo quando abordaram um Corsa Sedan com registro de roubo. Os PMs chegaram a dar voz de prisão aos três ocupantes do veículo, mas, quando se preparavam para ir à 30ª DP (Marechal Hermes), foram surpreendidos pelos comparsas do trio, que formavam um bonde e ocupavam cerca de outros nove automóveis. Houve tiroteio e os três bandidos abordados morreram no local. O cabo Vicente de Paula foi atingido por um tiro na boca e submetido a uma cirurgia. Já o cabo Moraes foi baleado de raspão nas costas.

1º de Maio: 1 PM morto
Lotado no 22º BPM (Benfica), o cabo Alexandre Costa da Silva foi assassinado quando chegava em casa, na Vila Valqueire, na Zona Oeste do Rio. O crime aconteceu por volta das 3h40m. O cabo estacionava seu veículo na Rua Ouro Cunha quando foi abordado por homens que saíram de um Peugeot prata. Ele foi atingido por cerca de 20 disparos.

2 de Maio: 1 PM baleado
Lotado no 22º BPM (Benfica), o cabo Arnaldo Oliveira Nogueira Júnior foi baleado ao reagir a uma tentativa de assalto na Avenida Partor Martin Luther King Júnior – antiga Automóvel Clube -, nas proximidades do Morro da Pedreira, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio. O policial estava em seu carro e reagiu à abordagem dos bandidos, que pretendiam levar o veículo. No confronto, o PM foi atingido no pé.

3 de Maio: 1 PM morto
Lotado no 33º BPM (Angra dos Reis), o soldado André de Souza da Silva foi abordado por criminosos Na Estrada Guapimirim, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, e morto a tiros perto de sua residência.

3 de Maio: 1 PM morto
Lotado no 22º BPM (Benfica), o cabo Alexandre Costa foi executado com mais de 50 tiros de pistola em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. As investigações mostram que os bandidos estavam escondidos à espera do PM, que acabou morto dentro de seu próprio carro.

5 de Maio: 1 PM morto
O cabo reformado da Polícia Militar Mauro César Filho, 55 anos, foi morto a pedradas na casa onde morava na Rua Manacá, no bairro Banco de Areia, em Mesquita, na Baixada Fluminense. O PM discutiu com o assassino, que pegou uma pedra e o atacou. O crime aconteceu no quintal.

6 de Maio: 1 PC baleado
Lotado na 35ª DP (Campo Grande), o inspetor Leandro de Souza Assis, 31 anos, foi baleado na perna durante suposta briga de trânsito, na esquina da Avenida Santa Cruz com a Rua Piraquara, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Após discussão com o cabo Rodrigues, lotado no 2º BPM (Botafogo), o policial acabou levando um tiro na perna direita. Ele recebeu atendimento médico no Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, e foi liberado em seguida.

7 de Maio: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), Fábio Ferreira de Miranda foi baleado na Avenida Dom Hélder Câmara, em Piedade, na Zona Norte do Rio. Ele deu entrada às 22h no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, já morto. O PM tinha marcas de tiros na cabeça e no peito.

8 de Maio: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o cabo Márcio Simonato Garcia, 38 anos, foi executado em um bar no bairro Moquetá, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O assassino entrou no estabelecimento comercial e efetuou disparos com uma pistola nove milímetros na direção do PM, que ainda foi socorrido e levado para o Hospital da Posse, mas não resistiu aos ferimentos.

11 de Maio: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), o cabo André Roberto Araújo Fafians foi baleado durante saidinha de banco – quando a pessoa é seguida e assaltada após efetuar saque em agência bancária ou caixa eletrônico – no bairro Nova Cidade, em São Gonçalo. O PM havia acabado de sair de uma agência do banco Itaú, na Rua Doutor Nilo Peçanha, quando foi abordado por dois homens. Ele reagiu à tentativa de assalto e acabou atingido. Socorrido por populares, o policial foi levado para o Hospital Estadual Alberto Torres, mais conhecido como Hospital Geral de São Gonçalo, no bairro Colubandê. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Saúde, o PM teve vários órgãos atingidos e perdeu o baço, o rim, o fígado e um pedaço do intestino. Em novembro de 2009 ele oficializou a união com a mulher com quem vivia há dez anos. Ele foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio, no dia 19 de maio e morreu no dia 21, após 10 dias de internação.

11 de Maio: 1 PM baleado
Lotado no 28º BPM (Volta Redonda), o sargento José Luiz Sabença Brum foi baleado durante troca de tiros com traficantes do bairro Padre Josimo, em Volta Redonda. O PM foi atingido com um tiro na costela, que perfurou o baço e saiu pelas costas. Ele foi socorrido e levado para a Santa Casa de Barra Mansa, onde foi submetido a uma cirurgia e permaneceu internado durante duas semanas. Dois dias após receber alta médica, voltou a ser internado na mesma unidade de saúde, onde ficou por mais uma semana. O autor do disparo foi identificado como Marcelo Camilo de Souza, o Marcelo Paraíba, acusado de comandar o tráfico de drogas no Padre Josimo. Ninguém foi preso.

13 de Maio: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), Daniel Rosa morreu após ser baleado em Nilópolis, na Baixada Fluminense. Ele estava acompanhado pelo baterista do sambista Dudu Nobre, Renato Luiz de Oliveira Nascimento. Os dois estavam em frente a um mercado quando foram abordados por cerca de cinco criminosos. O PM reagiu e acabou baleado no peito, no braço e nas pernas. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Juscelino Kubitschek, também em Nilópolis, mas não resistiu aos ferimentos. Os bandidos fugiram levando a arma do policial.

13 de Maio: 1 PM baleado
Lotado no 12º BPM (Niterói), o cabo Júlio César Pinto da Conceição, 36 anos, foi baleado durante confronto com criminosos da facção Amigos dos Amigos (ADA) que controlam a venda de drogas no Morro do Boa Vista, no bairro São Lourenço, em Niterói. Os traficantes haviam saído do morro para escapar de rivais do Comando Vermelho (CV) que saíram do Morro do Serrão, no Cubango, para invadir o local. Eles se depararam com os PMs no final da Rua Andrade Pinto, quando se preparavam para fugir para o Morro do Pé Pequeno. No confronto, três bandidos foram baleados. Dois deles foram socorridos pelos próprios PMs e levados para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, onde morreram. O corpo do terceiro foi encontrado somente na manhã do dia seguinte. Atingido na boca, o cabo Júlio foi levado para o Hospital Polícia Militar, em Santa Rosa, na Zona Sul de Niterói, e posteriormente transferido para o Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio, por ausência de um cirurgião bucomaxilo na unidade niteroiense.

18 de Maio: 1 PC morto
Lotado na 6ª Delegacia Especial de Acervo Cartorário (Deac), o policial civil Robson Dias Diniz, 48 anos, e sua namorada, Fabiana Rodrigues Amorim Macedo, 28, foram mortos a tiros, quando conversavam no interior de um Honda Civic, na Rua Landara esquina de Gerândia, no bairro Vila Nova, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. De acordo com testemunhas, a dupla de bandidos em uma moto parou em frente ao carro e começou a atirar. A namorada dele tentou fugir correndo, mas também foi baleada, morrendo na hora.

19 de Maio: 1 PC baleado
O delegado João Dias, titular da 27ª DP (Vicente de Carvalho) foi baleado na mão durante tentativa de assalto na Avenida Brasil, na altura da Favela de Acari, na Zona Norte do Rio. O delegado voltava para casa, em Campo Grande, na Zona Oeste, quando foi abordado por homens armados que tentaram roubar o carro que ele dirigia. O policial reagiu, dando início a um tiroteio. Um criminoso foi baleado, e os outros fugiram.

24 de Maio: 1 PM morto
Lotado no 29º BPM (Itaperuna), o cabo João Batista dos Santos Júnior, 37 anos, foi executado quando chegava em casa, na Estrada do Moinho, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, por um homem usando capuz. O PM foi morto com vários tiros de pistola.

26 de Maio: 1 PM morto e 2 PM baleados
Lotados no 14º BPM (Bangu), o segundo-sargento Ulisses Alves Correa Filho, 50 anos, e o soldado Alberto José Santos foram baleados no Posto de Policiamento Móvel (PPM) de Mariópolis, em Anchieta, na Zona Oeste do Rio. O sargento morreu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ricardo de Albuquerque. Os criminosos atacaram o posto a tiros e fugiram levando três fuzis e duas pistolas. Durante perseguição, o capitão Alan de Luna Freire e a menina Ana Paula Lopes Gomes, 6, foram feridos durante o tiroteio entre os PMs e os bandidos. O confronto ocorreu na Avenida Brasil, na altura de Parada de Lucas. Os três bandidos morreram. O ataque aconteceu quando três criminosos em um Astra bege pararam simulando um pedido de informação.

28 de Maio: 1 PM baleado
Lotado no 6º BPM (Tijuca), o cabo Geremias da Cruz, 40 anos, foi baleado durante um assalto, ao ter sua identidade funcional descoberta. O PM seguia para o trabalho quando foi abordado na esquina das ruas Teodoro da Silva e Professor Manoel de Abreu, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio. Os assaltantes pegaram a carteira do policial e, ao descobrirem sua profissão, efetuaram diversos disparos. O PM ainda colocou a mão no rosto para tentar se defender, mas foi baleado três vezes. Dois tiros atingiram a cabeça e outro uma das mãos do sargento. Ele foi levado para o Hospital Federal do Andaraí, no bairro de mesmo nome, também na Zona Norte.

2 de Junho: 1 PC baleado
Lotado na 21ª DP (Bonsucesso), Wagner da Silva Cruz, 50 anos, foi baleado nove vezes, ao reagir a assalto dentro de um microônibus na Avenida Central, no Mutuá, quando seguia para casa, em Itaoca. Ele foi socorrido pelo motorista do coletivo e levado para o Pronto Socorro de São Gonçalo (PSSG), no Zé Garoto, sendo posteriormente transferido para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca, na Zona Norte de Niterói. O coletivo fazia a linha Fórum-Praia da Luz e o incidente ocorreu na altura da localidade conhecida como Campinho.

3 de Junho: 2 PMs baleados
Lotados no 19º BPM (Copacabana) e na 1ª Companhia Independente da Polícia Militar, no Palácio Guanabara, respectivamente, o soldado Everton Bruno da Silva, 28 anos, e o cabo Verter Marques Pessoa, 36, foram baleados quando passavam pela Avenida Brasil, na altura de Cordovil, na Zona Norte do Rio. Os PMs estavam em um Ômega blindado, dirigido pelo soldado Everton, quando dois ocupantes de um Fox prata, com fuzis, abriram fogo. Os policiais participaram de um culto da Igreja Mundial do Poder de Deus realizado no Centro Esportivo Miécimo da Silva, em Campo Grande, na Zona Oeste, na noite anterior, e seriam seguranças do pastor Josivaldo. Outras três mulheres que estavam no carro também foram atingidas de raspão. Elas foram identificadas como Paulenita das Neves, 53, Eunice das Cruz Santana, 39, e Rita de Cássia Barreto, 33. Todos foram atendidos no Hospital Geral de Bonsucesso, no bairro de mesmo nome, onde Everton, mesmo ferido, conseguiu chegar dirigindo.

3 de Junho: 1 PM baleado
Lotado no 5º BPM (Praça Harmonia), o soldado Marcelo Araújo Figueiredo foi baleado ao reagir a assalto, em Madureira, na Zona Norte do Rio. O criminoso, identificado Everton Moura Cardoso, acabou morto. De acordo com a Polícia, ele tentou roubar o carro do PM na Rua Conselheiro Galvão. O policial foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, também na Zona Norte.

5 de Junho: 1 PM baleado
Lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), o cabo Ângelo Rodrigues de Azevedo foi baleado na perna durante confronto com traficantes ligados à facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio. O PM foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier. Um dos criminosos, que não tinha identificação, também foi atingido e acabou morrendo no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

16 de Junho: 1 PM morto
Lotado no 5º BPM (Praça Harmonia), o cabo Luciano Batista Costa, 35 anos, morreu após trocar tiros com cinco desconhecidos que chegaram armados em festa junina na Rua Geni Saraiva, no bairro Ponto Chic, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O PM viu um dos bandidos balear um dos participantes da festa e reagiu. Os criminosos dispararam contra o policial e o acertaram na cabeça. O homem baleado também morreu. Duas outras pessoas ficaram feridas.

17 de Junho: 1 PM baleado
Lotado no 6º BPM (Tijuca), um soldado foi baleado na perna durante confronto com traficantes ligados à facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas no Morro do Turano, no Rio Comprido, na Zona Norte do Rio. Uma equipe do Grupamento de Ações Táticas (GAT) realizavam uma incursão na favela e foram recebidos a tiros pelos bandidos. Os PMs apreenderam um fuzil, munições, rádios transmissores, além de 3 mil sacolés de cocaína.

17 de Junho: 1 PM baleado
Lotado no 12º BPM (Niterói), o soldado André Luiz de Farias Magalhães, 36 anos, foi baleado durante confronto com assaltantes, na Rua General Castrioto, no Barreto, na Zona Norte de Niterói. O PM passava pelo local de moto, acompanhado por outro policial, durante patrulhamento de rotina, quando foi avisado por populares de que uma dupla de criminosos havia roubado um Honda Fit e acabaram colidindo contra um Classic. Os assaltantes, então, desceram e fugiram no segundo carro. Os PMs iniciaram uma perseguição à dupla, que começou a atirar contra os policiais. O soldado Magalhães foi atingido na perna. Um dos bandidos também foi baleado e não resistiu aos ferimentos. Um motorista que saía do carro no momento do tiroteio foi atingido por uma bala perdida no braço.

18 de Junho: 1 PC baleado
O policial civil Eduardo Pereira Loyola, 31 anos, foi atingido nas costas por um disparo acidental em Copacabana, na Zona Sul do Rio. O tiro foi disparado acidentalmente pelo agente penitenciário Constantino Silva Apolliti, 29, que foi indiciado por lesão corporal culposa. O policial foi socorrido no Hospital Copa D’Or.

19 de Junho: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), Marcos Paulo Brandão foi baleado no ombro após reagir a um assalto, em Senador Camará, na Zona Oeste do Rio. Ele passava pela Rua Ernesto Fonseca, quando foi abordado por dois bandidos. Mesmo ferido, o PM ainda conseguiu atirar em um dos criminosos, identificado como Sílvio de Camargo. O comparsa dele conseguiu fugir. O policial e o bandido foram levados para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo. O assaltante não resistiu aos ferimentos.

21 de Junho: 1 PM morto
Lotado no 6º BPM (Tijuca), o cabo Laerte Bernardo dos Santos foi morto ao reagir a uma tentativa de assalto na Rua Desembargador Isidro, na Tijuca, na Zona Norte do Rio. O PM estava em seu carro, um Golf, quando foi abordado pelos criminosos. Ele levou três tiros, que atingiram a cabeça, o pescoço e o peito, e acabou morrendo no local.

23 de Junho: 1 PC morto
Lotado na Divisão de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), o policial civil Jorge Cristovão Santos Rodrigues, 49 anos, foi executado com seis tiros nas costas quando saía de casa, em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. Ele foi baleado pouco depois de manobrar o carro da mulher na garagem da residência. Em seguida, o policial iria pegar o seu carro para ir ao trabalho. O caso está sendo investigado pela Divisão de Homicídios. Segundo testemunhas, a vítima foi abordada por integrantes de um Fiesta preto, que tinha os vidros filmados. Os bandidos fugiram levando a arma do policial.

24 de Junho: 1 PM morto
O cabo reformado da Polícia Militar Isaías Barcelos, 63 anos, foi morto com um tiro no peito ao se atracar com um assaltante na porta do supermercado Mundial, na Rua Santo Cristo, na Zona Portuária do Rio. Trabalhando como segurança do estabelecimento, o policial aposentado foi abordado pelo criminoso e reagiu. Ele foi baleado e o criminoso fugiu em uma moto que o esperava do lado de fora. O PM ainda foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, mas não resistiu. Uma bala perdida atingiu uma das pernas de um dos clientes, identificado como Nilton Rodrigues, 60, que foi levado para o mesmo hospital.

28 de Junho: 1 PM morto
Lotado no 13º BPM (Praça Tiradentes), o soldado Gustavo Rodrigues da Silveira, 28 anos, morreu após ser atingido por oito tiros de pistola, em frente a um bar na esquina das ruas Mem de Sá e Inválidos, na Lapa, na região central do Rio. De acordo com testemunhas, um homem que ocupava a garupa de uma moto, de placa não anotada, fez os disparos em direção ao PM, que estava de folga. Outros três policiais do mesmo batalhão faziam companhia a Gustavo, mas correram e conseguiram fugir. Atingido na costas e peito, o soldado ainda tentou fugir e chegou a percorrer uma distância de aproximadamente 30 metros. Ainda segundo testemunhas, o criminoso esperou o policial cair, em frente ao número 134 da Rua Mem de Sá, para descarregar a pistola calibre nove milímetros. No momento do crime, havia centenas de pessoas nos bares, comemorando a viória da Seleção Brasileira contra a Seleção do Chile pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo da África do Sul. O PM chegou a ser socorrido por seus colegas e foi levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, mas não resistiu. Os bandidos fugiram em direção à Rua André Cavalcante, um dos acessos ao bairro Santa Teresa. A Polícia investiga as hipóteses de execução e vingança, já que os recrutas faziam o patrulhamento ostensivo naquela região.

29 de Junho: 1 PM morto
Lotado no Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe), o sargento Carlos Alberto Malaquias, 42 anos, foi esfaqueado e morreu, após tentar prender um homem acusado de molestar uma menina de 13 anos, no Largo dos Peixes, em Austin, na Baixada Fluminense. Morador de Queimados, também na Baixada, o PM estava de folga e participava de um churrasco na casa de um amigo quando foi ao local para checar a denúncia de abuso sexual. O sargento foi esfaqueado ao dar voz de prisão ao acusado e morreu no Hospital Geral de Nova Iguaçu, mais conhecido como Hospital da Posse, no bairro de mesmo nome, em Nova Iguaçu. O assassino conseguiu fugir.

4 de Julho: 1 PM baleado
Lotado no 22º BPM (Benfica), o sargento João Ricardo da Silva, 36 anos, foi baleado durante confronto com traficantes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas na Favela Mandela, no Complexo de Manguinhos, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Os bandidos estavam em vários veículos e abriram fogo contra PMs que faziam patrulhamento pela Avenida Leopoldo Bulhões.

5 de Julho: 1 PM baleado
Lotado no 3º BPM (Méier), o cabo Alexandre Magno Noronha Guedes Rodrigues do Prado foi baleado no braço ao tentar abordar suspeitos que estavam no interior de um veículo, na Rua Castro Lopes, em Inhaúma, na Zona Norte do Rio.

6 de Julho: 2 PCs baleados
Lotados na Delegacia de Repressão às Armas e Explosivos (DRAE), os inspetores Márcio Salvado Romão e Mendel Naschpitz foram baleados durante confronto com criminosos da facção Amigos dos Amigos (ADA) que controlam o tráfico de drogas na Favela da Quitanda, no Complexo da Pedreira, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio. Os policiais realizavam operação para verificar denúncia sobre a existência de um depósito de armas na favela e foram recebidos a tiros pelos traficantes. Enquanto Romão foi atingido duas vezes, uma no ombro e outra na canela, Mendel foi baleado na perna. Os dois foram socorridos e levados para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes. Dois menores foram apreendidos com armas. O depósito não foi localizado.

6 de Julho: 1 PM baleado
Lotado no 16º BPM (Olaria), o major Marcelo Brazil durante confronto com criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlam o tráfico de drogas na Favela Vila Cruzeiro, no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. Além dele, o cabo Sizenildo Carlos da Silva, o cabo Márcio Dorbação e o sargento Daniel Pinheiro ficaram feridos durante a explosão de uma granada lançada pelos traficantes. O cabo Sizenildo foi atingido no abdômen e na cabeça, o cabo Dorbação sofreu fratura exposta do braço esquerdo e o sargento Pinheiro ficou ferido no pescoço.

9 de Julho: 1 PC morto
Lotado no Setor de Pessoal em Situações Diversas (SPSD), na Chefia de Polícia Civil, o inspetor João Vicente Sá Freire Dantas de Oliveira, 27 anos, foi surpreendido por três homens e assassinado a tiros em um quiosque na Praia da Bica, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio. Na Polícia Civil desde os 18 anos de idade, o policial tinha saído de um pagode com amigos no Esporte Clube Guanabara e parou no quiosque para lanchar. Por volta das 5h, três homens chegaram ao local, que estava cheio, e pediram que todos ficassem calmos e saíssem andando. Eles efetuaram 15 disparos na direção do inspetor, que foi atingido por cerca de sete tiros. Em maio de 2007, ele matou com dois tiros o americano Joseph Ernest Martin, 30, após discussão na Lapa. O americano, natural de Boston, foi atingido na barriga e na perna. Ele morava no há dois meses Brasil e trabalhava como professor de inglês. Em março deste ano, o I Tribunal do Júri da capital do Rio de Janeiro absolveu o policial. Em setembro de 2006, ele foi indiciado na 37ª DP (Ilha do Governador) por resistência à prisão, desacato, lesão corporal, ameaça, porte ilegal de arma e por dirigir alcoolizado. Condenado a cumprir pena privativa de liberdade de 4 anos e 6 meses de reclusão e 15 dias-multa, no regime semi-aberto, por porte ilegal de arma de uso restrito, ele atualmente realizava serviços burocrático. Em julho de 2007 – dois meses após matar o americano – o inspetor foi indiciado na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) por lesão corporal, ameaça e cárcere privado. Ele ainda aguardava julgamento. No dia 15 de fevereiro deste ano, ele foi denunciado por Paola Alves de Souza Milward por ameaça, depois de ter dito a ela: “vou te entupir de tiros”. O registro foi feito na 20ª DP (Vila Isabel).

João Vicente Sá Freire Dantas de Oliveira, 27 anos

11 de Julho: 1 PC morto
Lotado na 35ª DP (Campo Grande), o inspetor Evanir Joaquim Lessa, 45 anos, foi encontrado morto no interior de seu veículo – o Citroen Picasso placa DLC 4197 – na Rua Nova Vida, próximo à Favela do Barbante, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. De acordo com a Polícia, Lessa estava de serviço, saiu da delegacia para jantar e não voltou. Ele tinha seis marcas de tiros no rosto. Ao lado do veículo, peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) arrecadaram munições de pistola nove milímetros. As investigações estão sob responsabilidade de equipes da Divisão de Homicídios (DH).

18 de Julho: 1 PM morto
Lotado no Departamento Geral de Pessoal do Quartel-General da PM, o cabo Claudecir Paranhos Itaboraí morreu após ser baleado dentro do alojamento do Posto Fiscal de Nhangapi, no km 324 da Rodovia Presidente Dutra, em Itatiaia, na Região Serrana do Rio. O policial, que estava cedido à Secretaria de Governo de Estado para a Operação Barreira Fiscal – que visa coibir a sonegação de impostos – foi atingido pelo colega de farda, o sargento José Alberto dos Santos Rocha. Natural de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio, o cabo Itaboraí ainda foi socorrido e levado ao Hospital de Emergência de Itatiaia, mas não resistiu aos ferimentos. O disparo teria sido acidental. O sargento estava deitado na parte superior de um beliche e o tiro aconteceu no momento em que ele se levantou para pegar o cinto com o coldre. O revólver calibre 38 dele teria caído no chão e disparado. O cabo Itaboraí estava sentado na cama, calçando o coturno, quando foi atingido. O sargento está acautelado no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio. Conforme a junta médica, ele não tem condições psicológicas para ficar preso no Batalhão Especial Prisional (Bepe), em Benfica, na Zona Norte do Rio.

Evanir Joaquim Lessa, 45 anos

19 de Julho: 1 PM morto
Lotado no 3º BPM (Méier), o tenente Edson Oliveira Silva, 48 anos, morreu no Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, para onde foi levado após ter sido baleado diversas vezes na Rua Pinto Teles, na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio. O PM estava no interior de seu veículo – a caminhonete Tucson preta – acompanhado por Aglaise Juliana Nascimento Santos, 21, que também foi atingida e também não resistiu aos ferimentos. O casal voltava de uma festa. De acordo com a Polícia, havia 21 marcas de tiros na Tucson.

21 de Julho: 1 PM morto
Lotado no 4º BPM (São Cristóvão), o sargento Isaías Alves Santana, 45 anos, morreu após ser baleado pelo também sargento Alexandre de Cunha Araújo, 39, que trabalhava na mesma unidade. Os dois iniciaram uma discussão na tesouraria no batalhão, por volta das 14h. O sargento Isaías ainda foi levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio, mas não resistiu aos ferimentos. O sargento que fez os disparos fugiu do batalhão abordando um carro particular no meio da rua. Ainda abalado, seguiu para o prédio do Departamento de Trânsito (Detran) na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, onde pretendia se entregar à Corregedoria Geral Unificada (CGU). Os oficiais do 4º BPM o detiveram ainda na entrada do prédio e o levaram para exames psiquiátricos no HCPM.

22 de Julho: 1 PM morto
Lotado no 16º BPM (Olaria), o soldado Alan de Moura Barbosa, 32 anos, morreu após trocar tiros com assaltantes na Estrada do Porto Velho, em Cordovil, na Zona Norte do Rio. O PM seguia para o batalhão quando se deparou com um bonde que havia realizado um sequestro relâmpago em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Os bandidos, que estavam em um Gol, roubaram uma BMW e uma moto. Em Cordovil, eles tentaram assaltar o soldado, que estava em um Audi. Ele reagiu ao assalto. Uma outra pessoa ficou ferida. Na ação, os ladrões ainda roubaram uma Tucson.

27 de Julho: 1 PM morto
Cedido à Secretaria de Governo de Estado para a Operação Lei Seca, o tenente Mauro Alexandre de Santana Bezerra morreu ao reagir à tentativa de assalto na porta de casa, na Rua Tenente José Nilson Silva, no bairro Parque Lagunas e Dourados, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

02 de Agosto: 1 PM morto
Lotado no 21º BPM (São João de Meiriti), o cabo Leandro de Freitas Pereira, 35 anos, morreu após ser baleado, em Saracuruna, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. O PM havia acabado de sair do estacionamento de uma loja de material de construção, na Rua Presidente Franklin Roosevelt, em seu Corsa. Após ser atingido, ele perdeu o controle da direção do seu veículo e bateu em um Fiat Uno onde estavam um aposentado e seu filho. Os dois disseram que ouviram apenas o barulho da batida e quando se aproximaram para cobrar pelo conserto, viram que o PM estava ferido. Ele morreu no local.

02 de Agosto: 1 PM baleado
Lotado no 14º BPM (Bangu), o sargento Mário Luiz Ferraro Oliveira foi baleado durante perseguição e troca de tiros com criminosos na Estrada Rio do Pau, na altura do Village Pavuna, na Pavuna, na Zona Norte do Rio. Ele trabalhava no Patrulhamento Tático Móvel (Patamo) da unidade e passava pela Rua Coronel Moreira César com os colegas de viatura quando desconfiaram de um carro com quatro homens. Quando tentaram realizar a abordagem, os PMs foram recebidos a tiros. Atingido no pescoço, o sargento foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, sendo posteriormente transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio. O policial não corre o risco de morrer e os criminosos conseguiram fugir.

6 de Agosto: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o sargento José Ricardo Arduin Valente, 34 anos, morreu após reagir a uma tentativa de assalto em uma farmácia, na Rua Zeferino Reis, no Mutuá, em São Gonçalo. O PM servia no posto de Iguaba, na Região dos Lagos, e estava no interior do estabelecimento quando um criminoso anunciou o assalto. Ele reagiu e acabou baleado quatro vezes – na cabeça, no pescoço, no tórax e em um dos braços. Socorrido e levado para o Pronto Socorro de São Gonçalo (PSSG), no Zé Garoto, ele foi submetido a uma cirurgia que durou cerca de três horas, mas não resistiu aos ferimentos.

8 de Agosto: 2 PMs baleados
Lotados no 3º BPM (Méier), dois policiais foram baleados durante confronto com traficantes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas na Favela do Jacarezinho, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Um dos PMs foi atingido nas costas, mas foi protegido pelo colete à prova de balas, e outro em uma das pernas. Os nomes deles não foram divulgados.

10 de Agosto: 1 PC morto
Lotado na 82ª DP (Maricá), o inspetor Nilson Luiz Rodrigues da Cunha Filho, 46 anos, foi morto com cerca de dez tiros na Rua Francisco José da Silva, no Colubandê, em São Gonçalo, ao se deparar com um bonde de assaltantes do Morro da Chumbada, no bairro Galo Branco, no mesmo município. O policial havia acabado de sair do ferro-velho de um amigo quando foi rendido por cinco homens quando se preparava para entrar em seu carro – um Palio. Ao ter sua identidade descoberta, foi executado. Os bandidos fugiram levando a arma e os documentos do policial.

10 de Agosto: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o cabo Robson Albuquerque foi baleado na barriga durante troca de tiros com criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas no Morro do Turano, na Tijuca, na Zona Norte do Rio. O tiroteio ocorreu durante ocupação da comunidade, que receberá a 12ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Estado.

21 de Agosto: 4 PMs baleados
Lotados no 23º BPM (Leblon), os cabos Renato Monteiro Cunha, 32 anos, e Washington Rodrigues da Silva, 29, e os sargentos José Paiva Raminho de Mello e Genilson Gonçalves foram baleados durante confronto com traficantes da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA) que controlam a venda de drogas na Favela da Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio. Os três primeiros – atingidos, respectivamente, no braço, na mão e no joelho, foram levados para o Hospital Municipal Miguel Couto. Já o sargento Genilson, baleado na mão, foi socorrido ao Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste. Os PMs realizavam patrulhamento de rotina quando se depararam com um bonde que havia saído de uma festa no Morro do Vidigal, também em São Conrado, e seguia para a Rocinha. O tiroteio ocorreu no asfalto, em plena luz do dia, e, na fuga, um grupo de bandidos chegou a invadir o Hotel InterContinental e fazer 35 pessoas – entre hóspedes e funcionários – reféns. Cinco horas depois, 11 criminosos foram presos e 13 armas foram apreendidas – sendo oito fuzis e cinco pistolas – além de três granadas. O mecânico Juarez Barbosa foi vítima de bala perdida no braço. Uma mulher, identificada como Adriana Duarte Oliveira dos Santos, também acabou baleada e morreu. De acordo com a Polícia, ela era responsável pelo transporte da droga e tinha mandado de prisão expedido pela Justiça por associação com o tráfico de drogas.

9 de Setembro: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o cabo Wellington Mendonça de Mattos, 32 anos, foi baleado durante confronto entre criminosos e policiais do 7º BPM (São Gonçalo) e do 12º BPM (Niterói) no sentido Rio da Ponte Rio-Niterói. Ele estava de folga e em um carro descaracterizado, na altura da praça do pedágio, quando foi atingido. O PM teria tentado ajudar na perseguição aos bandidos, que haviam roubado o Fiat Punto do sargento do Corpo de Bombeiros Fábio Freitas Almeida, 36, na Água Mineral, em São Gonçalo, momentos antes, e fugiam em direção ao Parque Alegria, no Complexo do Caju, na Zona Portuária do Rio. A perseguição teve início em Neves. Os criminosos conseguiram fugir.

9 de Setembro: 1 PC morto
O policial civil aposentado Alexandre Pinto de Oliveira Neto, 52 anos, foi baleado e sequestrado por bandidos, em Sepetiba, na Zona Oeste do Rio. O crime aconteceu na Praça Oscar Rossini, onde ele teria se envolvido em uma briga com dois homens no bar de sua propriedade. A dupla chegou a ir embora, mas voltou, minutos depois, acompanhada por mais dois comparsas em um Vectra branco e dispararam várias vezes contra a o policial, que foi atingido no peito e na cabeça. Em seguida, os bandidos arrastaram Alexandre, que ainda estava vivo, e o jogaram na mala do carro, saindo em disparada.

11 de Setembro: 1 PM morto
O sargento reformado da Polícia Militar, Luiz Cláudio Pereira Barci, 45 anos, morreu após ser baleado no bairro Tribobó, em São Gonçalo. O PM estava em um bar de sua propriedade, na Rua Dalva Raposo, quando suspeitos armados invadiram o estabelecimento e feito disparos contra ele. A vítima chegou a ser socorrida e levada para o Hospital Estadual Alberto Torres, no Colubandê, mas não resistiu.

13 de Setembro: 1 PM baleado
Um tenente lotado no 15º BPM (Duque de Caxias) foi baleado durante confronto na Rua Doutor Arruda Negreiros, na Favela da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. As informações foram confirmadas pelo 15º BPM (Duque de Caxias). Os PMs realizavam operação para tentar tirar um carro roubado que servia como barricada para impedir a passagem deles para o interior da favela, quando criminosos dispararam contra uma viatura. Um dos tiros atingiu uma parede e os estilhaços pegaram no braço e no olho do oficial.

14 de Setembro: 1 PM morto
Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Ladeira dos Tabajaras, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, o soldado Márcio Henrique Garcia Castor de Freitas Teixeira, 22 anos, morreu ao ser baleado por colegas de farda. À paisana, o PM tinha acabado de prender uma mulher que estava praticando roubos no bairro Braga, próximo à Praia do Forte, em Cabo Frio, na Região dos Lagos. Policiais do 25º BPM (Cabo Frio) chamados para atender a uma ocorrência de assalto na região flagraram o PM no momento em que ele imobilizava a assaltante e efetuaram diversos disparos contra ele. O policial – que estava na corporação há um ano – morreu no local.

15 de Setembro: 1 PM morto e 1 PM baleado
Lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), o cabo Welber Inácio da Cruz, 38 anos, morreu após ser baleado durante confronto com traficantes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas na Favela da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Cinco bandidos também morreram na troca de tiros. Entre eles, o chefe do tráfico de drogas no local, conhecido como Sombra. Um outro PM foi ferido no rosto. Em um imóvel, os policiais apreenderam três fuzis 762, três pistolas, uma granada, crack e cocaína, além de munição.

sargento Leopoldo das Neves Nascimento, 43 anos

17 de Setembro: 1 PM morto e 1 PM baleado
Lotados no 18º BPM (Jacarepaguá), o sargento Leopoldo das Neves Nascimento, 43 anos, e o cabo Francis Pereira Mendonça, 32, estavam em uma padaria na Rua Geremário Dantas, no Largo do Tanque, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, quando foram atacados por homens que passaram em um Sedan preta efetuaram diversos disparos. O cabo Mendonça – que foi atingido por um tiro de raspão na cabeça e estilhaços no peito – ainda conseguiu sacar sua pistola, mas o sargento sequer teve tempo de reagir, morrendo no local. Um cliente, identificado como Moacyr Queiroz Batista, 50, e dois funcionários do estabelecimento – a caixa Bárbara dos Santos Sampaio, 35, e o balconista Antônio Marcos Lima Coelho, 22 – também foram baleados. Todos os feridos foram levados para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca.

inspetor Jorge André de Oliveira Costa, 34 anos

17 de Setembro: 1 PC morto
Lotado na Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, o inspetor Jorge André Oliveira Costa, 34 anos, estava em um bar na esquina das ruas Constância Barbosa e Ana Barbosa, no Méier, na Zona Norte do Rio, quando foi surpreendido por dois homens em uma moto. O policial era sócio do estabelecimento comercial. Após ser baleado, ele ainda foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, mas não resistiu.

20 de Setembro: 1 PM morto
Lotado no 22º BPM (Benfica), o cabo André Luís Macedo, 30 anos, foi baleado durante confronto com quatro homens armados que estavam em um Crossfox trafegando pela Avenida dos Democráticos, próximo à Linha Amarela, na altura de Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Os criminosos conseguiram fugir pulando os muros de várias casas na Rua Marechal Foch. No interior do automóvel, os PMs apreenderam 20kg de maconha e 2.100 pedras de crack. O policial, atingido no abdômen, foi socorrido e levado para o Hospital Geral de Bonsucesso. Ele acabou falecendo no dia 1º de outubro.

sargento Elmo dos Santos Martins, 47 anos

24 de Setembro: 1 PM morto
Lotado no 12º BPM (Niterói), o sargento Elmo dos Santos Martins, 47 anos, morreu após ser baleado na Estrada Caetano Monteiro, próximo ao Campo do Cruzeiro, no bairro Badu, na Região de Pendotiba, em Niterói. Ele estava no interior no Vectra prata, placa GXT 9092, acompanhado por Giovenice de Morais, 25, também foi baleada e internada no Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, na Zona Norte de Niterói. O PM ainda chegou a ser socorrido e levado para a Unidade Municipal de Urgência Mário Monteiro, no Cafubá, na Região Oceânica, mas não resistiu. Na corporação há 25 anos, ele trabalhava no 12º BPM desde 1994 captando medicamentos que eram doados para PMs e familiares. O sargento Martins deixou mulher e uma filha de 12 anos.

28 de Setembro: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), o soldado Eduardo Teixeira da Silva, 29 anos, foi baleado ao trocar tiros com um comerciante, na Rua Tessália, na Vila da Penha, na Zona Norte do Rio. O PM estaria mijando em um poste em frente a um bar quando o proprietário do estabelecimento José da Silva, 49, reclamou. Os dois iniciaram uma discussão e o comerciante, que também estava armado, com um revólver 38, reagiu quando o policial sacou sua pistola calibre 380. Os dois foram baleados. O comerciante não resistiu.

29 de Setembro: 1 PM morto
Lotado no 17º BPM (Ilha do Governador), o soldado Luiz Henrique Neves dos Santos, 27 anos, morreu ao tentar evitar um assalto na rua Francisco Góes, no bairro Jardim Guanabara, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio. Atingido por quatro tiros, ele ainda foi socorrido e levado para o Hospital da Aeronáutica, mas não resistiu aos ferimentos.

30 de Setembro: 1 PM morto
Lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), o sargento Jorge Vieira, 44 anos, saía de serviço quando foi surpreendido por homens armados, na Rua Tacaratu, em Rocha Miranda, na Zona Norte do Rio. Ele ainda foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, mas não resistiu.

Soldado PM Rodrigo Luiz dos Santos, 28 anos

1º de Outubro: 1 PM morto
Lotado no Quartel-General (QG) da corporação e integrante da equipe de segurança dos filhos do comandante geral da PMERJ, o soldado Rodrigo Luiz dos Santos, 28 anos, morreu ao reagir a tentativa de assalto no bairro Mutondo, em São Gonçalo. Ele chegou a trocar tiros com os criminosos, que também morreram. Identificados como Renato carlos Lima dos Santos e Júlio César Luís Domingos Júnior, ambos de 22 anos, eles já tinham passagem pela Polícia, respectivamente por tráfico e assalto a mão armada.

2 de Outubro: 1 PM morto
Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro do Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, o soldado Gilberto Lima Barbosa, 30 anos, foi morto a tiros na Rua Bela Vista, no bairro Vila Paulina, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Ao lado do corpo, um veículo estava parado, com marcas de sangue. O PM estava há um ano na corporação.

2 de Outubro: 2 PMs mortos
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o soldado Luiz Fernando da Silva Coelho, e o sargento Wilson Luiz da Silva, que era reformado, mas trabalhava no monitoramento de câmeras de segurança da Sala de Operações do 15º BPM (Duque de Caxias), morreram após serem baleados na Rua 31 de Março, no bairro Parque Paulista, em Duque da Caxias, na Baixada Fluminense. Os dois PMs estavam de moto e foram mortos por homens que estavam em um Fiat Idea que conseguiram fugir após realizar os disparos. Enquanto Coelho morreu no local, Wilson chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, mas não resistiu.

5 de Outubro: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), o cabo Márcio Sá Campos foi baleado ao reagir a uma tentativa de assalto na Estrada do Coelho, no bairro de mesmo nome, em São Gonçalo. O PM chegava em casa quando foi abordado pelos criminosos, que conseguiram fugir. O cabo foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Alberto Torres – mais conhecido como Hospital Geral de São Gonçalo – no bairro Colubandê.

6 de Outubro: 1 PM morto
Lotado no 4º BPM (São Cristóvão), o soldado Rodolfo de Souza, 31 anos, cometeu suicídio após atirar diversas vezes contra a mulher, Érica Braga, 30. O crime ocorreu na residência do casal, na Rua Jaime de Carvalho, em Realengo, na Zona Oeste do Rio. Vizinhos contaram que ouviram uma forte discussão antes do barulho dos tiros.

9 de Outubro: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv), o sargento Marcelo Domingos da Silva, 40 anos, morreu após ser baleado quatro vezes, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. O crime ocorreu na esquina da Rua Camarugi com a Avenida Paulo Afonso, na localidade de São Geraldo. Segundo a Polícia, o sargento estava de folga e pode ter tentando reagir a um assalto. O PM ainda foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Rocha Faria, também em Campo Grande, mas não resistiu aos ferimentos.

10 de Outubro: 1 PM baleado
Lotado no 3º BPM (Méier), o soldado Pinheiro foi baleado de raspão na cabeça por ocupantes de um Astra prata, no bairro Lins de Vasconcelos, na Zona Norte do Rio. Ele e um outro PM realizavam patrulhamento de rotina quando suspeitaram do veículo na Rua Verna Magalhães. Houve perseguição e os bandidos fizeram disparos contra a viatura. O policial ferido foi levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, também no Méier. Os bandidos conseguiram fugir.

12 de Outubro: 1 PM morto
Sargento reformado da Polícia Militar, Ivan Ceará Abraão, 62 anos, morreu após ser baleado em um posto de combustíveis na Rodovia Presidente Dutra, na altura do bairro Jardim América, na Zona Norte do Rio. Testemunhas contaram que o PM foi abordado por homens armados quando abastecia seu carro, na pista sentido São Paulo. Ele chegou a trocar tiros com os criminosos, que fugiram sem levar nada.

13 de Outubro: 1 PM baleado
Lotado no 20º BPM (Mesquita), o soldado Anderson Augusto do Nascimento Barcelos, 20 anos, foi baleado durante uma tentativa de assalto na Estrada Rio do Pau, em Anchieta, na Zona Norte do Rio. Ele tentou impedir que bandidos levassem seu carro e acabou atingido na barriga por um tiro. O PM foi levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, na Zona Oeste, onde está internado.

15 de Outubro: 1 PM morto
Lotado no 19º BPM (Copacabana), o soldado Rafael Aguilar de Oliveira morreu ao reagir a uma tentativa de assalto, na Rua Francisco Enes, na Penha, na Zona Norte do Rio. Ele estava no carro com a mãe quando foi abordado por dois criminosos. Ao reagir, o PM foi baleado por outros dois bandidos que davam cobertura aos comparsas. O soldado chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, também na Penha, mas não resistiu aos ferimentos.

18 de Outubro: 1 PM baleado
O cabo reformado da Polícia Militar Amaral, 46 anos, foi baleado durante uma tentativa de assalto, em Barros Filhos, na Zona Norte do Rio. Ele passava pela Rua das Flores, quando se deparou com três homens armados que pretendiam cometer assaltos na região. O PM reagiu à ação dos criminosos, iniciando um confronto. Um dos bandidos foi baleado e morreu no local. O policial foi atingido no ombro e levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier.

20 de Outubro: 1 PM morto
Lotado no 34º BPM (Magé), o cabo Marco Aurélio Andrade de Lima, 38 anos, morreu após ser baleado durante tentativa de assalto, no bairro Olavo Bilac, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ele chegou a reagir e trocar tiros com os criminosos, mas foi atingido nas costas. O PM chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Municipal Dr Moacyr Rodrigues do Carmo – também conhecido como Hospital Geral de Duque de Caxias -, no bairro Vila São Luiz, mas já chegou sem vida à unidade. De acordo com testemunhas, os criminosos fugiram em um Corsa Sedan prata. O velório ocorreu em Magé e o sepultamento no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap.

23 de Outubro: 1 PM morto e 1 PM baleado
Lotado no 6º BPM (Tijuca), o cabo Jorge Luís da Boa Morte morreu após ser atingido por tiros disparados por criminosos da facção Terceiro Comando Puro (TCP) que controlam a venda de drogas na favela de Acari, no bairro de mesmo nome, na Zona Norte do Rio. Ele estava acompanhado pelo cabo Eduardo Guimarães Monteiro, 27 anos, lotado no 15º BPM (Duque de Caxias) e por outros dois Diego Alves de Araújo, 23, e Adriano Carvalho de Araújo, 27. Os quatro estavam no Doblô preto placa KYZ 0535 e voltavam de uma casa de shows na Baixada Fluminense quando erraram o caminho e entraram na favela, na localidade de Linha Verde. Assim que começaram os tiros, Jorge Luís teria saído do veículo tentando reagir, mas acabou atingido no peito. Mesmo baleado, o outro PM consegui conduzir o carro até a Avenida Automóvel Clube, onde pediu socorro. Os sobreviventes foram socorridos e levados para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, também na Zona Norte.

29 de Outubro: 1 PM baleado
Lotado no 16º BPM (Olaria), o cabo Sérgio Henrique Brito foi baleado durante perseguição e confronto com criminosos que haviam acabado de roubar uma moto Kawasaki Ninja na Avenida Lobo Júnior, na Penha, na Zona Norte do Rio. Oito bandidos, que estavam em um Cross Fox e em um Siena, saíram da Favela Vila Cruzeiro, fecharam e renderam um motoqueiro no viaduto. Na fuga, eles invadiram uma casa na Favela da Kelsons e mantiveram um casal refém durante cerca de duas horas. Um deles foi baleado e morreu no Hospital Estadual Getúlio Vargas. Os outros foram identificados como: Leonardo Carlos da Silva, 32, Júlio Ricardo Chaves de São José, 41, e Ruan Felipe Santos Mota e Paulo Roberto Marinho Júnior, ambos de 20 anos. Todos os quatro possuíam anotações criminais e mandados de prisão pendentes. Os outros três foram identificados como Luciano Salabert da Silva, 18, Júlio César Simões de Souza, 29, e João William da Silva Pacheco, 24. Com eles, PMs apreenderam sete fuzis.

Soldado PM Marcel Pinto Almagra, 27 anos

30 de Outubro: 1 PM morto
Lotado no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap), o soldado Marcel Pinto Almagra, 27 anos, foi torturado e morto por integrantes da quadrilha do traficante Alexandre Bandeira de Melo, o Piolho, 38, da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA). Morador do Morro do Fubá, em Cascadura, na Zona Norte do Rio, ele teve a identidade descoberta durante uma tentativa de invasão à comunidade e foi torturado antes de ser executado. Outro morador, identificado como Sérgio Henrique Moraes Papastawrios, 35, que estava em um bar na Rua Lancastre, também foi morto. O dono do bar foi atingido no braço e teria perdido um dos polegares. Outras três pessoas, sem identificação, também ficaram feridas durante o intenso tiroteio provocado pelos traficantes. Um jovem, que estava na rua, foi baleado no ombro, e outras duas pessoas – mãe e filha – foram atingidas de raspão dentro de casa.

1º de Novembro: 1 PM morto
Lotado no 3º BPM (Méier), o soldado Fabrício Tavares de Oliveira foi morto com dois tiros na cabeça, em Irajá, na Zona Norte do Rio. O PM estava em um pagode.

3 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado no 9º BPM (Rocha Miranda), o cabo José Paulo dos Santos da Silva, 26 anos, foi baleado durante confronto com criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlam o tráfico de drogas no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio.

5 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado no 12º BPM (Niterói) e trabalhando no Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) da Engenhoca, o cabo Farias foi baleado durante confronto com criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas no Morro do Beltrão, em Santa Rosa, na Zona Sul de Niterói. O PM foi atingido no peito e na perna, na Travessa Particular Alda. Um menor acusado de tráfico também foi baleado no tiroteio. Os dois foram socorridos pelos próprios policiais que participavam da incursão e levados para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no Fonseca. Posteriormente, o cabo foi transferido para o Hospital da Polícia Militar, em Santa Rosa, na Zona Sul de Niterói, e o menor para o Pronto Socorro de São Gonçalo (PSSG), no Zé Garoto.

11 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o soldado Edson Lins Muniz, 33 anos, foi baleado no pé ao trocar tiros com dois assaltantes e impedir um assalto, em Irajá, na Zona Norte do Rio. Os criminosos, um identificado como José Alberto Martins de Oliveira, 18, e outro conhecido como Índio, seguiram Antônio José dos Reis, 56, que havia acabado de sacar R$ 4.800 em uma agência bancária. A dupla abordou a vítima, que estava acompanhada pela mulher e o filho, quando eles chegavam em casa, no Condomínio Parque Novo Irajá. O PM, que morava no mesmo endereço e estava de folga, percebeu a ação e trocou tiros com os bandidos. Os dois assaltantes foram atingidos e levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. Enquanto Índio não resistiu aos ferimentos, José Alberto foi conduzido à 38ª DP (Brás de Pina) após receber atendimento médico. O policial também recebeu alta no mesmo dia.

Soldado PM Edson Lins Muniz, 33 anos

14 de Novembro: 1 PM morto
Lotado no Grupamento Aeromarítimo (GAM), o cabo Fábio Martins de Souza, 31 anos, morreu após ser baleado ao tentar separar uma briga na saída da casa de shows Rio Sampa, às margens da Rodovia Via Dutra, na altura de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Amigo do PM, o funcionário da prefeitura de Belford Roxo Francinei Custódio de Medeiros, 27, que estava armado, se envolveu em uma confusão e sacou um revólver. Desarmado por um terceiro homem, acabou atingido na perna e no peito. Ao tentar tirar a arma do agressor, o PM acabou atingido sete vezes no peito. Os dois baleados foram socorridos e levados para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, na Posse, mas o policial não resistiu. O atirador, que seria lutador de Jiu-Jitsu e trabalha na Prefeitura de Mesquita, Marcos André Gomes Marinho, o Orelha, 30, se entregou horas após o crime. Morador de Mesquita, também na Baixada, ele telefonou para a PM e ficou aguardando uma viatura em frente à Igreja de Santo Antônio, na Penha, na Zona Norte do Rio. Ele entregou duas armas – um revólver calibre 38 e uma pistola 380 – e disse que a briga começou no interior da casa de shows, porque foi impedido pelo funcionário da Prefeitura de Belford Roxo de entrar no banheiro.

15 de Novembro: 2 PMs baleados
Lotados no 22º BPM (Benfica), o sargento Eliomar Ribeiro dos Santos Silva, 34 anos, e o cabo Antônio Augusto Valente Gradim, 30, foram baleados por criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlam o tráfico de drogas na Favela do Jacarezinho, em Bonsucesso, na Zona Norte do Rio. Os PMs estavam de serviço e voltavam de Benfica, onde tinham ido verificar denúncia de assalto, quando se depararam com um bonde que saía do Jacarezinho em direção à Favela de Manguinhos, controlada pela mesma facção criminosa. O tiroteio ocorreu na esquina das avenidas dos Democráticos e Dom Helder Câmara. No confronto, o sargento foi atingido na cabeça e o cabo foi baleado no braço direito. Um homem que passava pelo local acabou sendo atingido por uma bala perdida e morreu. Ele foi identificado como Jorge Antônio da Rosa, 41. Os PMs foram socorridos e levados para o Hospital Geral de Bonsucesso, no mesmo bairro, sendo posteriormente transferidos para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio.

17 de Novembro: 1 PM morto
Lotado no 13º BPM (Praça Tiradentes), o soldado Bruno Castro Ferreira, 29 anos, morreu após ser baleado durante perseguição a um assaltante, no Centro do Rio. O crime ocorreu na esquina nas avenidas Rio Branco e Sete de Setembro. Dois bandidos foram interceptados durante uma tentativa de assalto a um estabelecimento comercial no Largo da Carioca. Na perseguição, dois PMs trocaram tiros com os criminosos. Um dos suspeitos conseguiu fugir pela Rio Branco e, o segundo, ao ser abordado por policiais que vinham em uma viatura, agarrou-se a um pedestre. O soldado Bruno chegou a dar voz de prisão ao assaltante segundos antes de ser atingido. O outro assaltante foi preso, após ter sido atropelado por um táxi. Na corporação há cinco anos, o PM foi paraquedista das Forças Armadas e morava em Santa Cruz da Serra, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ele morreu na véspera do aniversário.

18 de Novembro: 1 PM morto
Lotado no 22º BPM (Benfica), o cabo Fábio Rodrigues Gonçalves morreu após trocar tiros com colegas de farda, na Ilha do Governador, na Zona Norte do Rio. Ele estava acompanhado pelo colega de viatura, o também cabo Fábio Andrade da Silva, e deveria estar realizando patrulhamento de rotina na área de responsabilidade de seu batalhão. Os dois deixaram a viatura na unidade e seguiram para a Ilha do Governador no carro particular de um deles. Ao chegarem no Moneró, o cabo Fábio Rodrigues saiu do automóvel e pegou um outro veículo, modelo Fox, que constava como roubado. Os PMs seguiam de volta ao 22º BPM, cada um em um carro, quando uma equipe do Grupamento de Ações Táticas (GAT) do 17º BPM (Ilha do Governador) tentaram fazer uma abordagem ao automóvel roubado. O PM tentou fugir pelas ruas do bairro e ainda trocou tiros com os policiais que o interceptaram. Ele acabou sendo baleado e não resistiu aos ferimentos. O cabo Fábio Andrade chegou ao local minutos depois, foi detido e encaminhado à 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (1ª DPJM). No total, nove PMs lotados no batalhão de Benfica ficarão 72 horas presos administrativamente. A corporação quer saber se houve facilitação no abandono de serviço.

20 de Novembro: 1 PM morto
Lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), o cabo André Luiz do Nascimento, 33 anos, foi assassinado quando passava de carro pela Rua Vitor Hugo, na Cidade dos Meninos, distrito de Pilar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Atingido no rosto, nas costas e no braço, ele ainda foi levado para o Hospital Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, mas não resistiu aos ferimentos.

22 de Novembro: 1 PM morto
Lotado no 14º BPM (Bangu), um sargento de 35 anos foi assassinado durante uma festa na casa da sogra, na Rua Djalma Corréis Vaz, no Parque Bela Vista, em Mangaratiba. A namorada dele, Kate Naiane da Conceição, 21, também morreu. O criminoso, que usava um capuz preto, efetuou vários disparos para o interior do imóvel após subir no muro. O PM levou dois tiros: um no ombro e um na barriga e morreu no hospital de Mangaratiba. A jovem tentou correr mas foi atingida nas costas e barriga e também não resistiu aos ferimentos.

23 de Novembro: 2 PMs mortos
Lotados no 25º BPM (Cabo Frio), os sargentos Sílvio Rui Vieira Lima e Wagner Lanceta Ramos estavam saindo de serviço, quando foram atacados a tiros, em Araruama, na Região dos Lagos. Os PMs foram surpreendidos por ocupantes de um carro que emparelharam com o veículo em que eles estavam, no momento em que passavam pela praia do Barbudo, na Lagoa de Araruama, às margens da RJ-106. O sargento que dirigia o automóvel perdeu a direção e bateu em um poste. Os dois policiais foram levados por bombeiros para a Unidade de Pronto atendimento de Araruama, mas não resistiram aos ferimentos.

24 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado no 16º BPM (Olaria), um policial militar foi baleado no braço direito durante confronto com traficantes no Morro da Fé, no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. Após ser atendido no Hospital Estadual Getúlio Vargas, também na Penha, o PM foi transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio.

25 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado no 16º BPM (Olaria), um policial foi baleado durante confronto com traficantes da facção Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas na Favela Vila Cruzeiro, no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. Atingido no braço esquerdo, o PM foi socorrido e levado para o Hospital Estadual Getúlio Vargas.

26 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado no 16º BPM (Olaria), um tenente foi baleado durante confronto com criminosos da facção Comando Vermelho (CV) que controlam o tráfico de drogas no Complexo do Alemão, na Penha, na Zona Norte do Rio. O tiroteio ocorreu na Favela Vila Cruzeiro. Na mesma ocorrência, um acusado foi preso. Os PMs apreenderam uma carabina calibre 38, um fuzil 7mm, uma pistola 9mm, dois fuzis AK 762, duas pistolas UZI, duas submetralhadoras Bereta, uma espingarda calibre 12, uma espada do Exército, um colete à prova de balas e três balanças de precisão, além de material de enfermagem (para curativos), 10 mil sacolés de cocaína, três fardas do Exército, 600kg de maconha e munições de diversos calibres.

28 de Novembro: 1 PM baleado
Lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, um policial militar foi baleado após ser surpreendido pelos ocupantes de uma moto, na localidade Rocinha 2. A dupla trafegava próximo a uma creche quando o carona sacou uma pistola e disparou contra o PM. O policial foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, também na Zona Oeste, e não corre risco de morrer. A dupla – que seria da Favela Para Pedro, no bairro Colégio, na Zona Norte do Rio – fugiu após efetuar o disparo.

1º de Dezembro: 1 PM morto
Sub-tenente reformado da Polícia Militar, Délcio Analias de Lima, 67 anos, foi morto a tiros de fuzil no Morro do Chá, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, onde morava. De acordo com a Polícia, ele seria o dono dos pontos de transporte alternativo na localidade e também controlaria a venda de botijões de gás. O crime ocorreu em frente ao depósito de gás. O filho dele, o ex-PM Sérgio Ricardo de Lima, chegou a ser levado para o Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, também na Zona Oeste do Rio, mas não resistiu. Ele deixou uma filha de 10 anos. Os dois eram investigados pela Corregedoria da PMERJ, juntamente com o também ex-PM Francisco César Silva de Oliveira, o Chico Bala, 41, por relações com a cooperativa de vans Cooperoeste, com atuação em Santa Cruz.

3 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no 27º BPM (Santa Cruz), o cabo Alves Chagas, 41 anos, foi baleado durante confronto com traficantes da facção criminosa Comando Vermelho (CV) que controlam a venda de drogas na Favela da Rola, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio. O PM foi atingido na perna durante incursão na localidade. Socorrido à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), ele foi encaminhado ao Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, também na Zona Oeste, e posteriormente transferido para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio. O tiro atingiu a veia femural do policial, que morreu três dias depois, na madrugada da segunda-feira, dia 6 de dezembro. Ele deixou uma filha de 10 anos.

Cabo PM Antônio José de Souza Martinez, 46 anos

10 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no 12º BPM (Niterói), o cabo Antônio José de Souza Martinez, 46 anos, foi assassinado ao reagir a uma saidinha de banco – quando a vítima é seguida e assaltada após efetuar saque em agência bancária ou caixa eletrônico. O crime ocorreu na esquina das ruas Salvatori e José da Silva Pessoa, no bairro Rocha, em São Gonçalo. O PM havia sacado R$ 3 mil em uma agência do Itaú e foi abordado pelos ocupantes de uma moto. Os disparos foram efetuados pelo garupa. Os criminosos fugiram levando o dinheiro e a arma do policial, que foi atingido por quatro disparos na cabeça e morreu no local.

11 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no 15º BPM (Duque de Caxias), o soldado William dos Santos, 24 anos, morreu após ser baleado durante uma tentativa de assalto na Praça Seca, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. O policial havia acabado de sair de serviço e tinha ido buscar a mulher, grávida de seis meses, para levá-la ao trabalho. Vários homens armados que estavam em uma Kombi se aproximaram para roubar o veículo do PM, mas ao notar que ele estava fardado, efetuaram diversos disparos. O soldado ainda foi socorrido e levado para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, na região central do Rio, mas não resistiu. Ele estava na corporação há apenas três meses.

15 de Dezembro: 1 PM baleado
Cedido ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, o cabo Cortes foi baleado ao reagir a uma tentativa de assalto em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Motorista de um desembargardor, ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), que mora na Rua Floresta Miranda, próximo à 52ª DP (Nova Iguaçu), o PM estava em um Honda quando foi abordado por criminosos em um Vectra prata. O policial foi socorrido e levado para a Clínica Nossa Senhora de Fátima, também em Nova Iguaçu, onde foi internado em estado grave.

16 de Dezembro: 1 PRF baleado
Lotado na 6ª Delegacia de Polícia Rodoviária Federal (Barra do Piraí), o agente Cláudio Rodrigues Pereira, 36 anos, foi baleado ao reagir a uma tentativa de assalto no bairro Paiol, em Nilópolis, na Baixada Fluminense. O policial estava na Rua Antônio Pereira quando foi abordado por dois homens que tentaram roubar seu carro. O agente da PRF reagiu e houve tiroteio. Além dele, outras duas pessoas foram atingidas por balas perdidas: o motorista de ônibus Aloísio da Silva Barbosa, 65, e o passageiro Genildo Barbosa França, 53, que levou um tiro no pescoço que atingiu a cervical. O policial e o passageiro foram transferidos para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, na Zona Norte do Rio, onde respiram com ajuda de aparelhos.

18 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no 8º BPM (Campos), o cabo Hermenício Madeira da Silva, 36 anos, morreu após ser baleado no bairro Parque Presidente Vargas, em Campos, no Norte Fluminense. O PM estava acompanhado por Adriano de Assis Manhães da Glória, o Falcão, 35, em seu Fiesta preto, placa MQI 5377. Os dois estavam na Rua Antônio de Castro e conversavam com Jamila de Souza da Silva, 20, que estava fora do veículo, quando ocupantes de um automóvel vermelho – de marca e placa não anotadas – passaram atirando. Os três foram atingidos. O PM e Falcão morreram no Hospital Ferreira Machado, onde Jamila foi internada. Ela não corre risco de morte. O pedestre Luís Paulo Coelho, que passava no local no momento e foi vítima de bala perdida, foi socorrido e levado para a mesma unidade de saúde.

19 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no 32º BPM (Macaé), o tenente Bruno de Oliveira, 28 anos, morreu após ser baleado durante perseguição a assaltantes, no bairro Mar do Norte, em Rio das Ostras, na Região dos Lagos. O PM, que estava na corporação há nove anos e era lotado no batalhão de Macaé desde 2008, foi atingido na cabeça no momento em que se preparava para abordar dupla que havia assaltado uma van. Os criminosos roubaram um fuzil e a pistola do oficial e fugiram em uma moto.

26 de Dezembro: 1 PM baleado
Lotado no 38º BPM (Três Rios), o cabo Richard Carlos Durães, 30 anos, foi baleado em um dos acessos ao Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio. Ele estava no interior de seu veículo – um Astra prata – acompanhado por uma mulher, que também foi atingida. Baleado na mão e nas pernas, o PM ainda conseguiu dirigir até uma cabine do 3º BPM (Méier), na Avenida Dom Hélder Câmara, em Del Castilho. A mulher, identificada como Alexandra Tavares Coimbra dos Santos, foi baleada na cabeça e morreu na hora. O policial foi socorrido e levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier.

28 de Dezembro: 1 PM baleado
Lotado no 13º BPM (Praça Tiradentes), o cabo Miguel Ricardo Berto Carvalho foi baleado ao reagir a um assalto, em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio. Ele chegava em casa quando foi rendido pelos criminosos e acabou atingido na barriga. O PM foi levado para o Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo.

29 de Dezembro: 1 PC baleada
Uma policial civil que não teve o nome nem a lotação divulgados foi baleada no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Ela dirigia seu veículo quando teria sido abordada por assaltantes. Na tentativa de acelerar o carro para fugir, acabou atingida por disparos efetuados pelos bandidos. Ela foi socorrida e levada para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca.

31 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no 18º BPM (Jacarepaguá), Fábio Luís Guimarães morreu após reagir a um assalto em Brás de Pina, na Zona Norte do Rio. Ele foi baleado na cabeça ao tentar impedir que um ladrão levasse a sua moto, na Rua Oscar Clark.

31 de Dezembro: 1 PM morto
Lotado no Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o cabo Alessandro Costa Lopes do Nascimento, 32 anos, foi morto no Conjunto Santa Maria, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Ele estava acompanhado pelo primo, Leonardo Lopes da Silva, 37, próximo a um bar, quando foi surpreendido pelos ocupantes de um carro não identificado que desceram efetuando disparos contra a dupla. Os dois morreram no local.

Relembre:

Estatística de policiais mortos e baleados no Estado do Rio em 2009

comentários
  1. [...] This post was mentioned on Twitter by Roberta Trindade, Roberta Trindade. Roberta Trindade said: Está aberta a estatística. Na primeira semana do ano, já há dois PMs baleados: http://wp.me/P4i7R-10H [...]

    • celio costa monteiro disse:

      muitos policias qui morreram em serviços coisas da vida policial hogi em dia estar pronto para tudo uma profissão muito perigosa os bandidos cada vez mais aparelhados so não mataram mais policias porq os bandidos com o boder de fogo qui elis tem eles não tem as preticas di usar as armas pesadas si tivessi a coisa estava feia para policia mau preparada qui e do brasil

  2. [...] Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010 [...]

  3. Eanquanto a política de segurança de Cabral for voltada para o Marketing político, policiais continuarão a pagar com sangue o alto preço de sua vaidade.

  4. Tatiana disse:

    Isso é um absurdo o que está acontecendo,estou indignada com esses casos,especialmente com o caso do policial civil Alfredo dos Santos pois ele era meu amigo um cara super gente boa,que trabalhava muito para alcnçar seus ideais.Mas infelizmente um vagabundo tira sua vida de maneira brutal,até quando vamos perder pessoas que amamos vítimas desses vagabundos????? Pra esse marginal cadeia é pouco…..tem que morrer….que seja feita justiça.Se é que existe né……

  5. RARARARARA disse:

    COMO POLICIAL DESTE ESTADO,NADA MAIS ME SURPREENDE É MUITO FÁCIL O O CHEFE DE POLÍCIA CIVIL IR PRO MEIO DA MÍDIA E DIZER: ” QUE APARTIR DE AGORA TODOS OS CASOS DE MORTES DE POLICIAIS,IRÃO SER INVESTIGADOS”,SÓ AGORA DOUTOR???ME FAÇA O FAVOR”…..SÓ POR QUE MORREU DOIS DE SEUS HOMENS?????NUMA ABORDAGEM MAL “SUSCEDIDA”, COMO DISSE O OUTRO SOBREVIVENTE???? VERDADE SEJA DITA SE FOSSE UM DE NÓS POLICIAIS MILITARES,….” AH DEVEM ESTAR ENVOLVIDOS COM GRUPOS PARAMILITARES,DEVE SER UM MINEIRA MAL SUSCEDIDA…. A VERDADE SEJA DITA: “AS POLÍCIAS MILITARES E CIVIS NUNCA SE TOPARAM POR CAUSA DE VAIDADE,PODER”….

    “QUANTOS DE NOSSOS HOMENS,MORRERAM NO CUMPRIMENTO DO DEVER NEM A PM,NEM A POLÍCIA CIVIL,DERAM IMPORTÂNCIA??? AFINAL NÃO MORREU DELEGADO,NEM OFICIAL….FODA-SE ENTÃO A MINORIA NÉ????”

    AINDA ONTEM MORREU UM SARGENTO DA PM,DENTRO DE UM ÔNIBUS,TANTO UMA COMO OUTRA: A PM DIZENDO:”JÁ SABEMOS QUE M SÃO OS AUTORES DE BARBARÍE….HIPOCRETICES E TAL…. A CIVIL TAMBÉM JÁ SABE E NADA FAZ E NEM VAI FAZER,AFINAL O PM JÁ MORREU E FODA-SE A FAMÍLIA DELE,AFINAL QUE MANDOU ANDAR DE ÔNIBUS NÃO É MESMO????

    EU ANDEI DE ÔNIBUS UMA BOA PARTE DA MINHA VIDA CIVIL E ATÉ MESMO QUANDO ENTREI PRA PM,SÓ AGORA CONSEGUI COMPRAR UM CARRO PRA MIM,MAIS: ” AI DE MIM SE EU PARAR MEU CARRO EM FRENTE UMA DELEGACIA OU DENTRO DE UM BATALHÃO,VÃO QUERER LOGO SABER COMO COMPREI,SE EU GANHO PRA ISSO E TAL…..

    • LORO disse:

      POLICIA MILITAR E CIVIL SÃO TODOS LADRÃO.DIS AI,O CARA DE PAU,GANHA DOIS MIL E COPRA UM CARRO 50.000.00.PERA AI LADRÃO.TAVENDENDO PICOLE DE QUE NA PRAIA.DE DROGA QUE TOMOU DOS MANOS NO MORRO.NÃO?

      • Daymon disse:

        vai aprender a escrever seu analfa…
        … depois vai malhar alguém!!!

        Imbecil!

      • UBIRATAN disse:

        SEU BABÁCA! NÃO EXISTE PM/PC LADRÃO, EXISTE LADRÃO QUE SE PASSA POR POLICIAIS, E QUESTÃO DE QUEM GANHA 2000 COMPRAR UM CARRO DE 50000 É POSSÍVEL SIM, IMBENCÍL E PARA DE DISTRATAR ESSES PROFISSIONAIS QUE ARRISCAM SUAS VIDAS PELA SUA SEGURANÇA, OTÁRIO, SE VC É UM BUNDÃO E NÃO TEM ESSA CORAGEM, O PROBLEMA É SEU.

  6. RARARARARA disse:

    “A BEM DA VERDADE,ENQUANTO VIVERMOS DE NOMES E VAIDADES DENTRO DESSAS CENTENÁRIAS CORPORAÇÕES,IREMOS CHORAR NOSSOS AMIGOS,PAIS,FILHOS,PARAEM COM ESSA BABAQUICE DE INVESTIGAR POR QUE O POLICIAL MLITAR MATOU COM O TIRO DE FUZIL,O “BANDIDO” QUE A FAVELA DEFENDER SER “TRABALHADOR”…. AO TUDO QUE ME PARECE É POR QUE OU UMA OU OUTRA(CORPORAÇÃO),NÃO TEVE A MESMA SORTE DE PEGAR O BANDIDO E E SE EXIBIR PRA IMPRENSA ASSIM COMO TENHO VISTO…TENHO UM CARINHO PELAS DUAS CORPORAÇÕES…..

    “MAIS SERÁ QUE ELS TEM POR MIM”????OU EU SERIA MAIS UMA VÍTIMA DESSA SOCIEDADE(80%)CONSUMISTA DE DROGAS,E POR CONSEQUÊNCIA ALIMENTA O TRÁFICO,QUE ALIMENTA O ÓDIO,ATÉ FAZER À PRÓXIMA VÍTIMA POLICIAL”??????

    “PENSEM TODOS NISSOS,OU DAQUI A DEZ ANOS TEREMOS PERDIDOS MIAS UNS 1000,HOMENS DEVIDO A S VAIDADES DE CORPORAÇÕES……..

    “POLICIAL MILITAR CANSADO DE SER USADO POR ESSES HIPOCRÍTAS DOS INFERNOS”…….

    24 DE JANEIRO DE 2010,ÀS 11:28HS.

  7. LORO disse:

    POLICIAL TEM QUE MORRE MESMO.SÃO TODOS LADROES,traficantes, CORRUPTO.SÃO PIORES QUE OS (bandidos).USAM AS FARDAS E CATEIRAS .PARA MATAR,ROUBAR E ESTORQUI.FALA AI QUE VC NUCA FEIS ISTO.LADRÃOOOOOOOOOO……….

  8. Sgt Márcio PMMG disse:

    Gostaria que os PMs do RIO, verdadeiros herois se posicionassem mais ativamentes com a ergonha que acontece neste Estado, pois enfrentam situações de Guerra como soldados Estaduais sucateados. Gostaria que suas entidades posicionassem diretamente e discutissem uma solução para evitar mais mortes deste herois anonimos. Vcs tem que terem coragem de posicionar sobre esta situação pois estão perdendo a guerra para os bandidos e para a mídia que os veem como viloes. DEUS abençõem vcs.

  9. COMO ANDA ESSE MUNDO MEU DEUS, OS POLICIAIS N TEM MAIS PAZ, SUAS FAMILIAS N TEM MAIS PAZ, PORQUE ESSES VAGABUNDOS INFELIZMENTE ESTAO TOMANDO AS RUAS, E O ESTADO QUE N FAZ NADA, NOSSOS POLICIAIS FICAM AI NAS RUAS DIA E NOITE NOITE E DIA, ARRISCANDO SUAS VIDAS POR NOS E NAO SAO RECOMPENSADOS, GANHAM MAL, NAO TEM BOAS CONDICOES DE TRABALHO, E FICAM EXPOSTOS A ESSA VAGABUNDAGEM. SERA QUE ISSO VAI MUDAR, POIS PARECEQUE SO VAI PIORAR.

  10. paulo disse:

    elis tem que morrer tudo memo kkkkkkkkkkkkk

    • Ovalle jr disse:

      Apreda a escrever,vagabundo!!

      • adrielle disse:

        aee já q vc é trabalhador otario nem vem meter marra de chama o outros de vagabundo nao tá ligado
        vc deve ter algum filho
        intao pensa legal q o seu telhado é de vidro
        anes de fazer a mae de alguem chorar
        pense se fosse a sua q estivesse chorano
        policia tudo judas
        covarde
        vacilao

      • rogerio disse:

        A internet é uma coisa fantástica…e a gente acaba encontrando cada coisa! Este é um exemplo típico, mais se parece com o Inferno de Dante!
        Uma descrição de policiais mortos e feridos e milhares de anônimos (todos esses pervertidos!)achando ótimo tudo o que acontece à sua volta…
        Mais uma boa e forte razão para continuar ficando longe do Rio de Janeiro…
        Só tenho a lamentar…

  11. [...] Estatística de Policiais Mortos e Baleados  2010 [...]

  12. Edson disse:

    Enquanro tivermos essa essa politica podem colocar cada vez mais seres humanos para vertir essa farda azul mais de nada vai adiantar so vamos perder amigos, irmãos, colegas, pais e dai por diante.De uma coisa eu tenho a certesa que todos são herois.Que todos lutaram por uma causa e por amar a paz, justiça e amarem essa farda derão sua vida em prou da sociedade e muitos deles não são nem se quer lenbrados a não ser por seus entes queridos…
    Aqui vai o meu muito obrigado a esses quereiros da PM do RJ em particular mas não esquesendo os do nosso Brasil a fora.

  13. rafael disse:

    Cadeeeeeeeee. O aumento….9ade. As bolsas tao faladas…o negocio. E estudar pra sair abc CB Rafael

  14. tadeu disse:

    a resposta é simples,quem é este louro q/diz todo policialéladrão corrupto que tem q/morrer,quem é esse elemento?oresponsavélpor este sait deveria não aceirar essesw comentarios ou identificar esse elemnto defamador de policiais.não vejo nada de novo nestes saites q falam sobre policias ;queremos saber sobre as nossas necessidades ,aumento salarial vai sairesse ano?que data ?ha algumcomentario sobre esse assunto? já atualizou osaite para esse mes? isto é o q inporta para nós enossa familia pense nisso renata oresto todo mundo ja sabe entendeu? sinto muito mas nos sempre estivemos em ultimo plano,e o pior sem solução .obrigada pela oportunidade ten tadeu.

  15. SD PMERJ disse:

    NÒS POLICIAIS PRECISAMOS DE AUMENTO SALARIAL URGENTE, URGENTÍSSIMO, POIS TEMOS POR TRÁS DA GENTE, ESPOSAS, FILHOS, MÃES, PAIS, QUE SE PREOCUPAM CONOSCO QUANDO SAÍMOS DE CASA PARA TRABALHAR, E NÃO SABEM SE VOLTAREMOS APÓS O SERVIÇO, QUE É MUITO MAS MUITO ESTRESSANTE MESMO, CADÊ AS AUTORIDADES DESTE PAÍS, CUJA SOCIEDADE E POLÍTICOS FICAM SE LEMBRANDO DA ÉPOCA DA DITADURA E NOS CONDENAM POR ESTES ATOS DO PASSADO… PELO AMOR DE DEUS, NOS DÊEM DIGNIDADE PARA VIVER POIS OS DIREITOS HUMANOS TAMBÉM SERVEM PARA NÓS, POLICIAIS MILITARES.

  16. Por buscar a confirmação de autoria de uma crônica recebida por e-mail, que seria de um escritor gaúcho (Luís Fernando Veríssimo – Aprenda a chamar a Polícia), encontrei o blog do Coronel Paúl.

    Seu conteúdo despertou-me a atenção, pois retrata com maior profundidade a realidade da Cidade Maravilhosa, que conheci rapidamente em meados de 1980, ao fazer um estágio de 3 meses na Petroflex, lá em Duque de Caxias. Hospedamos-nos em Petrópolis e depois em Icaraí.
    Sou morador de Novo Hamburgo, RS. Acompanho o noticiário da Record, onde temos uma pequena noção da criminalidade que se alastra pelo País, principalmente pelos Estados do Rio de Janeiro e São Paulo.
    Lendo rapidamente algumas de suas crônicas e assistindo alguns de seus vídeos, percebo o quanto é omitida da opinião pública a verdadeira carnificina a que são submetidos os defensores da lei e da Ordem em seu Estado.
    Homens de valor, verdadeiros heróis, disponibilizando a sua vida para proteger a de estranhos. E isso com o total despeito de autoridades que estão, momentaneamente, representando o povo para proporcionar os valores que a Constituição determina; e que não o fazem. Ao mesmo tempo em que outros se omitem em corrigir a legislação penal falida, arcaica, que pune um policial que esbofeteia um bandido, e propicia todo o amparo, grandes regalias a esse mesmo bandido.

    E pobre da família daqueles heróis que tombam. São relegados ao desdém. São tratados com indiferença.

    O mesmo critério é estabelecido aos combatentes das adversidades naturais; os combatentes do Corpo de Bombeiros. Incansáveis, destemidos, e menosprezados.

    Gostaria de apresentar minha singela solidariedade a todos quantos se sentem frustrados em não ver reconhecido o seu valor, o seu empenho em servir à sociedade que os ignora.

    Gostaria de parabenizá-lo, Coronel Paúl, por sua iniciativa de presentear sua comunidade com tão eficiente meio de oferecer um ombro amigo, ainda que virtual.

    É de se salientar, também, a informação de que a sociedade brasileira mostra seus sinais de inconformidade, de verdadeiro cansaço com o que está sendo construído sorrateiramente.

    Com exceção daqueles que se locupletam com o suor dos que pagam seus impostos, e daqueles que aceitaram viver em ócio recebendo esmolas governamentais, despojando-se de seu orgulho e dignidade, os verdadeiros patriotas, que amam o Brasil, rejeitam esse projeto de mudar a cor verde amarela para o vermelho.

    Boa sorte a todos nós.

  17. É!

    A letra feita em Brasília

    é som em qualquer balada…

  18. Zergui disse:

    Recebi e-mail, em resposta ao meu comentário acima, com a seguinte mensagem:

    vai aprender a escrever seu analfa…
    … depois vai malhar alguém!!!
    Imbecil!

    Conheço as artimanhas desse tipo de arregimentado, dentre os 500 mil que foram convocados para tentar ofuscar o sentimento de revolta que se fortalece a cada dia em nosso País.

    Minha réplica é essa:

    http://zerguipfleger.blogspot.com/2010/04/minha-solidariedade-aos-policiais.html

    Quem sabe o menino deslumbrado, que adora fazer reverência diuturna em frente da foto do assassino cubano, que chamam de Che, peça socorro aos demais “cumpanheros”, para tentar entender o conteúdo dessa crônica.

    Aos que eventualmente ficarem em dúvida sobre o que significa essa “mensagem”, esclareço: esse tipo de elemento, que está com seus pensamentos condicionados por uma cartilha quase centenária, não consegue discernir quaisquer assuntos que não componham os inseridos em sua mente através de lavagem cerebral.

    São esses “combatentes aguerridos” que querem mudar as cores da nossa bandeira, o que o povo brasileiro jamais aceitará.

  19. Henrique. disse:

    Correção a unidade deste 2º.SGT. Kléber Sodré Ribeiro era o BPRV/CVE.
    18 de Março: 1 PM baleado
    Lotado no 18º BPM (Jacarepaguá), o segundo sargento da Polícia Militar Kléber Sodré Ribeiro, 45 anos,

  20. esqueceram do cap pm xavier (extinto) da DGF assassinado em mar/10, no bairro de pe miguel

  21. EX CAP Xavier DGF assassinado em março de 2010, em pe miguel omitiram

  22. bento disse:

    sem leis que valorizam o policial e agrave os crimes contra estes, nada mudará ,é enchugar gelo.

  23. jorge disse:

    Bom dia meus caros amigos e colegas, moro em Teresina-Pi, garças a Deus aqui não tem esta violença contra os militares, está com 3 anos que um militar levou um tiro de raspão na perna, mas o bandido não teve a mesma sorte que o militar teve, ele foi alvejado com 4 quatro tiros tendo morte imediata, o bandido era de goias; No meu ponto de vista o Governo dá mole pra bandidage, as melhores armas é a do bandido a verdade é que neste Brasil a policía brinca de esconde esconde com o bandido, a policía prende e os homens da lei solta não por cupa do juia, promotor, delegado mas sim por culpa dos deputados que fazem as leis e só beneficia os bandidos, então a minha ideologia é matar o bandido e não prender, se dentro do presidio o preso fosse trabalhar quebrando pedra, carregando areia nas costa, fazendo serviço pesado ele ño final da tarde não teria tempo pra nada nem pra reclamar da cela que esta lotada, mas não é café, almoço, jantar e lanche é bom ser preso, mas var fazer isso que os direitos humano lhe processa, essa é outra cambada de gente que não vale nada, me refiro aqueles que defende o margina o estrupador os bandidos em geral; então aqui na minha cidade tenho 26 anos de policia e nunca precisei usar minha arma pra atirar em alguem, mas tem bandido vindo do rio, são paulo, mg, essa turma vai chegando e a gente vai vigiando ele de perto e já vai dando destino pra ele.

  24. Zergui disse:

    Parabéns, Sr. Jorge. Excelente comentário. Em sua simplicidade, o senhor expressou a verdade.

  25. Jane disse:

    Ai Sr. Jorge… se todos pensassem como vc…
    Obrigada por me mostrar que nem tudo está perdido!
    (esposa de um policial)

  26. Marcos Rogerio disse:

    Como dizia o Del. Sivuca: Bandido bom é bandido morto!! mesmo assim de cabeça pra baixo igual manidioca!

  27. Marcos Rogerio disse:

    Fui amigo pessoal do Policial Civil Robson Diaz Diniz, um pai exemplar um bom chefe de familia e um otimo amigo, alegre e perde a vida como um animal, tenho certeza que sera mais um numero na estatistica de morte de policiais. Tomem vergonha na cara senhores governantes!! acorda que um dia pode ser o seu filho a proxima vitima. Levante esta bunda da cadeira e trabalhem com dignidade, honestidade. Faça valer o voto que lhe foi confiado!!! alias o voto nao te pertence e sim ao povo.

  28. Zergui disse:

    Postei essa crônica após ler notícia no Blog da Renata. (Membro do Bope mata homem no Andaraí, após confundir furadeira com arma).

    Tudo indica que foi uma fatalidade. Minha solidariedade à família enlutada, ao militar e à sua família, bem como à corporação.

    É claro que estou comodamente sentado à frente do monitor, muitas centenas de quilômetros afastado do local da ocorrência.

    Mas eu me imagino na cena. O convívio diário com a carnificina. Tiroteio, balas perdidas, armamento dos meliantes muito superior em poder de fogo, baixos salários, etc.

    A morte espreitando em cada esquina, atrás de cada porta ou janela.

    Amando a sua profissão, mas vendo colegas tombarem.

    Sabendo que suas famílias ficam desassistidas, enquanto que os marginais recebem todo o apoio dos defensores dos direitos humanos e outros hipócritas.

    A pressão é a cada segundo. Adrenalina. Medo.

    Cada policial sabe que está lidando com monstros, que não tem o menor respeito com a vida de quem quer que seja, nem com a própria.

    Monstros! Que foram gerados pela omissão de quem é pago para propiciar dignidade aos cidadãos, mas que, ao invés disso, se locupleta enchendo meias e cuecas com dinheiro do erário.

    Um turbilhão de pensamentos atravessa a mente de cada envolvido na ação para preservar a Lei e a Ordem.

    O coração acelerado. Onde estão os bandidos?

    De repente surge alguém com uma arma na mão. Ou eu ou ele.

    O policial foi treinado para isso. Ser rápido, eficiente, não titubear, pois é a vida dele e de seus colegas que está em jogo naquele momento.

    Ele foi mais rápido, mas não era arma, era uma furadeira. Ferramenta tão parecida com uma arma. Tarde demais. Houve a fatalidade. Inquéritos, processos, carreira arruinada. Famílias destroçadas.

    Foi fatalidade? Então não há um culpado? Negativo! Há um culpado.

    É um sistema “político, administrativo, humanitário”, que protege o mal e sua horda de seguidores, deixando desamparados os homens de bem e os defensores da Lei.

    São Leis arcaicas, com interpretações dúbias, tendenciosas, fáceis de serem burladas com bons profissionais jurídicos, que cobram fortunas. Eles sabem que aquele cliente, que ganha facilmente muito mais do que qualquer trabalhador honesto receberia em uma vida inteira de sacrifícios, pagará qualquer preço para não ficar encarcerado.

    São sandices escritas? Pensem! Por que as fronteiras estão desguarnecidas, facilitando o fortalecimento dos grandes produtores de drogas, que se auto-intitulam Farc? Por que a cada dia a bandidagem renova o seu abastecimento de armamento pesado e moderno, com munição inesgotável? Por que implantaram o estatuto do desarmamento, aos cidadãos honestos?

    E ainda por cima querem que uma ex-guerrilheira controle os destinos de nosso País.

  29. LOIRA DE OLHOS VERDES disse:

    BOM , GOSTARIA DE EXPRESSAR A MINHA ADMIRAÇAÕ PELOS POLICIAS CIVIS E MILITARES QUE HONRAM A SUA FARDA E O SEU JURAMENTO APESAR DAS CONDIÇÕES PRECÁRIAS QUE TEM QUE SE SUBMETER PARA O CUMPRIMENTO DO DEVER. SUAS FAMILIAS DEVEM SE ORGULHAR E PEDIR A DEUS PARA CONTINUAR A ABENÇOAR VCS.
    MUITA COISA TEM QUE SER MUDADA MAIS SE CADA UM FAZER A SUA PARTE JA VAI AJUDAR MUITO.
    FIQUEM COM DEUS E PRA CIMA DELA MINHA POLIÇADA NÃO DA MOLE NÃO !!!! BJS .

    • UBIRATAN disse:

      Bom dia para você que está lendo essa mensagem. Quero expressar meu respeito por todos que tem compreendido as falhas cometidas pelos profissionais de segurança pública. Não quero com isso apoia-los pois todo erro termina muita das vezes atingindo pessoas alheias. Certo é que precisamos de profissionais mais coesos em suas atitudes, mas nunca desacredita-los mesmo falhando. Temos que ter a esperança de que melhorarão sim, afinal, todo empreendimento que se possa aplicar para aperfeiçoamento desses profissionais, sempre será pouco pois no mundo marginal, a cada segundo que passa, sempre surge uma nova estratégia para confrontar a lei e ai, fica difícil. Afinal, o bem e o mal sempre caminharão lado a lado, infeliz de quem fica do lado mal. ABRAÇOS

  30. LOIRA DE OLHOS VERDES disse:

    DESCULPE O ERRO : E PRA CIMA DELES MINHA POLIÇADA !!!!

  31. [...] Acompanhe aqui a Estatística de Policiais Mortos e Baleados no Estado do Rio em 2010 [...]

  32. Vânia Lima disse:

    Realmente como diz o meu amigo policial carioca,A Tv a mídia divulga quando os policiais erram,mas deviam mostrar quantos deles são mortos brutalmente quase todos os dias.A realidade estar ai,sera que eles não merecem respeito?onde fica as dores da família que perdem a paz? E o salario desses homens cobrem o valor de suas vidas?E ano de eleição as mentiras e as promessas vão estar presente para iludir o povo.Acorda gente cai para a realidade dos fatos ocorridos!!Olhem para a bandeira o lema e Ordem e Progresso onde estar esse lema?

    • sgt da silva disse:

      Infelismente é lamentavel ver companheiros nosso perdendo a vida por atos da violencia em nosso Estsdo, e ainda temos que aturar a demagogia de alguns ofíciais que sabem apenas tratar de assuntos relacionados a papeis .

  33. ESTAMOS SABENDO DISTO PORQUE SOMOS GUERRREIROS MAS 95% DA POPULAÇAO NEM TOMA CONHECIMENTO AINDA MAIS QUANDO OS COLEGAS BALEADOS FICAM SEQUELADOS COMO AMPUTADOS PARAPLEGICOS E OUTRAS DOENÇAS INCAPACITANTE QUE OS LEVA REFORMA FICANDO DEPENDENTES DE MUITAS COISA PORQUE QUE PASSOU E PASSA POR ESTE SITUAÇAO E QUE SABEM COMO VIVEMOS DEPENDENDO DE MUITOS E DE OUTROS E AS FAMILIAS DO QUE SE FORAM AS VEZES FICAM MESES SEM CONSEGUIR RECEBER NO MES SEGUINTE A PENSAO QUE TEM DIREITO E MUITOS ENTRAVES ATE MESMO PARA LIBERAÇAO SEGUROS E OUTROS BENEFICIOS DEVERIA ESTA RELAÇAO SER PUBLICADA TODO MES EM TODOS OS JORNAIS DO ESTADO INCLUSIVE ENVIADO AS CAMERAS DE VEREADORES DO RJ E A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PRA VER SE OS POLITICOS PELO MENOS QUANDO ENVIASSEMOS UMA LEI EM NOSSO BENEFICIO OS MESMOS JA OLHARIAM COM MAIS SINCERIDADE POIS ELES USAM OS POLICIAIS CIVIS E MILITARES COMO SEGURANÇAS DELES
    PINHO INSPETOR POLICIAL APOSENTADO 14 ANOS E EM CADEIRA DE RODAS PORQUE LOGO LOGO DEPOIS DE POUCOS MESES AS NOSSAS INSTITUIÇOES SE ESQUECEM DA GENTE

  34. Fabiana Silva disse:

    Sou esposa de PM e não suporto comentários do tipo: “Policial militar m atou mais um inoscente “. Aí aparece direito civil e todos os tipos de diretos existentes no mundo. Quero ver quando morre um policial aparecer alguém falando de direitos civis ou outros direitos que qualquer policial deveria ter. Meu esposo ficava pagando na perimetral sem banheiro, no sol quente e sem água onde estão os direitos dele e dos outros parceiros de farda, creio que pode-se acabar um pouco de hipocrisia e valorizarmos mais cada um pois eles são seres humanos como qualquer.

  35. Zergui disse:

    Com sua licença, Fabiana.

    Gostaria de apresentar minhas considerações, que vão de encontro e concordância ao que você expressa.

    Se o sistema tenta nos imputir, hipocritamente, esse tipo de manipulação tendenciosa e discriminatória, eu afianço que para as pessoas que têm o discernimento isso não funciona mais.

    Permita-me sugerir-lhe leitura de um dos textos em que abordo essa situação:

    http://zerguipfleger.blogspot.com/2010/04/minha-solidariedade-aos-policiais.html

    Não mudará em nada a situação de seu marido, nem dos colegas de farda no solo brasileiro.

    Mas ao menos poderá servir de alento, saber que há um parcela da sociedade que os respeita e reconhece o seu valor.

    Parabéns por sua iniciativa.

  36. najla disse:

    Perdi meu genro tem 03 meses na porta de casa em Anchieta. São Policiais que têm família , Noiva, namoradas, Pai,Mãe, Amigos. não tem Contestação. É Omissão da Autoridades. tanto dinheiro,tanta verba para Investir e Cadê ??? No Bolso de quem ???? E essas mães e Pais, só podem chorar a perda de seus filhos.Minha Filha ainda chora a morte do Noivo,abalaram nossos corações e nossas Mentes…bandidos…Safados…Governo Corrupto.Os bandidos fazem o que quiser, roubam, matam, tiram nossos filhos, e se não os matam, levam para os Morros, para as Drogas. Esses Bandidos têm de Morrer sim !!!! paredão Neles !!! quando começar a cair 4,5,6, seriam exemplos para os outros. Queremos viver com Dignidade e com Nossos Policiais Vivos!!!

  37. najla disse:

    Lembraremos Sempre de Você Meu Amigo…Rodrigo dos Santos Bastos…que tão Covardemente doi ceifado com 01 tiro de Fuzil parado na porta de casa, esperando a Noiva (minha Filha) chegar…e se ela tivesse chegado antes teria ido com Ele…devido a um Roubo de Carro…e um Cordão… Mataram os Bandidos,correram atrás,mas e daí…nada Mudou…Continuamos vivenvo a dor da perda do Rodrigo…Que Deus nos guarde e nos Conforte…Rodrigo estará Sempre conosco, nos bons Momentos e em nossas Orações…Respeitem as Famílias dos Policiais…nem todos são Corruptos ou fazem parte de Milícias…temos Seres Humanos que trabalham para suestento seu e de sua Família!

  38. [...] Acompanhe números totais: Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010 [...]

  39. Rafael Albarello disse:

    Infelizmente vivemos uma situação de Guerra Civil velada, onde jovens e chefes de família estão perdendo suas vidas, em defesa do Estado, e no estrito cumprimento do dever legal, onde seus disparos são examinados por ONGs e onde delinquentes recebem todo apoio de Direitos Humanos e cia ltda, sem contudo em momento algum em suas vidas, terem tentado ser humanos direitos, e nós, familiares de policiais, que no meu caso, sou neto, irmão e primo de policiais, ficamos em casa rezando por eles, que arriscam suas vidas em defesa de uma Sociedade que não lhes dá valor, isso quando em constante envolvimento com o ilícito, não nutrem desprezo pelos mesmos; em suma, apenas nós que somos parentes de policiais enxergamos os seres humanos que existem debaixo daquela farda e por trás daquele distintivo; Para muitos são apenas um número na estatística, e não alguém que tombou enfrentando a narcotirania ou a delinquencia sem proposito que bate às nossas portas…

  40. Zergui disse:

    Rafael perdoe-me por discordar de um aspecto que você colocou: “a delinqüência sem propósito que bate à nossa porta”.
    Parece-me que há, sim, um propósito bem definido; chama-se “dividir para vencer”.
    Quanto mais a sociedade estiver acuada, a juventude sendo aniquilada pela epidemia do crack e outras drogas, a legislação sendo branda para os meliantes, para os menores e dura para quem defende a ordem, mais fácil torna-se a conquista,a subjugação total da sociedade brasileira.
    Esse é o objetivo. Não foi conseguido com a força das armas, há mais de 40 anos, porque nós tínhamos um Exército vigilante e competente.
    Hoje nós somos reféns do medo, da desordem, de um bando que está em vias de dominar totalmente nossa Nação, servindo a propósitos obscuros e alheios à nossa História.

    Tentam deixar a sociedade entorpecida com notícias inócuas, supervalorizando eventos absolutamente ridículos como uma simples partida de futebol, banalizando os valores morais, provocando a cizânia de todos contra todos. Enquanto isso, eles vão se fortalecendo e enriquecendo, enchendo meias e cuecas com o nosso dinheiro.

  41. [...] Veja os números completos: Estatística de Policiais Mortos e Baleados no Estado do Rio em 2010 [...]

  42. Simone Avellar disse:

    Olá, tb sou jornalista e queria usar essas estatísticas em uma matéria. Qual a fonte? Você pode me passar? Aguardo resposta e obrigada!

  43. O FANTASMA disse:

    Me aposentei em 2006, muito feliz espurgando a PCERJ por todos os atrasos que eu tinha certeza a intituição causara a minha vida profissional, pensando que continuaria com o meu escritório de advocacia e administração que eu já possuia. Contudo, as lotações em mais de 25 DPs e Especializadas, começaram a criar um vazio interno. Minha família ficou toda revoltada comigo quando agora em 2010 pedi via processo de reversão de servidor inativo a minha reitegração aos quadros da PCERJ. Meu carro é um FIAT UNO 96, a ficha que caiu para mim foi que, não entrei na PCERJ para ficar rico, foi vocação e depois de me aposentar e pedi o retorno, até colegas meus policiais questionaram minha saúde mental por tal atitude. Com todas as mazelas, corvadias, humilhações entendi que não nos tornamos policiais meramente por concurso, mas por alguma deformidade genética nós nascemos policiais. Não quero virar heroi e nunca pretendi, nunca fui asspone de delegado, só quero fazer do jeito que for possível o que de melhor sei fazer, fazer polícia. Caso morra em serviço ou não, morrerei fazendo o que nasci talhado para fazer. FORÇA E HONRA à todos os policiais cuja retidão é sua bussúla moral.

    • Pm alagoano disse:

      fantasma, belissimas palavras irmão, se vc acha que é o certo tente voltar, são pessoas como você que estão faltando em nossas corporações. Abraços.

      • FANTASMA disse:

        Obrigado PM Alagoano, mas não é o que eu acho, mas sim o que eu tenho certeza, e agora essa semana vou fazer a avaliação física se tudo der certo é só esperar o D.O. A situação aqui no RJ está cada vez pior, não vai importar muito o que dizem as estatisticas verdadeiras e as maquiadas. Só sei que me especializei em enxugar gelo. O sistema se nutre do próprio caos do sistema!

  44. [...] da AlerjEm Off: Os BastidoresEstatística de Policiais Mortos e Baleados em 2009Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010Pauta do Dia no TOP BLOG!PesquisaRelação de Morros e FavelasRoberta Trindade & [...]

  45. carlos lins da silva disse:

    um absurdo um negocio desse. mas muita gente ainda nao sabe que a compra premiada eletroforte do maranhao esta preste a fechar a porta. o cano vai ser grande em sentena de clientes

  46. peixoto cutrim disse:

    oh pm alagoano,sera verdade sobre a ELETROFORTE? me dis ai

  47. valleeeooo seus cuzãooooo foraam tardiii po si dependeer dee miim volses vãoo MORRER tudo cambada di fillhaa das putas LADRÃO INCUBADO POMPEU SAFADO seus merda .

    • O FANTASMA disse:

      Aí o verme pé de chinelo, são merdas como vc que me dão ânimo para voltar. Eu sei que as baratas que eu esmaguei e esmagarei se reproduzem que nem ratos, mas estou acostumado a enxugar gelo.

  48. [...] da AlerjEm Off: Os BastidoresEstatística de Policiais Mortos e Baleados em 2009Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010Pauta do Dia no TOP BLOG!PesquisaRelação de Morros e FavelasRoberta Trindade & [...]

  49. marcos disse:

    Precisamos ser honestos…dizer não ao dinheiro sujo; temos que trabalhar com tolerância zero; nossos comandantes e governantes tem que parar de pensar no dinheiro e começar a proteger os bons policiais. Aquele que trabalha errado odeia a sua própria família…vocês deviam se envergonhar, pois protegem bandidos de tudo que é espécie, por causa de uma mixaria, são verdadeiros JUDAS ISCARIOTES que traíram sua pátria, seus familiares e seus colegas de trabalho que estão morrendo na mão dos vagabundos.

  50. SPOWN disse:

    A cada dia que passa vamos sendo mortos como moscas, aonde morre mais policiais no BRASIL rio de janeiro, e ainda somos mal remunerados para isso, vergonha ..!!!!! GOVERNADOR VALORIZE OS QUE DÃO A VIDA PELA SOCIEDADE…. SD PM SPOWN.

  51. supinpa disse:

    Faltou contabilizar os Agentes Penitenicarios, foram dois mortos e um baleado esse mês. Ao longo do ano foram aproximadamente 6 mortos e incontaveis agentes penitenciarios baleados no estado do Rj , que apesarem de não serem polícia de direto o são de fato pois trabalham armados e com todo tipo de bandido.

  52. SPOWN disse:

    PARABENS PELO SITE, NÃO DEIXE ESTE ESPAÇO PARAR, SÓ ASSIM A SOCIEDADE CIVIL SABERÁ DA VERDADEIRA REALIDADE QUE OS POLICIAIS PASSAM DIA A DIA NAS RUAS CARIOCAS..
    ESSAS UPPS, SEM CONDIÇÕES DE TRABALHO POLICIAIS LARGADOS A PRÓPRIA SORTE , SEM INFRA ESTRUTURA , E OS BANDIDOS CIRCULANDO E MATANDO OS POLICIAIS QUE GANHAM UMA MISÉRIA DE SALÁRIO ….. !!!! POLICIA BOA E BARATA NÃO EXISTE SÓ AQUI NO RIO DE JANEIRO ELES QUEREM QUE ISSO ACONTEÇA… AONDE VIVEMOS UMA VERDADEIRA GUERRA URBANA..

  53. sd julius cezar disse:

    nos pms temos que nos unir para quebrar os vermes,cracúdos desta cidade,que um dia foi maravilhosa.

  54. SPOWN disse:

    O SGT JORGE VIEIRA , FOI MORTO DE FORMA COVARDE E TEM DEDO DE MÃO AMIGA NISSO, NADA FOI ROUBADO E TODOS SABEM COMO ELE AMAVA E ATUAVA COM RIGOR NA PMERJ, TINHA SIDO INSTRUTOR NO CFAP, CONHECIDO COMO TOQUINHO DO MAL , MAIS ERA UMA BOA PESSOA, FOI EXECUTADO , E ERA SUP DE GRADUADO DO 9 BPM , ALGO TEM DE ESTRANHO NISSO AE.. DESCANSE EM PAZ…

  55. joanina disse:

    Muitos policiais estão sendo assasinados de forma estranha e duvidosa….
    Policiais que não colobaram com a corrupção estão sendo mortos por causa de assalto??
    Muito trabalho para o novo presidente a descobrir os fatos reais.
    Deus fará justiça.
    Os assasinos ficarão sem paz!

  56. marcos disse:

    O sgt que foi morto prendeu policiais corruptos.

  57. [...] da AlerjEm Off: Os BastidoresEstatística de Policiais Mortos e Baleados em 2009Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010Pauta do Dia no TOP BLOG!PesquisaRelação de Morros e FavelasRoberta Trindade & [...]

  58. adrielle disse:

    iii
    vai morre seus policias corruptos pega
    frangrante da gente e vende
    ou entao chera tudo no capo
    do fusca velho de vcs

  59. adrielle disse:

    ah e ainda se acha no direito de dar tapa na cara dos filhos do outros
    e chamar de vagabundo
    o lado bonzinho de vcs vcs mostram
    e quando vcs tao querendo
    arregoo
    ou no caso dim dim dos vagabundo pra deixa eles traficar no mole
    vcs nao botam nao
    aii é mole num senhor altoridade
    donos da verdade

  60. @lfaTíndialima@lfa disse:

    Moro em niterói,lembrando esse caso do cabo André Luís Macedo 30 anos lotado no 22 Batalhao,q foi baleado durante perseguição a quatro traficantes, e acabou sendo baleado no abdômen no dia 20 de Setembro……..ele infelizmente veio a falecer no último dia 1 de outubro ele era meu amigo,era um ótimo policial,tbm morou durante toda a infância aqui como meu vizinho,transferiu-se para o rio pq adorava adrenalina..tinha a polícia no sangue,e o sonho de entrar pro BOPE em breve,mas infelizmente o destino te pregou essa peça,mas voltando ao foco…até quando nossos policiais vão ter q dar as vidas nessas condições de trabalho tão precárias?Até quando essa mulambada de traficantes,porcos ordinários vão mandar em nossa cidade?Não aguentamos mais essa cambada de políticos medíocres, que prometem hà anos q vão resolver a questão de segurança em todo o rio,e o q nó vemos é a onda de crimes,a coragem de traficantes,que não temem nada nem ninguém,pq sabem q se a polícia entrar na favela,eles vão ter um arsenal semelhante ou até superiores aos da polícia,seja ela militar,civil, federal etc..um alô aí pro nosso grande governador Sérgio Cabral,que acabou de ser reeleito…dê mais recursos pros nossos policiais,pra q quem sabe possa chegar o dia em que eles possam sair de casa,com a certeza que vão voltar e rever suas mulhere, mães e filhos..sabemos que é difícil..mas isso é questão de trabalho…pra cima deles papa maikes!!!

  61. @lfaTíndialima@lfa disse:

    Desculpem por usar a mesma semântica duas vezes na mesma frase…”q foi baleado durante perseguição a quatro traficantes, e acabou sendo baleado no abdômen no dia 20 de Setembro……..ele infelizmente veio a falecer no último dia 1 de outubro ele era meu amigo,era um ótimo policial”

  62. [...] da AlerjEm Off: Os BastidoresEstatística de Policiais Mortos e Baleados em 2009Estatística de Policiais Mortos e Baleados em 2010Pauta do Dia no TOP BLOG!PesquisaRelação de Morros e FavelasRoberta Trindade & [...]

  63. SPOWN disse:

    A política de segurança do CABRAL e VIATURAS BASEADAS , para a população ver , e pms expostos e sendo mortos diariamente sem nenhuma resposta, afinal somos apenas números para eles mesmo. E só abrir uma fornalha e botar um monte na rua , fácil fácil… POLICIA BOA E BARATA E AQUI WELCOME IRAQUE BRASILEIRO, OU MELHOR RIO DE JANEIRO….

  64. andre disse:

    mdckemd cekcmekc deck ekoc

  65. andre disse:

    quero receber artigos novos

  66. Monstro disse:

    Na manhã desta quarta-feira, morre baleado mais um colega de farda, Cabo Aurélio do 34º BPM, o mesmo estava em Duque de Caxias quando foi abordado por bandidos que trocaram tiros com o mesmo. Ele foi levado para o Hospital Moacyr do Carmo na Washington Luis, mas não chegou com vida. O velório será em Magé e o sepultamento em Sulacap.

  67. João Batista disse:

    como pode, pessoas idiotas, analfabetas que sé abrem a boca para falar besteiras, muitas delas estão postando cronicas e criticas ao invés de apoio, mas com certeza são pessoas que quando são assaltadas recorrema a policia, quando apanham do marido recorrem a policia, se não gostam de fato da policia porque não vai então pedir ajuda aos bandidos, ah já sei é porque aqueles que os hipócritas defendem são aqueles que lhes venden drogas, que dá serviço para seus filhos como vendedores profissionais, mas, quando o policial militar prende seus parentes eles se voltam e querem criticar, pois só quem critica é aquele que quando abordado e é pego com drogas e armas tenta colocar na cabeça de outros que errado foi o policial, se dependesse de min eu optaria pela extinção da policia e deixaria que todos se virassem. mas como isso não pode acontecer, Parabéns policiais que brilhantemente salvam a vida alheia e as vezes quando perde a sua própria vida, não tem valor, sem apoio, sem salário digno e em total abandono em miséria, VOCES SÃO OS VERDADEIROS HERÓIS.

  68. Madalena disse:

    Sim, sabemos que há policiais que são herois e que tem nosso respeito.
    Sabemos que não são corruptos mas lutam pra justiça. Sabemos também que ha muitos policiais corruptos, em que não pode confiar pra nada.
    Sabemos também que exactamente estes policias corretos muitas vezes são mortos.
    E não entendemos como pode ter tantos policiais assasinados sem que os proprios collegas arrumam a isolamento do local para a pericia. e porque não ha uma reconstrução dos fatos corridos.
    Isto realmente nos faz pensar……
    Mas uma coisa é certa: quem matou……….. vai um dia se ver com Deus. Vai ser muito pior do que qualquer justiça confiavel na terra. E aqui na terra…. se ainda ha algum esperança de não morrer logo também, vai sentir o peso de ter matado uma pessoa inocente. Precioso é nos olhos de Deus a morte de um justo!

  69. jn disse:

    Vamos matar os traficantes ,ladrões e etc.mas não vamos atirar em moradores de comunidade e dps jogar um radinho e drogas no colo deles.pq isso é a maior covardia do mundo!!e vcs sabem q acontece isso direto!!!abraços

  70. Conheçam nosso projeto e ajudem a divulga-lo. Quem souber de algum companheiro que queira se incluir passe os contatos do blog. Abraços a todos. Adinéa Trubat

    http://www.cacador.net/portal/Noticias.aspx?cdNoticia=12184&cdNoticiaDivisao=1

  71. bobo da CORTE disse:

    Olha, a cada dia me certifico que neste país,mas vale ser político do que trabalhador e ter ideal.E pior,ainda aparece alguns bandidos aqui,pra jogar pedras em pessoas que de uma forma ou de outra,cuida da sociedade,tem gente fora da lei,tem,assim como em todos os segmentos da sociedade(OU ESTÃO ESQUECENDO DOS ASSALTOS AOS COFRES PÚBLICOS,PRATICADOS PELO POLÍTICOS???).Acho que os policiais deste país,são verdadeiros heróis,pois ganham mal,morrem,ficam paralíticos e complicam a situação das famílias,que passam privações.Acho que o imbecil que entra aqui pra criticar de forma baixa e inclusive querendo se passar por analfas,essa manha conhecemos bem,esta a serviço de alguém.Heróis,vcs tem que se unir á nível nacional e dar um basta nessa pouca vergonha que é o Brasil dos ultimos anos,entregue a mãos perigosas e com passados violentos.Gostaria que alguém dissesse quem era a VANDINHA que andava com uma metralhadora no ombro na época do famigerado MR8? isso é que os jovens precisam saber,antes de votar nessa gente que aí esta e essa é a grande ferida do país.Como gente que cometeu uma gama de crimes,vai mudar a lei,pra ter a propria carne cortada?,kkkkkkkk

    • Esposa Revoltada disse:

      Eu concordo q os policiais ganham mal sim, e q arriscam a vida no trabalho. Mas isso ñ justifica serem, a maioria deles, ADÚLTEROS!! Sim, pq existem aquelas ‘piriguetis’ q adoram uma farda, e eles, os PMs, q se acham os ‘bambambans’, dão suas festinhas, suas orgias, pq eles acham q podem e q são ‘os caras’. Acontece, q o q mais me revolta, é q qndo ligo p o batalhão do meu marido ( o 22º) , sempre tem um FDP pra acoitar a putaria do outro. Meu marido é bom policial, é honesto. Mas me espanca em casa , é mto mentiroso e ainda me trai mto. O Q ADIANTA ENTÃO??? A desculpa dele é q ele bebe e sai p esqcer os problemas do serviço, mas o q eu tenho a ver com isso? Aí eu e nossos filhos q sofremos c as safadezas dele? Peço para cada um dos policiais q lerem esse desabafo, q deêm valor as suas esposas, e cuidem de suas famílias. Pq eu estou a ponto de me separar, ñ queiram vocês tbm perder suas famílias por causa de nada, de coisas q podem ser evitadas. Com Jesus tudo é possível, mas eu já cansei desse meu marido, pra mim chega. Fik aqui meu desabafo. Obrigado.

  72. quem mato eses fdp ta serto poçicia tem que morre memo por mim matavo todos e vcs que fica protegendo eles vi la da o cu pra eses verme do karalho

  73. revoltada disse:

    a estatística esta desatualizada!!! na madrugada do dia 29/11 um policial militar morreu em frente a casa do pai em senador vasconcelos. coisa de niliciano recalcado!!!!

    • Obrigado pela informação. Você, por acaso, teria o nome desse policial para que possamos atualizar a estística?

      Att,

      Gustavo Carvalho

      • Leitora disse:

        Eu sei do q se trata. Ele era meu amigo de infãncia e serviu c meu marido. E nosso vizinho. Foi uma morte horrivel. Varios tiros na cara, caixão fechado e tudo. O pai e a mãe entraram em desespero. Ele perdeu todo o rosto, horrivel. Cabo Marcelo De Paula, o nome dele.

  74. lucas nunes disse:

    Boa tarde! gostaria de saber sobre as datas 22/12/10 e 24/12/10 se houve algum PM baleado.

  75. [...] O ano de 2010 terminou com 182 policiais baleados no Estado do Rio de Janeiro. A estatística fechou com 83 PMs mortos, 11 PCs mortos, 1 PF morto, 76 PMs baleados, 9 PCs baleados, 1 PF baleado e 1 PRF baleado. Dos 182 policiais, 75 estavam de serviço. Doze eram PMs reformados e um era policial civil aposentado.Veja matéria completa [...]

  76. voces não passão de vermes ; bandidos falando que policial tem que morrer ai vai uma resposta satisfatoria pra voces viciados e pequenos traficantes de merda , ja tomamos o alemão agora vomos acabar com os ratos da magueira e sussecivamente ate 2013 apos neutralzar as grandes favela vomos esmagar o trafico nas pequenas comunidades ,,,,saiba que o crime no rio vai ser coisa de quadrinhos e pessoas viciadas que pessão como vc vai ter que se contentar em se frusta . cavera rsrsrsrsrsrsrsrsrsrs

  77. alguém disse:

    amo o coronel carlos henrique alves.

  78. che disse:

    sempre sonhei em ser um pm, mas acho que deus nunca permitiu porque ele sabia que eu iria
    mandar muitos vagabundos para o inferno, que eu iria ser espulso da corporação e que eu ira
    virar alcólatra, que eu ia ficar muluco ou coisa assim; um abraço a todos policias

  79. elias disse:

    Ser policial e uma razão de ser,o salario e baixo mais agente se diverte e ao mesmo tempo sofre ….

  80. felipe amorim disse:

    eu tenho uma opinião, acredito que no fundo isso é uma luta de classes, isso não é papo de esquerdista não, analise comigo: nos Estados Unidos a polícia sai da classe média ou classe alta-quando assim, por vocação profissional e não por salário-, já aqui no Brasil quase em sua totalidade, a polícia sai da classe baixa, então no fundo é pobre matando pobre, e sendo mantidos pela elite política e financeiramete abastada desse país, não adianta, aqui em vitória no espírito santo, os crimes contra a vida e contra o patrimonio, estão evoluindo em uma velocidade impressionante, eu mesmo em menos de duas semanas, já tive uma arma apontada para minha cabeça em um assalto, e tive que levar um colega ao dpj local para fazer boletim de ocorrencia de roubo de celular, e nisso voce ve uma polícia desmotivada, um pouco pelo salário, mas acredito mais também pelo engessamento imposto à ela por um código de processo penal lento e fracassado, ultimamente sobrou até para uma juíza, Doutora Patrícia Acyoli, enfim….onde vai chegar isso tudo? quem sobreviver que diga.

  81. Luis Carlos disse:

    O CASO DA JUÍZA, PARA MIM ELA JÁ FOI TARDE. ERA MARRENTA, NOJENTA, ARBITRÁRIA E QUEM MATOU TEM UMA VAGA NO CÉU

    • VICTOR disse:

      VAGA NO CÉU DA BOCA DA COBRA ! PM MERDA TEM QUE SER PRESO E CONDENADO, TEM MAIS E QUE IR P/ RUA MESMO . !!! AGORA O PM BOM , NEM SE PREOCUPA COM JUIZ !
      BEM FEITO AI … AGORA ELES OS PMS QUE MATARAM , VÃO SEGURAR UMA PICA

  82. pm daniel rossi disse:

    Ora milicianos e policiais civis temos que deixar de lado nossas diferenças e nos unirmos nacionalmente através de passeatas e greves se necessário para precionar esses politicos “fdp”. cada Estado na mediada do possivel tem que reunir policiais e seus familiares ir pra rua protestar por melhores salários e condiçoes de trabalho inclusive aprovaçao da “pec300″ esquecida no congresso. As vezes penso que devemos deixar a criminalidade a vontade por um tempo ou seja “fingir que nao vemos” quem sabe assim essa sociedade hipocrita lebra de como era bom quando os praças exterminavam os bandidos.Quando a criminalidade mudar o alvo e começar a matar politicos e alta sociedade empresarial, os policiais estatais pm pc serao realmente valorizados pois se depender da policia federal ninguem vai subir o morro ou perseguir bandido. Infelismente a função da pm é coibir a revolta do pobre do favelado, “chutar bebado e favelado e invair barraco é facil”, quero ver invadir condominio de luxo para prendrer golpista e engravatado politico (paulo maluf) . Portanto para o miseravel da favela não precisa de um profissional valorizado e remunerado, funçao do pm é de impedir que o pobre se revolte diante da desigualdade social e nao de um jeitinho para ganhar dinheiro facil (empresariodo trafico) ,porque esta diferença grotesca no salario de pf e pm, os pms se arristam tanto ou até mais que a pf.
    Fico pensando, do que adianta criarmos leis fantáticas valorizando muito bem aqueles que julgam e legislam, se no fronte quem efetivamente executa todo esse emaranhado de lei e da a cara para bater não é valorizado ou é reprimido pela ditadura dentro dos quatéis, pois, pm nao deve refletir ou ponderar apenas cumprir ordem o oficial. A policia tem que ser independente ter um fundo a parte sem influencia desses politicos corruptos que usam a coporaçao como orgao repressor,divisor de classes,a pm tem que se tornar uma policia cidadã estruturada basicamente num serviço de inteligencia e de ressocialização. ou seja, dar um fim ao resticio da ditadura ainda existente nos quarteis.

  83. Julio disse:

    porque 1 juiz tem qi ter mais segurança qi uma pessoa da favela ?
    acho qi devia ser tudo igual se 1 juiz tem qi ter 3 seguranças cada pessoa da favela ou de qualquer lugar tem qi ter 3 seguranças com ele tb. direitos iguais.

  84. O SOMBRA disse:

    ATORES DE PLANTÃO : AND THE OSCAR GOES TO ….

    Faço esse relato sem o intuito de sacanear o plantonista até porque vez ou outra eu me tornava um.

    A figura do plantonista, é justo aquele policial que fica sentado em uma mesa bem na entrada da Delegacia, tais policiais desenvolvem uma veia artística tamanha, que sua capacidade em fazer teatrinho é digna de um “OSCAR”, até porque, assim eles são instruídos pelos seus superiores para reduzirem o número de registros. Desta forma, cai a estatística daquela distrital e eu trabalhei com um que era dose tripla botava a Fernanda Montenegro no chinelo. Tudo isso para convencer a vítima a ir para outra D.P. no relato que se segue, é o do caso de roubo ou furto de auto, onde para impressionar a vítima, tal colega no presente já falecido demonstrava sua capacidade interpretativa de estar movendo céus e terras para localizar o veículo e aqui vai ao seu primeiro ato:

    O comunicante/vítima adentra a DP esbaforido e em tom alto alardeia: “fui roubado….!”. O plantonista então se levanta com o semblante de espanto ( TIPO OLHAR DE SPOCK ) fita-o, como se aquilo fosse um caso raríssimo na circunscrição pergunta: “quantos indivíduos? quantas armas?”. E a vítima responde: “ não sei ….”. Bem, até o plantonista esclarecer que não se trata de roubo (SUBTRAÇÃO MEDIANTE VIOLÊNCIA OU GRAVE AMEAÇA GERALMENTE COM USO DE ARMA ) mas sim de furto ( SUBTRAÇÃO DE COISA QUANDO FORA DA VIGILÂNCIA DO PROPRIETÁRIO ) vai-se vários minutos de aula de código penal, aí começa a dramatização.

    O plantonista pega no PTT ( microfone ) do radiocomunicador e começa: “CCOS…. , CEPOL … ou CECOPOL… ou qualquer outro raio de nome pois tal central de comunicações já mudou de sigla tantas vezes que não dá para decorar. Segue a mensagem: “informando furto de auto em área da XiXi D.P. no local tal por volta de tantas horas…”. Tudo isto em alto e bom tom para impressionar o cidadão. Pois o plantonista sabe que tal auto já está a kms de distância muito bem longe daquele local de furto. Mas tem que impressionar a vítima, para ela pensar que toda a polícia da cidade está em peso a procura de seu auto para dar-lhe uma falsa sensação de segurança.
    Quando na verdade, e esta é a mais pura verdade, ainda mais se for de noite já chegando a madrugada, aí é são elas…( TADINHO DELE … ), pois os poucos que estão de plantão estão tirando uma soneca para pegar no “BICO” no dia seguinte, e até abaixam o volume do radiocomunicador, isso quando não desligam o mesmo para não serem incomodados.

    Agora entra em cena o segundo ato: quando o plantonista informa que toda a polícia estadual recebeu alerta geral, é ruuuim !!!!!, nem todas as delegacias estão com telefone em pleno funcionamento, o que dirá um rádio que vai transpor cadeias de montanhas ou serras até outros municípios equidistantes.

    No terceiro ato: o plantonista vai iniciar o registro da ocorrência, porém se o local do furto for em área de outra D.P. esse plantonista vai se ajoelhar e bem baixinho agradecer pela graça recebida, e vai chutar o registro para a D.P. da área do fato, dando explicações descabidas, com termos jurídicos que a vítima nunca ouvi falar ou até o plantonista inventa na hora do tipo : em face ao “RACIO LOCI”…houve um princípio de FUMMUS BONNIS IURIS.., porém esse se apagou pois o MODUS OPERANDI EMANANDUS DO ANIMUS NACANTIS era LEDENTIS diante do DECUBITUS VENTRAL…. Logo é de outra área o senhor entendeu? E a vítima geralmente de pouca cultura espantada com tais termos fica ali olhando e sacudindo a cabeça afirmativamente.

    O plantonista olha certeiro corre pro R. O. e ( PIMBA NA GORDUCHINHA ) bica a ocorrência… ( E COMO DIZIA AQUELE ANTIGO LOCUTOR: “QUE QUE ÉÉ IIIIIIISSSSSO MINHA GENTE PELA LINHA DE FUNDO…. FOI ISOLADA ESSA NINGUÉM RECUPERA!!!!!!..”), porém como o comunicante foi bem atendido e presenciou toda aquela movimentação com o plantonista correndo de um lado para o outro, que encenação!, sai todo satisfeito para fazer o registro na D.P. ora indicada pelo local do ocorrido. O porquê de tudo isto, é pelo fato de Delegados e Chefes de S. I. depois de reuniões na secretária de segurança pública sobre estatísticas orientam para que toda essa pantomima gere um fator psicológico, pois a segurança não é tangível, segurança é uma sensação, e em nosso caso uma falsa sensação, pois segurança não há!!

  85. matacoxinha disse:

    se fuderam coxinhas….

  86. max zulu disse:

    parabens pelo excelente trabalho!!!!!

  87. Enquanto no Brasil houver a eleição de pessoas como Cabral, Lula, Collor, Sarney e outros, as pessoas que se dedicam ao serviço público, tal como policiais, médicos, bombeiros, professores serão sempre os “testas-de-ferro”, os “bodes-expiatórios”, os “bois de piranha”.
    Receberão salários humilhantes, operacionalização ridícula, falta de apoio logístico, moral e espiritual, além de, como vemos novamente, deixarem viúvas e filhos órfãos.
    Quando o brasileiro deixar de acreditar na demagogia barata, nas encenações como essa de Lula raspando os pelos para fazer de conta que o assunto é sério (tal como foi com Dilma, Chavez, e Lugo), não teremos mais essas estatísticas sangrentas.
    Até lá, teremos muito circo a encher as telas de TV.

  88. regina disse:

    gente corrupta e FDP tem em toda profissão… conheci policiais de verdade, que me protegeram com sua vida quando eu estava em perigo… eles também têm família, responsabilidades. é muito fácil falar mal da polícia, vai fazer o trabalho dele! experimenta pedir ajuda ao bandido, seu vizinho lá na comunidade quando vc tiver na merda!

  89. Isaac Soares de Souza disse:

    Policiais mortos? E todos com dó desses monstros fardados? É muito pouco o número de policiais mortos comparado ao número de pessoas que eles assassinam e torturam. A polícia brasileira é uma vergonha. O crime atingiu o patamar assustador em que está hoje, exatamente por causa da conivência da polícia militar. A polícia é comparsa do crime organizado e ninguém se toca, ninguém enxerga a realidade. A polícia é paga pela população que paga tudo neste país miserável comandado por políticos ladrões, corruptos e safados, fora aqueles que são mancomunados com o crime organizado. Como acreditar nas leis e na justiça de um país em que seus parlamentares têm imunidade parlamentar? É mesmo pra se lamentar… Corrupto e ladrão não tem que ter imunidade nenhuma, tem que ser investigado e ir pra cadeia, porque é bandido também. A polícia que a gente paga e que devia nos respeitar, quando aborda um cidadão suspeito para averiguação, em vez de tratar a pessoa com mais moderação e educação, chega já arrebentando a pessoa e xingando-a de ladrão, de filho da puta, enfim, escurraça a pessoa primeiro antes de saber se é bandido ou não. Isso tem de parar e já, porque filho da puta é mãe de cada um dos pms que agem dessa maneira. São piores do que marginais e mancham o nome da PM. Instale-se uma guerra já, quando a polícia desrespeitar um cidadão qualquer, a população tem que se unir e dar um basta, ir pra cima e coibir mesmo que seja à pauladas esse tipo de violência praticada pela polícia. Só quem pode dizer a raça maldita e diabólica que é a polícia brasileira é quem cumpre pena numa penitenciária, aí sim, o cara tem cacife pra descrever a pouca vergonha que é a polícia brasileira, talvez a mais bandida, torturadora e assassina e corrupta do mundo. Marginais fardados, assassinos fardados, se julgam donos das cidades e das pessoas e o alto comando é ainda mais covarde porque é quem manda a políciaagir desta forma inaceitável. Abaixo a PM brasileira, ela tem que passar por um processo imediato de educação e reestruturação. É como a própria polícia alardeia e parte da população ignorante: “Bandido bom é bandido morto…” Concordo. e é exatamente por concordar com tais palavras que também concordo com uma coisa: “Policial bom e honesto, é policial morto, porque não fará mais nenhum mal ao cidadão que o sustenta..”

  90. Isaac Soares de Souza disse:

    Quem foi que disse que a o policial ganha mal? Idiotas dizem tal asneira, pelos maus serviços prestados esses merdas fardados ganham até bem demais. Ganhar o que um policial ganha para bater nas pessoas e torturar e assassinar e invadir residencias sem o mínimo rspeito pelas pessoas, até eu queria ganhar. Quem ganha pouco é o trabalhador comum que sustenta o Brasil e seus poderosos. Um policial deveria ganhar salário mínimo como ganha a maioria do povo, aí sim saberia o que é sofrer. Imaginem todos vocês se todo o povo brasileiro que trabalha e sustenta essa merda de país ganhasse o mesmo salário que um policial ganha e tivesse as mesmas regalias que o policial tem, segurança eterna no emprego, assistência médica melhor que a maioria, enfim, tudo mais organizado, o Brasil seria outro, seus idiotas…

  91. Inacreditável que ninguem faca absolutamente nada!

  92. [...] ESTATÍSTICA DE POLICIAIS MORTOS E BALEADOS EM 2010: CLIQUE AQUI [...]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s